Segunda-feira, 21 de Março de 2016

Do ano 303 ao ano 395 d.c. (1000 anos d.c.)

Ano 303 - "Grande Perseguição" aos cristãos, desde este ano até ao ano seguinte.

Em 23 de Fevereiro, na festa das Terminalia, há perseguição aos cristãos em Nicomedia, e a Igreja de Nicomedia é arrasada.

A perseguição à Igreja é baseada na acusação feita aos cristãos de terem tentado pôr fogo ao Palácio Imperial.

 Na sua luta contra o cristianismo, Diocleciano subestima no seu cálculo doutrinário a eficácia das medidas persecutórias o que, em verdade, é a única vez que sucede. Deste modo a sua perseguição contra os cristãos este ano e seguinte, é inútil.

. As Comunidades cristãs peninsulares (Ibérica) reúnem-se no Concílio de Elvira (Granada), este ano, tendo já 19 bispos e 24 presbíteros. Três dos bispos são da Lusitânia: Libério de Mérida, Vicente de Ossónoba e Quinciano de Évora.

. Este ano, dá-se o Início da Perseguição aos Judeus.

 

Ano 313 - O Edicto de Milão, promulgado por Constantino Magno, proíbe a perseguição ao cristianismo no Império Romano.

 

Ano 314 - Este ano, Constantino manda reunir um Sínodo em Arles (Provença), com vista a dilucidar alguns aspectos internos da Igreja que ameaçam adquirir relevância política. Seja, por exemplo, a polémica Donastie (assim chamada pelo nome do bispo Donato de Cartago, que insiste na exclusão da Igreja de todos os pecadores).

. Ano do Édito de Milão; pelo qual o Imperador Constantino declara a protecção Oficial das Autoridades Romanas ao Cristianismo.

 

Ano 332 - Devido à Tradição que situa a sepultura de Pedro ao pé da colina do Vaticano, Constantino manda aí erguer uma Basílica, este ano.

. A partir deste ano os arrendatários, ficam vinculados à gleba. Os donos dos domínios passam a ter poder senhorial e de governo, muitas vezes por simples usurpação.

 

Ano 350 - Desde este ano, Tribos germânicas Ocidentais mais pequenas (por exemplo: Sálios, Camavos, Bructeros, Usípios, Ansivários), que no seu conjunto se chamam "Francos", estendem-se desde os rios Ems, Lips, Reno, Mosela, passando pelo Mosa e Escalda, até chegarem ao Soma; Dinastia Merovíngia.

 

Ano 354 - Santo Agostinho, desde este ano até ao ano 430, o mais influente de todos os teólogos latinos, argumenta que os judeus, por sua mera existência, são parte do Plano de Deus, de vez que são testemunhas da verdade do cristianismo, com sua falha e humilhação simbolizando o triunfo da Igreja sobre a Sinagoga.

 

Ano 366 - O Pagão Amiano Marcelino comenta este ano a mundanização do clero cristão: “Quem tiver a sorte de alcançar a dignidade de bispo de Roma tem o futuro garantido. Recebe prendas das matronas, anda de carro, veste esplendidamente e faz que lhe sirvam banquetes magníficos, de modo que a sua mesa ultrapassa em muito a de um rei!” (Amiano Marcelino, 27,3,14.)

 

Ano 373 - O século IV vê a heresia instalada na África do Norte (Santo Agostinho passa a ser maniqueísta desde este ano), Ásia Menor, Grécia, Ilíria e até na Gália e Espanha.

 

Ano 395 - Divisão do Império de Roma: Império do Ocidente e do Oriente.

. Invasão da Grécia pelos Visigodos.

. Ao morrer Teodósio I, este ano em Milão, deixa dois filhos de tenra idade, e confia a sua juventude ao Vandalo Stilicon, marido de sua sobrinha, e cujos talentos e serviços o elevaram à dignidade de Capitão General do exército. Segundo as intenções do príncipe Teodósio I, seus dois herdeiros devem exercer o Poder Soberano sem divisões, e reinar em capitais diferentes, sem romper a unidade do Império. O Governo do Ocidente cabe a Honório, mas Arcádio (o mais velho dos dois irmãos), coloca-o em Constantinopla de baixo da tutela do Galo Rufino, Prefeito do Pretório.

. Teodósio I, morre em Milão em Janeiro e foi no espaço de mais de meio século, o único Imperador que, com a sua habilidade militar e força de carácter, exerceu um controlo pessoal contínuo sobre o Império Romano. De certo modo é irónico que a sua morte deixe o Império nas mãos de duas nulidades como são seus filhos. Arcádio, que detém nominalmente o poder em Constantinopla, e Honório, Imperador em Milão. O controlo dinástico de Teodósio sobre o Império Portucalense, ainda mais com o seu casamento-após a morte da sua primeira mulher-com Gala, filha de Valentiniano I.

. Quando Teodósio morre repentinamente em Milão, este ano, o "renascimento" teodosiano acaba. Os seus dois filhos, Arcádio e Honório, vão dividir o Império Romano, entre si. Arcádio passa a Imperador do Oriente; Honório, a Imperador do Ocidente. Como governantes, serão incompetentes, meros joguetes das suas cortes.

.Átila, nascido por volta deste ano, vai-se impor como senhor de um vasto Império Bárbaro e tentar impor a sua autoridade a todos os Germanos. Por uma incursão até aos muros de Constantinopla, vai impor a sua suserania ao Império do Oriente, depois voltar-se-á para o Ocidente.

. Neste ano nasce Átila, vai suceder a seu tio Rugas no trono dos Hunos. Vangloriando-se de ter recebido a sua espada directamente do Deus dos Hunos. Considerar-se-á que é designado para assegurar "O Império do Universo" e vai apresentar-se como o "Punho de Deus, do qual o céu se serve para castigar as nações". avançara primeiro sobre o Império do Oriente, forjando um imenso reino desde o mar Cáspio ao Reno. Em seguida porá o Império do Ocidente a ferro e fogo, reclamando metade das suas terras como dote pelo seu casamento com Honória, irmã do Imperador, que lhe envia o seu anel. Com os Francos e os Vândalos, invade a Gália. Saqueia Metz, mas vai poupar Paris, onde Santa Genoveva persuadira os habitantes a permanecer na cidade. Atingindo o Loire, Átila cerca Orleães e o assalto final estará já decidido quando, a 24 de Junho, surgem os exércitos coligados de Valentiniano, sob as ordens de Aécio e de Teodorico I, rei dos Visigodos. Obrigado a levantar cerco, Átila retira-se para Troyes, nos Campos Cataláunicos, onde recomeça o combate. Será uma autêntica carnificina para ambos os lados e Átila, vencido, reagrupa as suas forças para lá do Reno.

.

. Este ano Teodósio partilha o Império entre os seus dois filhos, ninguém tem consciência de que se trata de uma ruptura definitiva, entre o Oriente e o Ocidente. Não é a primeira vez que uma tal medida é tomada por razões de eficácia administrativa de resto, a língua e as instituições permanecem romanas. Não obstante, a divergência de interesses surge rapidamente, tanto no domínio económico como no cultural e religioso. Constantinopla prospera e afasta-se de Roma, submersa pelos bárbaros.

. Esteano, Alarico I, à cabeça dos Godos, arrasa a Trácia, a Macedónia, a Tessália e o Peloponeso, até que Estilicão o derrota em Foloé. Alarico dirige-se então contra Honório. Em duas investidas invade a Itália do Norte, mas Estilicão vence-o em Plaisance e em Verona. Alarico lança-se sobre Roma, onde entra de surpresa a 24 de Agosto.

.

.

 

Penso: ... preocupada com a reviravolta da humanidade

PublicadoPor lazulli às 20:39
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Sábado, 21 de Fevereiro de 2009

1000 a.C (45 a.C a 38 a.C.)

Ano 45 a.C. (709) - Júlio César faz de januarius, Janeiro, o primeiro mês do ano, quando este ano, põe em vigor o calendário juliano, ou seja, a divisão egípcia do tempo segundo os anos solares.
* Este ano César autoproclama-se ditador vitalício, isto um mês antes da sua morte.
* Sendo Octávio (Caius Octavius - Caius Julius Caesar Octaviannus - Augusto) por parte da mãe, sobrinho de César, este adopta-o e dá-lhe o seu nome, este ano.
* César regressa da Síria, triunfalmente a Roma este ano, e imediatamente para aí convida a rainha do Oriente, afrontando os romanos piedosos, ao mandar colocar a estátua de Cleópatra no Templo de Vénus.
* No norte de Portugal e Espanha, a partir mais ou menos de Aveiro; César sai vitorioso sobre os filhos de Pompeu.
* Quando um Cônsul morre no último dia deste ano, César faz eleger outro homem para as horas que restam.
* A causa Republicana fracassa finalmente no campo de Munda este ano; o jovem Cneu Pompeu é morto, mas o irmão, Sexto, continua a lutar. César dirige-se a Roma, onde chega no princípio de Outubro.
A Civilização Ocidental deve a Júlio César o calendário de 365, 25 dias, introduzido a 1 de Janeiro deste ano.
* César torna-se ditador vitalício, em benefício dos cavaleiros e das camadas populares. As reformas de César esbarram na oposição da aristocracia, atingida em seus privilégios políticos e económicos.
* O êxito dos dois filhos de Pompeio, Gneu e Sexto, que encabeçam a resistência a Júlio César, é de pouca duração na H. Ulterior. Este ano, J. César auxiliado pelo príncipe mauritano Bogud, vence-os em Munda. Corduba, capital da H. Ulterior, pouco tempo resiste às tropas de Júlio César. Em Ategua (hoje Teba la Vieja), Munácio Flaco, um comandante partidário dos Pompeios, vendo os habitantes desertarem, mata-lhes as mulheres e os filhos. Alguns, apanhados enquanto fogem, são degolados e precipitados das muralhas. Algumas crianças, são atiradas ao ar e apanhadas na ponta das lanças. Tais actos são praticados pelos Lusitanos da guarnição. Sexto Pompeio mantém a guerra na Lusitânia, enquanto César regressa a Roma, ficando G. Garrinate como governador interino da Hispânia.
* Para César ainda não chegou o tempo de se consagrar aos trabalhos da paz. A guerra civil prolonga-se porque a hidra pompeiana volta a ameaçar. Os poucos chefes do partido senatorial que sobreviveram à derrota de Tapso, entre os quais Cneu e Sexto Pompeu, filhos do grande Pompeu, refugiados na Península Ibérica, sublevam esta região contra César. O último acto da guerra civil decorre este ano, perto de Munda, no extremo meridional deste território. Os Optimates com a coragem do desespero. Os combates empregam-se com um encarniçamento horrível na destruição do adversário. Já ninguém entoa os habituais cantos de guerra. Os soldados lançam-se uns contra os outros com raiva cega e por toda a parte se ouvem gritos de morte. O combate é impiedoso. Cneu Pompeu foge, mas é apanhado e esquartejado, depois de uma luta desesperada. Só Sexto Pompeu continua vivo depois da batalha, porque não participou nela. refugiou-se nas montanhas da Ibéria e espera a  hora de desempenhar de novo um papel na cena política romana.

Ano 44 a.C. - A guerra na Lusitânia só acaba no Outono deste ano, já depois da morte de César, quando M. Emílio Lépido, governador da Citerior, oferece a Sexto Pompeio, em nome do Senado e por conselho de Marco António, o comando da frota romana e a restituição dos bens familiares.
* Tendo atingido o limite do mundo Ocidental depois da expedição à grã-Bretanha, projectava no momento em que foi assassinado, nos idos de Março deste ano, a organização de uma outra em direcção ao Oriente. Morte de César. Sonho de ser soberano de toda a terra. E por isso fizera propalar a ideia de que o Oriente só poderia ser conquistado por um homem que tivesse o título de rei. Os conjurados que o assassinaram no Senado quiseram abater o que eles chamavam o tirano, ascendido aos máximos poderes na Republica de um modo que consideravam intolerável. O seu acto nada mudou na situação de facto. Todas as tentativas para restabelecer a antiga ordem de coisas e restituir ao senado os seus poderes e ao povo as suas prerrogativas, só serviram para provocar um caos ainda maior.
* César recebe o cargo e titulo vitalício este ano.
* Durante os últimos anos da sua vida, César governou como se fosse um rei, embora não tivesse esse titulo. Foi nomeado Supervisor dos Costumes e Pai da Pátria e o nome do mês em que nasceu foi alterado para Julius (Julho) embora rejeitasse o título de rex e a “coroal real” que António lhe ofereceu em Lupercália este ano, adoptou no entanto muito do aparato associado à realeza (por ex. a toga púrpura) fez colocar a sua estatua entre as dos antigos reis, no Capitólio, e mandou cunhar moedas com a sua esfinge. Começou a instituir honras de culto por si próprio. reconstruiu ainda este ano a Cúria ou sede do senado.
A facção republicana do Senado Romano, um grupo de nobres Senadores, temendo a restauração da monarquia, assassina César, com um acto cruel e absurdo que desencadeia uma guerra civil ainda pior do que a que acaba de terminar. O assassinato, não restaura o poder do Senado, uma vez que as massas populares romanas e o exército são-lhe contrários. À morte de César segue-se um período de confusão e perplexidade e uma luta desesperada pelo poder. As principais figuras de entre os apoiantes de César, são o Cônsul sobrevivente, Marco António e o mestre da cavalaria, M. Emílio Lépido. O 1º tem o apoio do exército de Itália, que se estava a reunir para a projectada expedição de César contra os Partos; consegue ganhar o apoio das massas urbanas explorando o testamento de César, onde consta C. Octávio, nomeado herdeiro de César e por este adoptado como filho. Octávio é neto da irmã de Júlio César. Por parte do pai pertencia a uma obscura família municipal de Velitrar. Tem 19 anos e está a estudar na Grécia, quando sabe do assassinato do ditador. Dirige-se imediatamente a Itália, para reclamar a sua herança, ignorando o conselho dos pais para não se meter em sarilhos. Em Roma é recebido friamente por Marco António, que não fica satisfeito com a sua intromissão, forçando-o a aliar-se aos optimates que pensam poder servir-se dele, na luta contra Marco António.

* Depois do assassínio de César, a pequena distância dos Idos do mês de Março deste ano, aparece um cometa brilhante.
* Uma conspiração do Senado culmina com o assassinato de César, sob a acusação de pretender substituir a República pelo Império.
* O nome de César transforma-se, posteriormente no título que designará os imperadores romanos.
* Antes do assassínio de César, surgiram no céu sinais, aparições e luzes extraordinárias. Estrabão diz que se viam passar multidões de homens flamejantes.

Ano 43 a.C. - Fiel defensor da República, Cícero, é brutalmente assassinado nas proscrições deste ano.
* Moeda deste ano representa a estátua de culto arcaica de Diana, no bosque de Arícia, que era um santuário comum dos povos latinos dos primeiros tempos. A deusa está representada nas suas três formas: Diana, Hécate e Selene.
* Este ano Marco António dirige-se para norte, para assumir um comando provincial na Gália (França). * Em  Roma, Cícero, fiel defensor da República, lança um importante ataque contra ele (Filipicas) e convence o Senado a enviar um exército comandado conjuntamente pelos cônsules e por Octávio. Mas nas proscrições d este mesmo ano, acaba brutalmente assassinado.
* Os partidários de César conseguiram, a despeito de sua morte, neutralizar a conspiração do Senado.

* Este ano, Marco António, general romano, da cavalaria, assume o poder e com o apoio do exército implantam em Roma o Segundo Triunvirato.
* As guerras civis acabaram por dizimar a aristocracia romana este ano com a luta conduzida por Marco António e Octávio, este último filho adoptivo do ditador assassinado. Contra os defensores do antigo regime que tinham por chefe Bruto e Cássio até ao embate dos dois aliados este ano.
* Este ano, os três homens mais poderosos de Roma, Octávio, António e Lépido, concluíram uma aliança para governarem sozinhos o império romano. Esta aliança não é um simples acordo, como o primeiro triunvirato, mas terá uma rectificação legal. Uma das primeiras medidas dos novos triúnviros é liquidarem as contas com todos os seus inimigos. Para fazer a guerra a Bruto e a Cássio é preciso dinheiro. As proscrições são o único modo de obter fundos. Tem portanto início um novo terror e uma série interminável de proscrições.

Ano 42 a.C. (712) - Os 3 líderes Cesarinos, Antônio, Lépido e Octávio concluem um acordo constituindo o segundo triunvirato. Pelo acordo, os 3 dividem entre si as províncias ocidentais do império e recebem poder ilimitado por cinco anos, para reorganizar os assuntos do Estado. O acordo é rectificado pela Assembleia popular.
* Para reorganizar o Estado, instaura-se o terror em Roma. Há 2 objectivos no terror: A eliminação da oposição e o levantamento de fundos para pagar os soldados.
* Tibério Júlio César (Tibério) nasce em Roma este ano. Filho de um antigo general de César, Tibério Nero e de Lívia que mais tarde vai casar com Augusto.
* Este ano Octávio e Marco António marcham contra Bruto e Cássio, que controlam as províncias ocidentais, derrotando-os em Philippi. Após esta vitória fez-se uma nova distribuição do Império. Octávio recebe a Itália e a maior parte das províncias ocidentais e assume o comando contra Sexto Pompeu, que ocupou a Sicilia e se transformara num foco de resistência, enquanto António toma conta do comando contra os Partos a leste. Lépido, homem sem méritos, foi enganado em África.
* Em Itália, Octávio tentou instalar os veteranos de Philippi em terras confiscadas a determinadas cidades, o que provoca resistência, por parte de um dos cônsules, o irmão de Marco António, Lúcio, que acaba por pegar em armas a favor dos italianos descontentes.
* Este ano, Brutus e Cassius, líderes da conspiração senatorial, foram derrotados na Grécia na batalha de Filipos. O poder é dividido entre os triúnviros: Octávio fica com a Europa, Marco António com a Ásia e Lépido com a África.
* Em Roma as proscrições terminam a sua sangrenta tarefa. É chegado o momento de acabar com Bruto e Cássio. Os triúnviros reúnem as suas forças armadas e dirigem-se contra os dois chefes republicanos. O último combate trava-se este ano, na Macedónia, junto de uma cidade chamada filipos. As duas batalhas de Filipos são as mais gigantescas de toda a história romana. Os dois campos aliam 100 000 homens. A batalha resulta numa vitória para os triúnviros devido a brilhante estratégia de António. Octávio é muito jovem, muito inexperiente e além disso, muito doente, não podendo exercer um comando supremo. Não é a primeira vez que a sua débil saúde o reduz á impotência no momento decisivo. Cássio e Bruto juraram suicidar-ase se fossem vencidos. Cássio é o primeiro a faze-lo ao crepúsculo do primeiro dia nada está decidido, mas a morte de Cássio lança a desordem nas fileiras republicanas. Bruto é demasiado intelectual muito lento a intervir. o campo republicano transforma-se numa  escola de filosofia onde cada um defende a sua opinião em discursos intermináveis. O mais indisciplinado dos chefes republicanos é Casca, o que desferiu a primeira punhalada em César. Bruto combate com coragem e inicialmente com sucesso mas o comando acaba por lhe escapar completamente. uma vez perdida a batalha, foge e em seguida lança-se sobre o seu gládio. César está vingado. Roma inteira julga que a sua morte atraíra a colera divina sobre os seus assassinos.

Ano 41 a.C. - António, intima a rainha do Egipto a encontrar-se com ele em Tarso.  No céu azul, tres sóis fundiram-se num só.

Ano 40 a.C.-
Os Idumeus (Beduínos do sul) tiraram a sua desforra devido à conversão forçada ao judaísmo pelos macabeus, pois que o Idumeu Herodes obtivera de Roma o título de rei da Judeia, sem renunciar à religião de Yahweh.
* Herodes, um idumeu é nomeado rei da Judeia pelos romanos.
* Marco António casa com Octávia, irmã de Octaviano este ano.
* Após alguns meses de luta, L. António, é cercado em Perúsia (Perúgia) que cai este ano, ele é poupado mas seus seguidores são mortos.
* Marco António chega a Brudisium neste mesmo ano, mas evita-se um conflito em grande escala quando os soldados se recusam a lutar e forçam os dois lideres a resolver as suas diferenças. O triunvirato é restabelecido e a divisão entre Oriente e Ocidente, confirmada.



Ano 39 a.C. (715) - Por morte de Herodes, rei da Judeia, o seu reino é partilhado entre três dos seus filhos: Herodes Antipas aquele que segundo os evangelhos manda decapitar João Baptista reina  sobre a Galileia e a Pereia até à sua deposição neste ano.
* Filipe recebe os territórios do noroeste,
* Arquelau, é-lhe concedida a Judeia, a Idumeia e a Samaria.
* Herodes Antipas
* Moeda emitida por Marco António este ano.
* Marco António comanda uma campanha contra os Partos.

Ano 38 a.C. - Lívia, mãe de Tibério casa com Augusto.

 

Diana

Imperador Júlio César

Brutus

Assassinato do Imperador Júlio César

Triunvirato: Octávio, Marco António e Lépido

Poussin

 

fotosdanet

 

 



PublicadoPor lazulli às 10:23
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quarta-feira, 17 de Setembro de 2008

1000 a.C (154 a 145)

Ano 154 a.C. - Púnico vence Calpúrnio. Calpúrnio perde 6000 homens, e entre eles o seu questor Terêncio Varrão. Ajudado pelos Vetões, uma tribo vizinha pela parte do oriente, Púnico desce sobre a Andaluzia e alcança uma cidade mediterrânica e põe-lhe cerco. Foi aqui morto por uma pedrada lançada pelos sitiados, mas os Lusitanos tomam por chefe a Césaro e continuam a guerra.

Ano 153 a.C - O pretor Lúcio Múmio perde contra Césaro uma poderosa batalha onde deixa 9000 mortos. Os Lusitanos, que arrebatam estandartes romanos, passeiam-nos pela Celtibéria, incitando  à luta as tribos desta região. Comandados por Cauceno, os lusitanos, atacam o Algarve e tomam Conistorgis. Passam à África e assaltam Okile, onde são destroçados por Múmio.

* Aliança lusitana entre Púnico, Caisaros, Caunceno e Vetões.
Os Lusitanos de Caisaros, vencem Mummio.
Os Lusitanos conquistam a sul, Conistorgis.
Os Cuneus Tornam-se súbditos de Roma.
• O pretor Lúcio Múmio perde contra Césaro uma poderosa batalha onde deixa 9000 mortos. Os Lusitanos, que arrebatam estandartes romanos, passeiam-nos pela Celtibéria, incitando à luta as tribos desta região. Comandados por Cauceno, os lusitanos, atacam o Algarve e tomam Conistorgis. Passam à África e assaltam Okile, onde são destroçados por Múmio.
(História de Roma)
- Os Lusitanos "Comem sentados em bancos, dispondo-se entre segundo as idades e dignidades, os alimentos circulam de mão em mão, enquanto bebem, dançam os homens ao som de flautas e trompetas, saltando alto e caindo de joelhos (...)
Os homens vestidos de preto, na sua maioria com mantas de lã (sagas). As mulheres de vestido com adornos florais".

Ano 152 a.C. - Este ano os selêucidas abandonam sua tentativa de helenizar Judá pela força e reconhecem Jônatas, agora chefe de família, como sumo sacerdote, uma função que os hasmoneanos devem exercer por 115 anos.
* Veem-se fios de virgem em veii
* O pretor Marco Atílio substituiu Múmio este ano e consegue tomar uma grande cidade lusitana: Oxthracas. M. Marcelo, governador da Citerior, vem em seu auxílio e derrota dos Lusitanos.


Ano 151 a.C. - Sérvio Sulpício Galba, massacra milhares de lusitanos depois destes se terem, rendido, é absolvido em julgamento, embora a sua culpabilidade seja palpável. Muita pouca gente em Roma se preocupa com o que acontece aos bárbaros.
* A nova guerra contra os Celtiberos termina este ano. Estas guerras Hispânicas causam grandes dificuldades e custos elevados aos romanos, assim como enormes desastres para os Hispanos, que sofrem inúmeras atrocidades.
* Sérvio Sulpício Galba é o pretor designado para a Hispânia Ulterior este ano. O seu primeiro recontro com os lusitanos dá-.se a norte de Carmona, lugar onde o pretor se acolhe depois da derrota, perdidos 7000 dos seus homens. Galba passa o inverno em Conistorgis, no Algarve.


Ano 150 a.C. - No fim do Inverno, as tropas lusitanas são vítimas de uma armadilha, sendo repelidas pelo pretor Sérvio Sulpício Galba, governador da Hispânia Ulterior. Para conseguir a vitória, Galba conta com o apoio de Luculo, governador da península Citerior.
* Por volta deste ano, uma sublevação Macedónia, sob o comando de um pretendente chamado Andrisco, leva os romanos mais uma vez a intervir.
* Tem início a Terceira Guerra Púnica, quando Roma intervém numa disputa entre Cartago e o rei da Numíadia, Masinissa, amigo e aliado de Roma.
* Galba e Lúcio Licínio Luculo, este governador da Hiapanha Citerior, unem as suas forças contra os Lusitanos, embora cada um na sua frente. Luculo derrota e mata de uma vez 4000 Lusitanos. De outra vez cai sobre um grupo que se dirige a Gades (Cádis), mata 1500, os restantes fogem para um cabeço, ele cerca-os e fá-los prisioneiros. Depois informa Apiano, entra na Lusitânia e devasta-a região por região. Os lusitanos propõem a paz. Fingindo aceitar Galba convoca-os para lhes distribuir terras. Galba recebe os legados dos Lusitanos que vão propor a paz e reconhece a pobreza Lusitana: “ É a esterilidade dos vossos campos e a pobreza, que vos obriga ao latrocínio”. Por isso se quereis a amizade dar-vos-ei as terras de que necessitais, fixando-vos numa fértil planície que dividirei em três partes”.  Dividiu-os efectivamente em três grupos e depois de os ter obrigado a entregar as armas cerca-os com as suas tropas e ataca-os. Morrem 9000 Lusitanos que resistiram. 20 000 rendidos foram enviados para a Gália, como escravos.
* Este ano, Viriato encontra-se entre os lusitanos que Sulpício Galba cerca. Porém Viriato consegue escapar à chacina do pretor.
* O particularismo, tara hereditária do ramo ibérico, impede a união nacional. A revolta mais perigosa é a dos Lusitanos, povo muito independente que habita a região que hoje é Portugal. Um dos governadores romanos, Galba, cobre-se de vergonha este ano, quando, a pretexto de negociações, reúne 7 000 iberos e os manda cercar pelas suas tropas, vendendo parte deles como escravos e chacinando quase todos os outros. Uma das raras pessoas que conseguem escapar à armadilha de Galba, é um pastor de nome Viriato. Até aqui defendeu o seu rebanho contra animais selvagens e salteadores, mas, a partir deste momento põe-se à testa dos seus compatriotas e lança-se numa luta mortal contra os romanos perjuros.


Ano 149 a.C. - Fim do reinado em Roma, de Catão-o-Censor.
* Galba, acusado de tão grande perfídia aos lusitanos, no ano anterior é julgado, mas absolvido. O discurso de Catão a favor dos Lusitanos, não consegue a condenaçao de Galba, mas é determinante na criação de um tribunal para julgamento dos abusos dos pretores.
* Nem Catão nem Masinissa assistem à queda de Cartago. Morrem este ano. O rei Númida conta 90 anos.
* Galba é acusado em Roma, pelo crime aos Lusitanos no ano anterior, mas a Assembleia do Povo tem a imprudência de lhe perdoar.


Ano 147 a.C. - Viriato assume a chefia da resistência Lusitana, que levará a cabo uma luta de guerrilha com consideráveis vitórias sobre o exército romano. Os Lusitanos fazem uma incursão no vale do Bétis, na
Turdetânia, mas são repelidos pelas tropas romanas comandadas por Vetílio.
* A guerra reacende-se na Lusitânia, chefiada por Viriato. Cerca de 10 000 homens que haviam descido ao vale do Guadalquivir são cercados por Vetílio, governador da Ulterior. A dificuldade de romper o cerco obriga-os a negociar. Viriato, que se encontra no meio deles, recorda-lhes quanto é hábito entre os Romanos quebrar os acordos e mostra-lhes que a fuga, embora difícil, não é impossível. É aqui que tomam Viriato por seu chefe. Viriato dispõe os seus homens como para uma batalha campal e manda-lhes que a um sinal dado (quando montasse o cavalo) forcem o cerco pelos pontos mais fracos, em grupos apinhados. Os Lusitanos assim fazem e conseguem salvar-se. Durante dois dias Viriato, com 1000 cavaleiros, entretêm o exército romano nas vizinhanças da cidade de Urso, furtando-se-lhe e logo reaparecendo. Assim dá tempo a que os Lusitanos, dispersos em pequenos grupos, voltem a reunir-se em Tribola, a sul de Urso e o exército romano que os persegue é finalmente derrotado no vale de Barbésula (hoje Guadiano). Vetílio perde a vida e dos 10 000 homens apenas seis mil conseguem fugir e refugiar-se em Carteia. O questor de Vetílio toma o comando das tropas, mas não se atreve a contra-atacar. Dispondo de um exército de 5 000 indígenas, na
sua maior parte das tribos celtibéricas de Belos e Titos, foi estes que mandou contra Viriato, que não tem dificuldades em derrotá-los.
* As operações romanas tomam nova amplitude, graças à eleição para o consulado do jovem Públio Cornélio Cipião Emiliano. Este filho de Paulo Emílio e filho adoptivo de Cipião-o-Africano que herda o altruísmo e o bom senso do pai, mas talvez se pareça mais ainda com o seu cavalheiresco e generoso homónimo.

* O pretor Vetílio vence os dez mil lusitanos que atacam a Turdetânia. Viriato torna-se o chefe dos Lusitanos, vence Vetílio em Tríbola.
(Os Lusitanos no Contexto Peninsular)
* As uvas, os girassóis brancos, os espargos e outras plantas semelhantes só não produziam três meses no ano.


Ano 146 a.C. (608 a.C.) - Destruição de Cartago pelas legiões romanas. Com a destruição de Cartago Roma domina também uma parte do norte de África.
* Por insistência do velho Catão, os romanos decidem destruir a cidade. Os cartagineses resistem
desesperadamente, mas a cidade acaba por se render ao general romano Cipião Emiliano, que a arrasa este ano. O seu território constitui a nova província de África.
* Na primavera, Lélio consegue escalar o muro, mal defendido por uma guarnição esfomeada e penetra assim no porto interior. A cidade está tomada, mas a luta não terminou de modo algum. Os assaltantes ocupam a praça do mercado contígua ao pequeno porto, e avançam através das três ruas estreitas que conduzem à cidadela; sua marcha é lenta, pois as casas de seis andares têm que ser tomadas uma após outra. Passam assim seis dias terriveis para os habitantes da cidade, e terriveis também para os assaltantes; chegam enfim diante da rocha escarpada da cidadela, onde se refugiara Asdrúbal com o que lhe restava dos soldados. O resto da populção, refugiada na cidadela, pede para capitular. A vida é-lhes concedida a muito custo, e vê-se aparecer diante do vencedor 30 000 homens e 25 000 mulheres, menos da décima parte da antiga população.

* No começo do ano, os Aqueus entram na Grécia, na Tessália, para forçar novamente a obediência de Heracléia, no Eta, que, conforme o decreto do Senado, deixara a confederação Aquéia. O cônsul Lúcio Múmio, que o Senado enviara à Grécia, não chegou ainda: Metelo toma a si a tarefa de proteger Heracléia com legiões macedônias.
* Apesar das condições de paz muito duras, a prosperidade de Cartago não enfraquece, pelo contrário. Catão, o Antigo, pela sua famosa fórmula Deleuda est Carthago (Cartago deve ser destruída), leva os romanos a retomarem a luta. Uma expedição Púnica contra o seu aliado Massinissa, rei da Numidia, fornece-lhes o pretexto para uma terceira declaração de guerra. Mas a guerra tem uma causa mais profunda: Cartago deve ser aniquilada porque ameaça os interesses financeiros romanos. Desta vez, a cidade é totalmente destruída, este ano. Os sobreviventes são vendidos como escravos, a terra votada aos deuses dos infernos. O desaparecimento de Cartago arranca, até, lágrimas ao vencedor, Cipião Emiliano.
* A antiga cidade fenícia de Cartago, foi totalmente arrasada por Cipião Emiliano, este ano.
* A antiga cidade grega de Corinto foi destruída por Roma este ano, como exemplo para o resto do
Império. A marcha triunfal da expansão imperial de Roma termina com a destruição de Corinto e Cartago este ano.
* O poder de Cartago, tão orgulhosa do seu comércio, foi enfraquecido pelos romanos em três guerras que se caracterizaram por uma extraordinária violência. A cidade é finalmente arrasada por completo: “que Cartago seja destruída”, foi a sentença romana que se cumpriu.
* O pretor C. Pláucio Hipseu toma o comando da Hispania Ulterior, substituindo Vetílio, os lLusitanos saqueiam Carpetânia, a norte do tejo. Pláucio procura-os para lhes dar combate, mas deixa-se enganar por uma táctica á qual Viriato frequentemente recorre, simulando fugir com receio das armas romanas, os lusiatanos atacam a certa altura os perseguidores de surpresa e em terreno que os favorece. Pláucio, não obstante a derrota, segue os lusitanoas até Mons Veneris, onde Viriato está acampado. Sofre uma  derrota e renuncia a outras operações ate ao fim do seu mandato.

* Viriato mantem os seus homens em Mons Veneris.

* Viriato ataca Segóvia e Segobriga, cidades pró-romanas.
* Tomada de Cartago põe termo àTerceira Guerra Púnica, e a destruição de Corinto concluiu as
operações contra a Liga Acaia.
*
Outrora os Romanos tinham visto os Gregos apenas de longe. Admiravam as suas importantes descobertas científicas, as suas artes, a sua literatura e, em geral, o refinamento da sua cultura. Viam agora o reverso da medalha e, em primeirissimo lugar a incapacidade congénita dos Gregos para se entenderem uns com os outros. Novas dissensões obrigam Roma a intervir. Oos romanos enviam árbitos a Corinto, mas estes são recebidos com injúrias. Em seguida os gregos lançam-se uns contra os outros. Mas esta situação já dura há tempo de mais. E, este ano, o governador romano da Macedónia, penetra na Grécia e desbarata as tropas daqueles desordeiros. Os Gregos acabam de travar o último cambate para salvar a sua independência. O único resultado é passarem a estar sob a autoridade do governador romano da Macedónia, em vez de dependerem directamente do senado. Mas podem conservar a sua autonomia comunal, modificando-a no entanto, num sentido mais aristocrático. E são considerados aliados de Roma. Os romanos só lhes tiram um direito. O de fazerem a guerra ou concluírem a paz, o seu mais estimado privilégio, e os helenos têm de pagar a Roma em contrapartida da sua protecção armada.


Ano 145 a.C. -
O cônsul Q. Fábio Máximo Emiliano vem para a Hispânia Ulterior. A sua nomeação, como irmão de Cipião Africano, para um lugar exercido até aqui por pretores, é uma vitória da facção do Senado partidária dos Cipiões.
* Fábio recebe um exército de 17 000 homens, na sua maioria recrutas. Todo este ano, evita grandes recontros.
* Viriato triunfa sobre Nigídio, pretror da Hispania Citerior.

 

 

 

 

 

 

guerreiro lusitano

guereiro konii

guerreiros romanos

guereiros lusiatnos

 

 

 

 

 

Penso: ... a ver impotente o recuo da História do mundo

PublicadoPor lazulli às 20:52
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quarta-feira, 3 de Outubro de 2007

1000 a.C. (508 a.c. a 491a.c.)

 

Ano 508 a.C. - Primeiro tratado entre Romanos e Cartagineses, delimitando os respectivos protectorados e áreas de influências.

Iságoras , é eleito arconte, este ano. O  rei de Esparta força os Atenienses a expulsarem Clístenes e com ele setecentas outras famílias. Uma drástica operação de limpeza que visa estabelecer uma apertada oligarquia que tenha em conta os interesses de Esparta. Estes planos deparam com a resistência do Dêmos e do Conselho. O povo compreende o perigo e, naturalmente, a reacção aristocrática de Iságoras e da sua facção, com a consequente perda de algumas regalias. Em face da resistência, os Espartanos retiram e Iságoras fica sem apoio. Chamado pelo Dêmos, Clístenes regressa e com ele as setecentas famílias exiladas. O Alcmeónida tem o caminho aberto.


Ano 504 a.C. - O chefe sabino, Átio Clauso , emigra para Roma, com 5000 clientes e dependentes; tomando o nome de Ápio Cláudio, é aceite no Senado e torna-se o antepassado da gens Cláudia.


Ano 500 a.C. - O território de Roma compreende uma superfície de uns 822 Km2, incluindo os novos distritos tribais estabelecidos por Sérvio Túlio. O Estado Romano incorpora, de facto, por volta deste ano, mais de um terço da superfície total do Latium Vetus.

O Norte da Itália sob ocupação celta. Uma tradição muito encoberta por lendas diz, que os Celtas foram tentados a invadir a Itália pela sua riqueza em produtos agrícolas, particularmente vinho. Segundo Tito Lívio, os Gauless atravessaram os Alpes antes deste ano.


Ano 499 a.C. - Vitória de A. Postúmio Albino, no lago Regilo. Os romanos conseguem uma escassa vitória, sobre os latinos, na épica batalha do lago Regilo este ano.

Aristágoras proclama a isonomia em Mileto.


Ano 498 a.C. - Tarquínio e os seus aliados atacam os Romanos junto do lago Régilo; Aulo Postumo implora aos deuses. De repente, aparecem dois cavaleiros gigantes, encabeçam uma carga de cavalaria e derrotam o inimigo. Todos os romanos juram que Roma foi salva por Castor e Pólux.

Os portos da Jônia, cujo desenvolvimento prometido era obstruído pelo insucesso de Dário, rebelaram-se. Mileto, lidera a revolta e pede reforços a Atenas e a Esparta. Os Atenienses, contribuiram com vinte navios e auxiliados pelos mesmos aliados, tomam e incendeiam • Sardes este ano. Esparta, porém, não atende ao pedido.


Ano 494 a.C. - Os plebeus, carregados de dívidas e vítimas de uma opressão arbitária, retiram-se em massa da cidade e ocupam o monte Sagrado (ou, segundo outra tradição, o Aventino). Ali se organizam no equivalente a um Estado independente, ou “Estado dentro de um Estado”. Criam uma Assembleia, o Concilium Plebis, e elegem os seus próprios representantes, conhecidos por Tribunos. O Tribunato aparece através do que os Romanos chamam Lex Sacrata, que é uma resolução colectiva reforçada por um juramento solene dos que a tomam. Os plebeus juram proteger os seus Tribunos e rogam pragas contra quem quer que lhes faça mal. Os Tribunos tornam-se assim, “sacrossantos”.

Os plebeus abandonam Roma e retiram-se para o Monte Sagrado, próximo da cidade. A retirada dos plebeus implica o enfraquecimento do exército romano. Assim sendo, os patrícios resolvem fazer uma série de concessões aos plebeus. A principal destas concessões é o direito dos plebeus elegerem um Tribuno da plebe, com direito de veto sobre as decisões dos magistrados, menos sobre as decisões militares dos Cônsules. Estes Tribunos, inicialmente em número de dois e mais tarde de dez, são invioláveis.

A partir deste ano, inclusive, é usada a secessão da plebe (forma extrema de desorganização civil. Nestas ocasiões a plebe retira-se em massa para o Aventino, que se vem a tornar mais tarde num centro de actividade plebeia.

A retirada para o monte Sagrado e a criação do Tribunato, parece ter ocorrido este ano, ano em que os Persas destroem completamente a cidade de Mileto.

Este ano, a maioria dos patrícios, apenas constrangidos, fazem concessões; muitos cedem com segundas intenções pouco confessáveis. O facto é particularmente verdadeiro no que se refere a Coriolano, Patrício conhecido pela sua intrépida coragem, mas também pelo orgulho desmedido que tem na sua ascendência. Reage ao Tribunato como um touro em face de um pano vermelho.

Dário depois de ter mantido um entendimento pacifico com Mileto, mas cansado das inúteis negociações resolve enviar contra a Jônia uma frota de seiscentos navios Fenicios e Cipriotas que destruíram as trezentas e cinquenta trirremes dos aliados amotinados. Com o verdadeiro repúdio de todo o mundo grego, Mileto é arrasada este ano, ao passo que as demais cidades sofrem massacres e deportações.


Ano 493 a.C. - No seguimento da primeira secessão “arma suprema da plebs, forma extrema de desobediência civil” Espúrio Cássio, cônsul este ano, consagra um templo a Ceres, Líder e Líbera no sopé do Aventino. Este templo torna-se um importante centro de culto plebeu e é também utilizado como tesouraria de arquivo. Ao mesmo tempo, a plebs cria dois cargos, os edis, cuja função é a de zelarem pela manutenção e administração do Templo (aedes).

A revolta do monte Sagrado desencadeia as lutas sociais em Roma. Os plebeus abandonam a cidade e, retiram-se para o monte Sagrado, só retornam após inúmeras concessões feitas pelos patrícios. As camadas populares conquistam o direito de eleger seus próprios magistrados, denominados tribunos da plebe. Eleitos através de plebiscitos, os tribunos têm o poder de veto, ou seja, de suspender a aplicação dos actos dos magistrados ou das decisões do Senado, que possam prejudicar os interesses plebeus.


Ano 492 a.C. - Tentativa fracassada do Imperador para submeter a Grécia.


Ano 491 a.C. - (263) Gaio Márcio, valente aristocrata que recebe o cognome de Coriolano, após a tomada de Coriolos, quando lhe recusam o consulado, propõe a suspensão das vendas do trigo tirado dos celeiros do Estado, até que o povo esfomeado abandone o tribunato; segundo outra versão, propõe directamente a abolição do tribunato.

* Os gregos, vencem o exército Persa de Dário I, em Maratona.

Penso: com o olhar perdido no nada

PublicadoPor lazulli às 12:21
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quinta-feira, 26 de Julho de 2007

1000 a.C. (612 a 589)



Ano 612 a.C. - Este ano, os caldeus, sob o comando de Nabopolassar aliam-se aos Medos e destroem Nínive, a capital do Império Assírio.

Os Medos e os Neobabilónicos coligados, atingem a meta almejada: “depois de uma luta terrível a cidade é tomada”. Nínive sucumbe vítima da destruição. Nínive jaz, destruída e queimada, ela que foi a central donde saíram as ordens que tinham enchido o Velho Mundo de terror e de lágrimas durante séculos de expedições guerreiras e de ocupações com tormentos, terror e deportações em massa. O “Crescente Fértil” respira livremente. Nínive é destruída. O exército Assírio fiel até ao fim ao seu último rei, Sinsharishkun, perece na Nínive em chamas. A conquista de Nínive e a sua subquente destruição é obra de Ciaxares este ano, e põe ponto final à presença histórica da Assíria. Babilónia e a Média partilham entre si os despojos. Nabucodonosor II, o filho de Nabopolassar, incorpora no seu Novo Império Babilónico a totalidade das possessões mesopotâmicas da Assíria que vão até à fronteira egípcia. Ciaxares anexa a antiga Urartu até à fronteira clássica do Hális, na Anatólia Central.

Os Medos, que, juntamente com os babilônios, são herdeiros desde a queda de Nínive, este ano, ano do desgarrado império dos assírios, são dominados imprevistamente pelos seus vizinhos e vassalos, os persas. O rei Medo Astíages é vencido pelo seu próprio neto, Ciro (Cores).

Nabopolassar, alia-se a Ciassare, rei dos medas e organiza um grande número de mercenários scitas e este ano conquista Nínive, Os massacres são os mais hostis e as vinganças contra as atrocidades assírias ainda mais ferozes.


Ano 606 a. C. - Fim do reinado no sul da Mesopotâmia do príncipe caldeu Nabopalassar.


Ano 605 a.C. - Início do reinado de Nabucodonosor II, filho de Nabopolassar. Sob o seu reinado e o de seu pai a Babilónia transforma-se, mais uma vez no centro de uma grande potência.

No Eufrates, exércitos egípcios e babilónicos travam a batalha de Karkemish, decisiva para a posse da Palestina e da Síria. O combate começa em frente das muralhas da cidade antiga e prossegue com violentos combates de rua. O exército egípcio é aniquilado até aos últimos restos e o território da Síria setentrional fica assegurado para a Babilónia até à clássica linha de Gaza. A Babilónia ganha a batalha decisiva de Karchemish, destruindo o exército do Egipto, o “junco partido”.

A luta é travada em Carchemish e os egípcios derrotados, postos em fuga e impiedosamente perseguidos.


Ano 602 a.C. - Na Palestina, Joaquim, posto por Necho no trono de Judá, faz acto de submissão a Nabucodonosor. Apesar da presença de tropas babilônicas, não obstante, os conselhos aflitos do sábio Jeremias, Joaquim revela evidentes sinais de querer libertar-se da nova opressão e contando com a promessa de apoio de Necho , p e em prática a primeira tentativa de revolta automaticamente dominada pelo ocupante. Mas Joaquim, despótico tirano, não entende a lição e este ano, revela-se pela segunda vez, mas teve sorte porque Nabocodonosor está ocupado  com outros empreendimentos


Ano 599 a.C. - Joaquim, na Palestina consegue manter uma fraca independência até este ano, ano em que morre.


Ano 597 a.C. - Queda de Jerusalém. Após a primeira conquista de Jerusalém, Nabucodonosor deixa Judá como Estado vassalo. No meio do primeiro grupo da elite obrigada ao exílio babilónico está, Ezequiel, o mais antigo e erudito sacerdote.

Rebenta em Judá uma clara insurreição. O rei Joaquim, segundo a Bíblia, e todos os seus foram feitos prisioneiros e levados para a Babilónia.

Como herdeiro de Joaquim, que se encontra no cativeiro, sobe ao trono seu tio Matanias, com o nome de Sedecias, como rei da Caldeia.

Crônica Babilônica : “No sétimo ano, no mês de Kislev , (Nabucodonosor) revistou suas tropas e, havendo marchado para a terra de Hatti , sitiou a cidade de Judá, e no segundo dia do Mês de Adar tomou a cidade e capturou o rei. Designou ali um rei de sua própria escolha, recebeu seu pesado tributo e (os) enviou para a Babilônia ” 16 Março. O rei de Judá, Joaquim, foi levado para a Babilónia em “toda a Jerusalém e todos os príncipes, e todos os poderosos homens de valor, dez mil cativos, e todos artificies e todos os ferreiros”; ninguém restou, exceto “as pessoas mais pobres da terra”. Os vasos de ouro do Templo são, do mesmo, modo “feitos em pedaços” e levados!

Nabucodonosor envia um exército e intimida Jerusalém o redde rationem. Joaquim, filho de Joaquim, recusa a rendição e fecha as portas. Depois de um breve cerco, a cidade é tomada e saqueada no dia 16 de março.


Ano 595 a.C. - Psamético II, filho de Necho, começa a reinar. Renuncia qualquer intervenção na Síria e transfere o exército para o lado oposto, contra a Núbia que há séculos fugiu ao controle egípcio.

Na Babilónia, Ezequiel vê junto ao Eufrates a.c. lebre “roda flamejante”.


Ano 594 a.C. - Drácon é um personagem semitíco a quem a tradição atribui o primeiro código de leis escritas da Grécia, o Código de Drácon, o qual pune com a pena de morte os delitos contra a propriedade. As leis escritas são uma solicitação do Demos que não quer ficar à mercê dos Eupátridas nos julgamentos baseados nas velhas tradições. Mas, apesar das leis escritas, a situação do Demos continua ruim. As agitações continuam e este ano, Sólon é nomeado primeiro Arconte e encarregado de promover a paz social entre os Eupátridas e o Demos. Sólon, magistrado e poeta, é nomeado legislador com poderes ditatoriais para promover reformas. Eupátrida por nascimento e comerciante por profissão, descende de uma família aristocrática arruinada economicamente e acumula grande fortuna dedicando-se ao comércio. Vai realizar reformas populares, abolindo a escravidão por dívidas e suprimindo as hipotecas sobre a terra. Não promove a redivisão do solo, mas limita a extensão das grandes propriedades rurais e adopta medidas incentivando a indústria e o comércio. Substitui o critério de nascimento pelo de riqueza para o acesso aos cargos públicos, o que debilita a nobreza e permite aos comerciantes maior participação no Governo. Com base na riqueza dos cidadãos, redivide em quatro classes a sociedade ateniense. Os membros da primeira classe participam do arcontado e do areópago. Cria também a Bulé (Conselho dos 500) integrado pelos representantes das três primeiras classes. A última classe, composta por cidadãos de menor renda, participa da assembléia popular, a eclésia, e do tribunal ateniense, a heliéia.

Necho morre.


Ano 592 a.C. - Ezequiel vê pela primeira vez naves espaciais. Após cinco anos de ter sido deportado para a Babilónia, casado e com trinta anos, sacerdote oriundo de uma família da alta sociedade. Fica completamente aterrado e fortemente emocionado.


Ano 589 a.C. - Psamético II, morre e deixa a seu sucessor Apires, uma óptima situação financeira. Apires encontra um formidável poderio marítimo e fica tão envolvido pela nostalgia das glórias passadas, que não resiste às hostilidades no Retenu.

Cartas de Lachish, datadas deste outono, são despachos de um posto avançado para um oficial do estado-maior de Lachish e abrangem a última fase da liberdade de Jerusalém. um dos despachos tem uma referencia a um profeta. Outro despacho, declara que Jerusalém, Lachish e Azeká são os únicos enclaves israelitas que restam.

Penso: bem

PublicadoPor lazulli às 11:57
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Terça-feira, 3 de Julho de 2007

1000 a.C. (724 a 689)


Ano 724 a.C. - Depois de um período de trégua devido às trágicas lutas internas, os Assírios, retomam o seu expansionismo e Salmanasar V, ataca Samaria, a capital de Israel.


Ano 722 a.C. - Sargão II, conquista o reino de Israel e transforma-o em província do Império Assírio. Desaparecem totalmente as dez tribos, uma vez que os seus integrantes são mortos ou deportados pelos invasores. Com o aniquilamento do reino de Israel é que a religião nacional, começa a ter um lugar à parte no Templo. Até aqui, não existia uma verdadeira ruptura política, derivada do cisma religioso, entre Jerusalém e Samaria, pois o reino do Norte, mais poderoso, e o único que usa o nome de Israel, continua a ser o verdadeiro centro do iavismo. As duas razias levadas a cabo pelos assírios de Sargão II, na Galileia e na Samaria, contribuem para uma mistura étnica na terra de Israel. Os samaritanos imediata e humildemente, reconstroem a sua capital.

* No inverno Salmanasar V, sucessor de Teglat , toma a Samaria.


Ano 721 a.C. -Sargão II reinicia o ataque a Samaria e provoca a sua queda. Submetida a ferro e fogo, a população deportada em massa e substituída segundo o costume assírio, por outras já subjugadas (sírios e babilónicos). O reino de Israel desaparece da história. Judá, compromete-se a pagar tributo e salva-se.

* Com a morte de Tefnakht, este ano, sucede-lhe seu irmão Bokenranf Bocoris). Com a sua política “democrática”, Bocoris desconcerta nobres e clero.

* Sargão II, sucessor de Salmanasar V, completa a destruição do reino setentrional, eliminando toda a elite e envia colonos: “Sitiei e capturei Samaria”, regista Sargão nos Anais de Chorsabad , “levadas 27.290 pessoas que ali moravam”.


Ano 716 a.C. -Quando Rómulo administra a justiça, este ano, no monte Palatino, a tempestade obscurece o sol. Quando a tempestade passa, o povo descobre que o seu rei desapareceu. Rómulo é miraculosamente levado para os céus. Pouco depois, Júlio Próculo, jura que viu Rómulo descer repentinamente do céu e aparecer-lhe radiosamente transfigurado. O herói declara a Próculo que é vontade dos deuses que, depois de ter fundado uma cidade destinada a ser a maior da Terra, ele residisse nos céus. Os romanos acreditam piamente neste milagre e, sob o nome de Quirino, veneram Rómulo como um deus. Nascido de uma virgem. Gerado por um deus, conduzido por presságios divinos, levado para os céus, ressuscitado para inspirar seus concidadãos, vai ser venerado durante séculos como um deus.

* Rómulo tem por sucessor Numa Pompílio, filósofo que reorganizou o culto de Júpiter, divide o ano em 12 meses e promove reformas sociais. Numa, com a sua sabedoria formula uma lei verdadeiramente espantosa que teria podido revolucionar a história do homem e transformar a Terra num verdadeiro paraíso. Exasperado com a frivolidade do belo sexo, decreta que as mulheres deviam ser vistas, mas não deviam ser ouvidas nem deviam meter-se em mexericos.  Não consegue reduzir miseravelmente as mulheres ao silêncio.


Ano 708 a.C. - Caído do céu, um disco de bronze ou ancil, leva Numa a mandar fazer onze cópias, e fazê-las conduzir pelos sacerdotes nas procissões religiosas. Os Romanos acreditam que o escudo foi largado pelos deuses.


Ano 705 a.C. -
Sargão II morre numa emboscada no Irã e com o seu desaparecimento renova-se a rebelião, desta vez com o apoio do rei da Babilónia e do Egipto.


Ano 704 a.C. -Constitui uma tentativa de separatismo, tanto a nível político como religioso, o facto do príncipe do Estado ter adoptado o título de Wang .


Ano 701 a.C. -
O rei Assírio Senaqueribe dirige-se ao Oeste, atacando e derrubando com a mesma tirania os confederados. As suas tropas de assalto furam as muralhas de Laquis com “tanques” armados de maças. A região de Tiro na Fenícia, é conquistada por Senaqueribe, rei da Assíria.

* O rei Ezequias de Judá, sabe perfeitamente porque razão envia cantores e cantoras ao temido rei Assírio, Senaquerib. Mais do que os novos muros e a cisterna, é a violenta erupção de peste bubônica, trazida por ratos, que acomete o acampamento assírio, que permite a sobrevivência de Jerusalém a um severo cerco feito pelo rei Assírio Senaquerib. É graças à derrota dos Assírios diante de Jerusalém, que o Templo começa a ter importância na religião nacional.

O novo rei Assírio Senaqueribe, conquista a Babilónia .


Ano 700 a.C. - Início da dinastia dos Aqueménidas, que vão governar a Pérsia.


Ano 689 a.C. -Depois de longos combates, o rei da Assíria, Senaqueribe, conquista e ocupa a cidade de Babilónia. A seguir a uma revolta, a cidade é saqueada e totalmente destruída com uma crueldade implacável, edificando Nínive como capital da Mesopotâmia. Manda até perfurar os diques do Eufrates, a fim de provocar a inundação de grande parte das terras habitadas. Manda também levar as imagens divinas para Nínive, residência dos reis Assírios. Entre as imagens encontra-se a de Marduc, cujo prestígio aumentou tanto que o conquistador decide anunciar que o deus caiu em culpa e, por conseguinte, se impõe que seja levado a tribunal, para ser destronado pelos outros deuses. A partir daqui, o seu nome é substituído nas orações pelo do deus do Império Assírio, Assur.

* Em Nápata surge um jovem de vinte anos, filho de Piankhi, de nome Taarka, que derruba Sciabataka e torna-se faraó.

* Senaqueribe destrói a Babilónia e sobre as cinzas desvia as águas de um canal.

Penso: ...

PublicadoPor lazulli às 14:40
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos

*UmaPequenaHistória


* Lazulli

* Adicionar

. 6 seguidores

*Procurar

 

*Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


*Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

*DadosRecentes

* Do ano 303 ao ano 395 d.c...

* 1000 a.C (45 a.C a 38 a.C...

* 1000 a.C (154 a 145)

* 1000 a.C. (508 a.c. a 49...

* 1000 a.C. (612 a 589)

* 1000 a.C. (724 a 689)

*Arquivos

* Março 2016

* Fevereiro 2010

* Outubro 2009

* Julho 2009

* Fevereiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Julho 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

*tags

* todas as tags

*AcrescentosHistóricos

ANO 147 a.C. ANO 153 a.C.

*PartilharConhecimento

* PartilheConhecimento

*Bibliografias

Os Lusitanos - No contexto Peninsular História de Roma Estrabão, III, 3,7 Polibio, XXXIV

*Mapa do nosso mundo


Visitor Map
Create your own visitor map!

*estudiosos

*Traduzir o blog

*Terra


contador gratis

*visitas

contadores
contadores

*apesar do conteudo histório ser de outros autores este blog não deve ser plagiado

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.

*Eis... a História interminável... dos homens!... e Guerreiros destemidos! Faltam-nos hoje, para mudarmos o Mundo para melhor