Quarta-feira, 5 de Março de 2008

1000 a.C. (328 a.c. a 314 a.c.)


Ano 328 a.C. - Os romanos fundam uma colónia em Fregellae , na zona estratégica do vale médio do Lírio. A fundação de Fregellaes , provoca de imediato uma reacção hostil por parte dos Samnitas , e no prazo de um ano estala uma Guerra que vai durar de forma intermitente, quase 40 anos.


Ano 326 a.C. (428) -
Fo
i este ano que começa a luta sobre o território samnita ; algumas cidades fronteiras da Campânia, Rufras (entre Venafro e Teano) e Alifas, são ocupadas pelos romanos.

* Proibição da escravidão de cidadãos, em Roma.

* Alexandre encontra Besso e manda esquartejá-lo devido à sua traição a Dario.

* Este ano em Roma proibe-se a escravidão de cidadãos.

* Depois da queda do poderio Etrusco e a partir do enfraquecimento das Repúblicas Gregas, a Confederação Samnita era, para os romanos, a potência mais considerável da Itália e, ao mesmo tempo, a mais imediatamente ameaçada pelo espírito conquistador de Roma. A ela coube, em consequência, o primeiro lugar e o mais pesado fardo na luta que os italiotas tiveram que sustentar contra Roma.

* Este ano começa a luta sobre o território sammnita; algumas cidades fronteiras da Campânia, Rufras (entre Venafro e Teano) e Alifas, são ocupadas pelos romanos.

* Parte da India pertencera ao Império Romano Persa e era preciso conquistá-la. Alexandre III atravessa o Indo este ano e a sua vitória sobre o rei Poro traz-lhe o Penjabe. Pensa então atingir o GHranges, mas os seus soldados, esgotados, impediram-no. Obrigado a voltar para trás, manda erguer uma coluna com estas palavras. “Aqui parou Alexandre”. Depois torna a descer o Indo, fundando mais colónias. Consciente da fragilidade do seu Império, Alexandre julga necessário dar-lhe um fundamento sagrado. Voltando à antiga crença que fazia dele o filho de Zeus-Amon, exige ser venerado como um deus.

* A fim de unificar o seu Império, agora mais Oriental que Mediterrâneo. Alexandre procura formar um exército em que todas as provincias estejam representadas e colocadas sob a mesma autoridade. E incorpora numerosos persas e orientais na infantaria, com risco de enfraquecer a coesão. Visando a rivalidade entre povos, cria um corpo de cavaleiros persas, os epígonos, ao lado dos hebreus. Para conquistar a India, integra cavaleiros orientais e elefantes. É uma verdadeira horda de quase 12 0000 pessoas, de que metade são mulheres e crianças, que atravessa o Indo este ano.

* o sistema de servidão por divida (nexum) foi abolido este ano.

* Os romanos obtêm um exito este ano, quando o governo da cidade grega de Nápoles decidiu expulsar uma guarnição samnita e chamar os romanos em sua ajuda. O resultado deste episódio, o primeiro contacto formal com a comunidade grega de Itália, foi uma aliança extremamente valiosa.

 

Ano 325 a.C. - Quando Alexandre Magno anda em campanha na Bulgária recebe depurtações de todos os povos que vivem perto do Danúbio Inferior, e entre estes vem uma embaixada de celtas, referidos como do Adriático.


Ano 324 a.C. - Alexandre III, continua a sua política de fusão racial, desposa em segundas núpcias, Satira, filha de Dario III, este ano. Até no seu trajo, ele realiza esta fusão: enverga a âmide e o barrete macedónio, mas também a túnica, o diadema e o manto púrpura dos reis persas.

* Este ano, Alexandre está em Susa onde toma importantes medidas politicas. Gizou a fusão dos povos macedónio e persa atravês de casamentos em massa (o próprio Alexandre desposa a filha de Dario), a fusão dos respectivos exércitos e, para reiterar a sua supremacia, exige ser considerado e honrado como um deus.


Ano 323 a.C. -
Alexandre Magno atravessa novamente a Palestina. Ficam subjugados todos os Países do antigo Oriente e penetra até ao Indo e até quase às imediações do maciço do Himalaia. De regresso, é atacado no caminho pela febre. E com trinta e três anos de idade, Alexandre morre na Babilónia a 13 de Junho.

* Regressado à Babilónia, de que queria fazer a sua capital, Alexandre encarrega um dos seus tenentes, Nearco, de uma expedição ao Golfo Pérsico. Concebe sem dúvida outras conquistas, como a Espanha e a África, e acalenta o projecto de construir uma grande esquadra. Mas manifestam-se sombrios presságios. Hefesto, seu amigo de juventude, morre bruscamente; ele posta-se por muitos dias diante do cadáver. Recobrando a energia empreende novas tarefas, funda novas cidades. Mas cai doente, dura apenas 12 dias e morre a 13 de Junho, com 33 anos. Tudo se desmorona: a mãe e o filho são assassinados; os generais disputam a herança do Império, que se desmembra.

* Alexandre morre ano de doença súbita, na Babilónia, decretada capital do seu Império. Tem morte prematura aos 33 anos de idade.

* Quando prosseguia a sua marcha para o Oriente até o vale do rio Indo, as tropas de Alexandre recusam acompanhá-lo na expedição de conquista à India. Então ele retorna à Mesopotâmia e fixa a capital do Império na Babilónia. Morre prematuramente nesta cidade, este ano, com 33 anos de idade, quando planejava uma nova campanha para conquistar Cartago e o Mediterrâneo Ocidental.

Depois da derrocada da Pérsia, Israel passa a fazer parte, sem grandes perturbações do Império de Alexandre e, depois da morte do Imperador macedónio, este ano, foi anexada ao reino Ptolemaico do Egipto, em luta constante tanto com o outro reino dos Diádocos a Oriente, como com o Estado dos Selêucidas, por motivo do Sul da Síria.

* Morre Alexandre, Magno. O seu Império é dividido e dá origem aos reinos helenísticos. O Egipto é a partir daqui, governado pela Dinastia Plotomaica.

Novos Estados surgem no grandioso Império Macedônico, com a morte de Alexandre Magno.

A cultura e a língua grega, graças às campanhas de Alexandre Magno, foram difundidas pelo Oriente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois da Morte de Alexandre a 13 de Junho, Atenas tem uma sublevação conduzida pelo Partido Democrático, dirigido por Hipérides e o esmagamento das forças atenienses por Cassandro, que fica a reger o governo da Macedónia, o governo da cidade fica entregue a Demétrio de Farelos, apoiado pelo Partido Aristocrático.

Ptolomeu valente soldado e um perito general, conterrâneo de Alexandre, amigo e parente, de origens nobres, ( seu pai, Lago, desposou Arsione, que era parenta da família real,) teve três esposas: a primeira foi Apama, filha do Sátrapa persa Artabazo e irmã de uma outra mulher de Alexandre, de nome Barsina; a segunda, Eurídice, filha de Antipatro, e a terceira chamada Berenice, sua meia irmã, porquanto ela era também filha de Lago e de outra mulher (Antígona). Chega ao Egipto este ano, onde encontra logo um problema a resolver: Alexandre deixou aqui uma vasta guarnição sob as ordens de um comandante grego de Náucrate, chamado Cleômenes, que tem também a função de supervisionar a construção de Alexandria e que é o verdadeiro governador e dono do Egipto. É lógico que com o aparecimento de Ptolomeu sua fisionomia não revela nenhum sinal de jubilo, mas Ptolomeu nomeia-a-o tesoureiro e preocupa-se em adquirir simpatia e prestígio pessoal dentre os novos súbditos.

Perdica envia à Babilônia um tal Arrideu para recuperar os restos mortais de Alexandre, pode ser que Alexandre tenha deixado disposições no sentido de ser sepultado no oásis de Siva, no santuário de “seu pai” Zeus-Amon, mas os seus soldados preferem sepultá-lo em Pela. Ptolomeu acolhe com grande devoção os restos mortais do seu rei e manda sepultá-los em Mênfis. Assim pode elevar ao máximo o seu prestígio, pois para os egípcios era o guardião do falecido faraó e para os macedônios, era de certa forma o sucessor de Alexandre. Mas Perdica fica furioso e declara-lhe guerra. Chega a Pelúsio com uma armada e tenta penetrar no Delta, mas tem que retroceder. Desvia para sul, mas fracassa novamente, a terceira vez ainda mais para sul, perde dois mil homens e acaba assassinado em sua tenda por dois de seus oficiais este ano. O império sofre então uma forte reviravolta, ficando quase totalmente desguarnecido. E durante uma Conferência de Diádocos em Triparadiso, na Síria este ano, são decretadas as novas divisões. Lisímaco, Ptolomeu, Antíogo e Eumene são reconfirmados nos seus domínios. Antipatro assume o lugar de Cratero e a Seleuco cabe a Babilónia.

Ptolomeu podia ter conseguido facilmente o lugar de Perdica, o guardião da unidade do Império. Mas não o faz, pois está interessado no Egipto e no Mediterrâneo.


Ano 322 a.C. - Para poupar um segundo crime contra a filosofia dos Atenienses, segundo as suas próprias palavras, Aristóteles deixa Atenas e refugia-se em Cálcis, na ilha de Eubeia, onde morre este ano.

Quando se arrogou o direito ao Egipto, o diádoco Ptolomeu foi sem dúvida o mais perspicaz; previu, que os seus colegas logo começariam a demandar. O que acontece durante a primeira “guerra civil”.  O primeiro que desaparece de circulação é Leonato este ano, morto na Tessália, vítima de uma rebelião. As batalhas, todavia, resolvem-se muito rapidamente, pois não passam de lutas entre generais e as tropas permanecem fiéis aos seus chefes enquanto vencem. À primeira derrota passam as armas e bagagens para o campo do vencedor.O Egipto um País de pequena extensão porém populoso e muito rico, habitado por gente pacífica e confinado aos limites do Império, representa um oásis de paz e demontra prespectiva não muito longe de uma total independência.


Ano 321 a.C. - Os Cônsules decidem irreflectidamente empreender uma invasão em grande escala do território Semnita. Tal tentativa termina em desastre, quando o exército romano sofre uma embuscada na encruzilhada de Candina e é vergonhosamente forçado a render-se.

O outro que demanda de junto do diádoco Ptolomeu é Cratero, este ano, que também morre lutando contra Eumene.


Ano 319 a.C. - Antipatro, primeiro-ministro em Pela, morre com quase oitenta anos, deixando a Regência do Império a um velho colega, Poliperconte, e não ao filho Cassandro. Os protestos de Cassandro são apoiados por Antígono e Ptolomeu e os direitos de Poliperconte por Eumene. Estoura a Guerra Civil.


Ano 317 a.C. - As vitórias mais clamorosas foram conquistadas por Antígono Monoftalmo e Eumene é julgado em Ecbátana este ano. Antígono torna-se assim o dominador entre os diádocos, incluindo nos seus domínios a Capadócia de Eumene bem como a Pérsia. Portanto praticamente a maior parte do Império de Alexandre. É também o mais abastado, pois apossasse dos tesouros de Susa e de Ecbátana (trinta mil talentos). Neste meio tempo, Cassandro, com o apoio de Lisímaco e Eurídice, mulher de Filipe Arrideu, vence Poliperconte. Mas em Pela ainda não foram ajustadas contas com a terrível Olímpia, mãe de Alexandre, protetora de Poliperconte. Ela sai do Epiro com Rossane e o jovem Alexandre IV, que se refugiaram em sua companhia. As tropas de Cassandro são derrotadas por Filipe Arrideu e sua mulher assassinados este ano.


Ano 316 a.C. - A Guerra com os romanos reinicia-se este ano por iniciativa dos Samnitas .

Guerra na Apúlia, onde os romanos tomam de assalto Satícula, cidade fronteira com o Sâmnio.

Cassandro, não se deu por vencido e consegue entrar novamente na Macedônia e capturar Olímpia em Pidna enviando-a a um tribunal este ano, enquanto Rossane e Alexandre IV são presos na fortaleza de Anfípolis. Assim termina a Segunda Guerra Civil, mas o campo está aberto para uma Terceira.


Ano 315 a.C. - Os Samnitas invadem o Lácio e obtêm uma vitória na Batalha em Lantulae, perto de Terracina.


Ano 314 a.C. (438) Os romanos acampam no inverno, diante de Boviano, capital do Sâmnio. Os romanos, para assegurarem para sempre a conquista do território da Apúlia e da Campânia, começam a fundar aqui, este ano novas fortalezas.


PublicadoPor lazulli às 12:06
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos

*UmaPequenaHistória


* Lazulli

* Adicionar

. 6 seguidores

*Procurar

 

*Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


*Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

*DadosRecentes

* Do ano 303 ao ano 395 d.c...

* Do ano 69 ao ano 97 (1000...

* Do ano 61 dC ao ano 68 dC...

* Ano 2 d.C (1000 anos de h...

* 1000 a.C (45 a.C a 38 a.C...

* 1000 anos a.C. (70 a.c. ...

* 1000 a.C (87 a.c. a 80 a....

* 1000 a.C (92 a.c. a 88 a....

* 1000 a.C. (134 a 122)

* 1000 a.C. (144 a.c. a 136...

*Arquivos

* Março 2016

* Fevereiro 2010

* Outubro 2009

* Julho 2009

* Fevereiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Julho 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

*tags

* todas as tags

*AcrescentosHistóricos

ANO 147 a.C. ANO 153 a.C.

*PartilharConhecimento

* PartilheConhecimento

*Bibliografias

Os Lusitanos - No contexto Peninsular História de Roma Estrabão, III, 3,7 Polibio, XXXIV

*Mapa do nosso mundo


Visitor Map
Create your own visitor map!

*estudiosos

*Traduzir o blog

*Terra


contador gratis

*visitas

contadores
contadores

*apesar do conteudo histório ser de outros autores este blog não deve ser plagiado

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.

*Eis... a História interminável... dos homens!... e Guerreiros destemidos! Faltam-nos hoje, para mudarmos o Mundo para melhor