Sábado, 21 de Fevereiro de 2009

1000 a.C (45 a.C a 38 a.C.)

Ano 45 a.C. (709) - Júlio César faz de januarius, Janeiro, o primeiro mês do ano, quando este ano, põe em vigor o calendário juliano, ou seja, a divisão egípcia do tempo segundo os anos solares.
* Este ano César autoproclama-se ditador vitalício, isto um mês antes da sua morte.
* Sendo Octávio (Caius Octavius - Caius Julius Caesar Octaviannus - Augusto) por parte da mãe, sobrinho de César, este adopta-o e dá-lhe o seu nome, este ano.
* César regressa da Síria, triunfalmente a Roma este ano, e imediatamente para aí convida a rainha do Oriente, afrontando os romanos piedosos, ao mandar colocar a estátua de Cleópatra no Templo de Vénus.
* No norte de Portugal e Espanha, a partir mais ou menos de Aveiro; César sai vitorioso sobre os filhos de Pompeu.
* Quando um Cônsul morre no último dia deste ano, César faz eleger outro homem para as horas que restam.
* A causa Republicana fracassa finalmente no campo de Munda este ano; o jovem Cneu Pompeu é morto, mas o irmão, Sexto, continua a lutar. César dirige-se a Roma, onde chega no princípio de Outubro.
A Civilização Ocidental deve a Júlio César o calendário de 365, 25 dias, introduzido a 1 de Janeiro deste ano.
* César torna-se ditador vitalício, em benefício dos cavaleiros e das camadas populares. As reformas de César esbarram na oposição da aristocracia, atingida em seus privilégios políticos e económicos.
* O êxito dos dois filhos de Pompeio, Gneu e Sexto, que encabeçam a resistência a Júlio César, é de pouca duração na H. Ulterior. Este ano, J. César auxiliado pelo príncipe mauritano Bogud, vence-os em Munda. Corduba, capital da H. Ulterior, pouco tempo resiste às tropas de Júlio César. Em Ategua (hoje Teba la Vieja), Munácio Flaco, um comandante partidário dos Pompeios, vendo os habitantes desertarem, mata-lhes as mulheres e os filhos. Alguns, apanhados enquanto fogem, são degolados e precipitados das muralhas. Algumas crianças, são atiradas ao ar e apanhadas na ponta das lanças. Tais actos são praticados pelos Lusitanos da guarnição. Sexto Pompeio mantém a guerra na Lusitânia, enquanto César regressa a Roma, ficando G. Garrinate como governador interino da Hispânia.
* Para César ainda não chegou o tempo de se consagrar aos trabalhos da paz. A guerra civil prolonga-se porque a hidra pompeiana volta a ameaçar. Os poucos chefes do partido senatorial que sobreviveram à derrota de Tapso, entre os quais Cneu e Sexto Pompeu, filhos do grande Pompeu, refugiados na Península Ibérica, sublevam esta região contra César. O último acto da guerra civil decorre este ano, perto de Munda, no extremo meridional deste território. Os Optimates com a coragem do desespero. Os combates empregam-se com um encarniçamento horrível na destruição do adversário. Já ninguém entoa os habituais cantos de guerra. Os soldados lançam-se uns contra os outros com raiva cega e por toda a parte se ouvem gritos de morte. O combate é impiedoso. Cneu Pompeu foge, mas é apanhado e esquartejado, depois de uma luta desesperada. Só Sexto Pompeu continua vivo depois da batalha, porque não participou nela. refugiou-se nas montanhas da Ibéria e espera a  hora de desempenhar de novo um papel na cena política romana.

Ano 44 a.C. - A guerra na Lusitânia só acaba no Outono deste ano, já depois da morte de César, quando M. Emílio Lépido, governador da Citerior, oferece a Sexto Pompeio, em nome do Senado e por conselho de Marco António, o comando da frota romana e a restituição dos bens familiares.
* Tendo atingido o limite do mundo Ocidental depois da expedição à grã-Bretanha, projectava no momento em que foi assassinado, nos idos de Março deste ano, a organização de uma outra em direcção ao Oriente. Morte de César. Sonho de ser soberano de toda a terra. E por isso fizera propalar a ideia de que o Oriente só poderia ser conquistado por um homem que tivesse o título de rei. Os conjurados que o assassinaram no Senado quiseram abater o que eles chamavam o tirano, ascendido aos máximos poderes na Republica de um modo que consideravam intolerável. O seu acto nada mudou na situação de facto. Todas as tentativas para restabelecer a antiga ordem de coisas e restituir ao senado os seus poderes e ao povo as suas prerrogativas, só serviram para provocar um caos ainda maior.
* César recebe o cargo e titulo vitalício este ano.
* Durante os últimos anos da sua vida, César governou como se fosse um rei, embora não tivesse esse titulo. Foi nomeado Supervisor dos Costumes e Pai da Pátria e o nome do mês em que nasceu foi alterado para Julius (Julho) embora rejeitasse o título de rex e a “coroal real” que António lhe ofereceu em Lupercália este ano, adoptou no entanto muito do aparato associado à realeza (por ex. a toga púrpura) fez colocar a sua estatua entre as dos antigos reis, no Capitólio, e mandou cunhar moedas com a sua esfinge. Começou a instituir honras de culto por si próprio. reconstruiu ainda este ano a Cúria ou sede do senado.
A facção republicana do Senado Romano, um grupo de nobres Senadores, temendo a restauração da monarquia, assassina César, com um acto cruel e absurdo que desencadeia uma guerra civil ainda pior do que a que acaba de terminar. O assassinato, não restaura o poder do Senado, uma vez que as massas populares romanas e o exército são-lhe contrários. À morte de César segue-se um período de confusão e perplexidade e uma luta desesperada pelo poder. As principais figuras de entre os apoiantes de César, são o Cônsul sobrevivente, Marco António e o mestre da cavalaria, M. Emílio Lépido. O 1º tem o apoio do exército de Itália, que se estava a reunir para a projectada expedição de César contra os Partos; consegue ganhar o apoio das massas urbanas explorando o testamento de César, onde consta C. Octávio, nomeado herdeiro de César e por este adoptado como filho. Octávio é neto da irmã de Júlio César. Por parte do pai pertencia a uma obscura família municipal de Velitrar. Tem 19 anos e está a estudar na Grécia, quando sabe do assassinato do ditador. Dirige-se imediatamente a Itália, para reclamar a sua herança, ignorando o conselho dos pais para não se meter em sarilhos. Em Roma é recebido friamente por Marco António, que não fica satisfeito com a sua intromissão, forçando-o a aliar-se aos optimates que pensam poder servir-se dele, na luta contra Marco António.

* Depois do assassínio de César, a pequena distância dos Idos do mês de Março deste ano, aparece um cometa brilhante.
* Uma conspiração do Senado culmina com o assassinato de César, sob a acusação de pretender substituir a República pelo Império.
* O nome de César transforma-se, posteriormente no título que designará os imperadores romanos.
* Antes do assassínio de César, surgiram no céu sinais, aparições e luzes extraordinárias. Estrabão diz que se viam passar multidões de homens flamejantes.

Ano 43 a.C. - Fiel defensor da República, Cícero, é brutalmente assassinado nas proscrições deste ano.
* Moeda deste ano representa a estátua de culto arcaica de Diana, no bosque de Arícia, que era um santuário comum dos povos latinos dos primeiros tempos. A deusa está representada nas suas três formas: Diana, Hécate e Selene.
* Este ano Marco António dirige-se para norte, para assumir um comando provincial na Gália (França). * Em  Roma, Cícero, fiel defensor da República, lança um importante ataque contra ele (Filipicas) e convence o Senado a enviar um exército comandado conjuntamente pelos cônsules e por Octávio. Mas nas proscrições d este mesmo ano, acaba brutalmente assassinado.
* Os partidários de César conseguiram, a despeito de sua morte, neutralizar a conspiração do Senado.

* Este ano, Marco António, general romano, da cavalaria, assume o poder e com o apoio do exército implantam em Roma o Segundo Triunvirato.
* As guerras civis acabaram por dizimar a aristocracia romana este ano com a luta conduzida por Marco António e Octávio, este último filho adoptivo do ditador assassinado. Contra os defensores do antigo regime que tinham por chefe Bruto e Cássio até ao embate dos dois aliados este ano.
* Este ano, os três homens mais poderosos de Roma, Octávio, António e Lépido, concluíram uma aliança para governarem sozinhos o império romano. Esta aliança não é um simples acordo, como o primeiro triunvirato, mas terá uma rectificação legal. Uma das primeiras medidas dos novos triúnviros é liquidarem as contas com todos os seus inimigos. Para fazer a guerra a Bruto e a Cássio é preciso dinheiro. As proscrições são o único modo de obter fundos. Tem portanto início um novo terror e uma série interminável de proscrições.

Ano 42 a.C. (712) - Os 3 líderes Cesarinos, Antônio, Lépido e Octávio concluem um acordo constituindo o segundo triunvirato. Pelo acordo, os 3 dividem entre si as províncias ocidentais do império e recebem poder ilimitado por cinco anos, para reorganizar os assuntos do Estado. O acordo é rectificado pela Assembleia popular.
* Para reorganizar o Estado, instaura-se o terror em Roma. Há 2 objectivos no terror: A eliminação da oposição e o levantamento de fundos para pagar os soldados.
* Tibério Júlio César (Tibério) nasce em Roma este ano. Filho de um antigo general de César, Tibério Nero e de Lívia que mais tarde vai casar com Augusto.
* Este ano Octávio e Marco António marcham contra Bruto e Cássio, que controlam as províncias ocidentais, derrotando-os em Philippi. Após esta vitória fez-se uma nova distribuição do Império. Octávio recebe a Itália e a maior parte das províncias ocidentais e assume o comando contra Sexto Pompeu, que ocupou a Sicilia e se transformara num foco de resistência, enquanto António toma conta do comando contra os Partos a leste. Lépido, homem sem méritos, foi enganado em África.
* Em Itália, Octávio tentou instalar os veteranos de Philippi em terras confiscadas a determinadas cidades, o que provoca resistência, por parte de um dos cônsules, o irmão de Marco António, Lúcio, que acaba por pegar em armas a favor dos italianos descontentes.
* Este ano, Brutus e Cassius, líderes da conspiração senatorial, foram derrotados na Grécia na batalha de Filipos. O poder é dividido entre os triúnviros: Octávio fica com a Europa, Marco António com a Ásia e Lépido com a África.
* Em Roma as proscrições terminam a sua sangrenta tarefa. É chegado o momento de acabar com Bruto e Cássio. Os triúnviros reúnem as suas forças armadas e dirigem-se contra os dois chefes republicanos. O último combate trava-se este ano, na Macedónia, junto de uma cidade chamada filipos. As duas batalhas de Filipos são as mais gigantescas de toda a história romana. Os dois campos aliam 100 000 homens. A batalha resulta numa vitória para os triúnviros devido a brilhante estratégia de António. Octávio é muito jovem, muito inexperiente e além disso, muito doente, não podendo exercer um comando supremo. Não é a primeira vez que a sua débil saúde o reduz á impotência no momento decisivo. Cássio e Bruto juraram suicidar-ase se fossem vencidos. Cássio é o primeiro a faze-lo ao crepúsculo do primeiro dia nada está decidido, mas a morte de Cássio lança a desordem nas fileiras republicanas. Bruto é demasiado intelectual muito lento a intervir. o campo republicano transforma-se numa  escola de filosofia onde cada um defende a sua opinião em discursos intermináveis. O mais indisciplinado dos chefes republicanos é Casca, o que desferiu a primeira punhalada em César. Bruto combate com coragem e inicialmente com sucesso mas o comando acaba por lhe escapar completamente. uma vez perdida a batalha, foge e em seguida lança-se sobre o seu gládio. César está vingado. Roma inteira julga que a sua morte atraíra a colera divina sobre os seus assassinos.

Ano 41 a.C. - António, intima a rainha do Egipto a encontrar-se com ele em Tarso.  No céu azul, tres sóis fundiram-se num só.

Ano 40 a.C.-
Os Idumeus (Beduínos do sul) tiraram a sua desforra devido à conversão forçada ao judaísmo pelos macabeus, pois que o Idumeu Herodes obtivera de Roma o título de rei da Judeia, sem renunciar à religião de Yahweh.
* Herodes, um idumeu é nomeado rei da Judeia pelos romanos.
* Marco António casa com Octávia, irmã de Octaviano este ano.
* Após alguns meses de luta, L. António, é cercado em Perúsia (Perúgia) que cai este ano, ele é poupado mas seus seguidores são mortos.
* Marco António chega a Brudisium neste mesmo ano, mas evita-se um conflito em grande escala quando os soldados se recusam a lutar e forçam os dois lideres a resolver as suas diferenças. O triunvirato é restabelecido e a divisão entre Oriente e Ocidente, confirmada.



Ano 39 a.C. (715) - Por morte de Herodes, rei da Judeia, o seu reino é partilhado entre três dos seus filhos: Herodes Antipas aquele que segundo os evangelhos manda decapitar João Baptista reina  sobre a Galileia e a Pereia até à sua deposição neste ano.
* Filipe recebe os territórios do noroeste,
* Arquelau, é-lhe concedida a Judeia, a Idumeia e a Samaria.
* Herodes Antipas
* Moeda emitida por Marco António este ano.
* Marco António comanda uma campanha contra os Partos.

Ano 38 a.C. - Lívia, mãe de Tibério casa com Augusto.

 

Diana

Imperador Júlio César

Brutus

Assassinato do Imperador Júlio César

Triunvirato: Octávio, Marco António e Lépido

Poussin

 

fotosdanet

 

 



PublicadoPor lazulli às 10:23
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos

*UmaPequenaHistória

*Procurar

 

*Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


*DadosRecentes

* Do ano 303 ao ano 395 d.c...

* Do ano 69 ao ano 97 (1000...

* Do ano 61 dC ao ano 68 dC...

* Ano 2 d.C (1000 anos de h...

* 1000 a.C (45 a.C a 38 a.C...

* 1000 anos a.C. (70 a.c. ...

* 1000 a.C (87 a.c. a 80 a....

* 1000 a.C (92 a.c. a 88 a....

* 1000 a.C. (134 a 122)

* 1000 a.C. (144 a.c. a 136...

*Arquivos

* Março 2016

* Fevereiro 2010

* Outubro 2009

* Julho 2009

* Fevereiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Julho 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

*tags

* todas as tags

*favoritos

* ... cega ...

*AcrescentosHistóricos

ANO 147 a.C. ANO 153 a.C.

*PartilharConhecimento

* PartilheConhecimento

*Bibliografias

Os Lusitanos - No contexto Peninsular História de Roma Estrabão, III, 3,7 Polibio, XXXIV

*Mapa do nosso mundo


Visitor Map
Create your own visitor map!

*estudiosos

*Traduzir o blog

*Terra


contador gratis

*visitas

contadores
contadores

*apesar do conteudo histório ser de outros autores este blog não deve ser plagiado

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.

*Eis... a História interminável... dos homens!... e Guerreiros destemidos! Faltam-nos hoje, para mudarmos o Mundo para melhor