Domingo, 14 de Setembro de 2008

1 000 a.C (167 a 157)

 

Ano 167 a.C. -Em menos de 100 anos os romanos reduzem o poderio de Cartago como também humilham as mais importantes potências do Leste Grego, conseguindo ser, este ano, soberanos efectivos do Mediterrânio.
*As ordens dadas por Antíoco IV Epífanes, este ano, perdem a sua validade e é garantido o livre exercício do culto divino e são de novo reconhecidas as reuniões religiosas em Jerusalém. Foram alcançados os objectivos da sublevação dos judeus.

* Em Alba Fucens, é construida segundo um plano em grelha, dentro de um impressionante recinto de mulralhas defensivas, uma colónia romana. O rei Perseu da Macedónia esteve aqui prisioneiro após a sua rendição, este ano.
*Em Dezembro deste ano, sob o comando de Antíoco IV a religião judaica é proscrita e o Templo profanado pelo culto a Zeus Olimpico. Este decisão de Antíoco provoca a revolta dos Macabeus, inspirada pelo sacerdote Matatias de Modin e dirigida pelos seus filhos.
*Quem promove o levantamento judaico é a casa de Matatias (a dinastia dos Asmoneus)
* Início dos Os Macabreus.
* A ilha de Delos, centro importante, que os romanos declaram Porto Franco este ano, de acordo com a política de prejudicar o comércio de Rodes.
*O conflito em Jerusalem chega a um ponto culminante com a  publicação de um decreto que, com efeito, abole a lei mosaica como está, substituindo-a por uma lei secular e reduzindo o Templo a um local ecumênico de culto.

Ano 166 a.C. -
Perseu, rei da Macedónia a partir deste ano.
* em-se fios de virgem em Veii.

Ano 165 a.C. - A partir deste ano, os grandes conquistadores Macabeus empregam a força para judaízar os Beduínos do Sul, os Idumeus, tradicionalmente inimigos dos descendentes de Jacob, após o caso do prato de lentilhas. Esta judaízação de toda a Palestina não prevalece todavia contra a diversidade das origens.
* Fim do reinado de Demétrio, que tinha alargado o Império de seu pai, e depois do desmoneramento do Império Maurya, conquista Taxila, a região litoral, até Guzarate e parte da India Central e do Ganges.

Ano 164 a.C. -Fim do reinado de Antíoco IV.
*Judas Macabeu conquista Jerusalém e restabelece a ordem antiga do Templo. O altar é reconstruído e as oferendas a Iavé voltam a fazer-se como no passado.

*Os cinco filhos do velho homem, liderados por Judas Macabeu, ou “Martelo”, lançam uma campanha de guerrilheiros contra guarnições Selêucidas e seus defensores judeus. Em dois anos, levam todos os gregos para fora da área ao redor de Jesrusalém. Na própria cidade confinam reformadores e também Selêucidas na Acra e purgaram o Templo de seus sacrilégios, reconsagrando-o a Iavé em numa cerimónia solene em Dezembro deste ano, um evento que os judeus ainda celebram na Festa de Hanuká, ou Purificação. Os Selêucidas têm inúmeras dificuldades próprias, incluindo o poder ascendente de Roma.


Ano 163 a.C. -Os Lusitanos atacam os romanos.

Ano 162 a.C. -
Este ano, o filho e sucessor de Epifanes, Antíoco V, ataca Menelau, “o homem a culpar por toda a conturbação” pois tinha persuadido seu pai a obrigar os judeus a abandonarem sua tradicional adoração a Deus, e o executa.
*Este ano, as tropas Selêucidas estão na fortaleza de Betsur. Os muros são levantados por Judas Macabeu. A fortaleza tinha cantinas e as rações dos soldados dispunham de vinho: um nobre licor dos vinhedos que cresciam nas colinas da Grécia. Havia ânforas para o vinho em grande número.

Ano 161 a.C. -A família Hasmoneana responde assinando uma aliança com Roma, em que são tratados com a família e regente, membros de um estado independente.
*Os Selêucidas fortificam novamente a fortaleza de Betsur, este ano. Sobre os muros derrubados dos Macabeus, ergue-se uma nova cidadela com muros de típica construção Helénica. “O seu general Báquides, edificou cidades fortes na Judeia... Fortifica também a cidade de Betsur... e põe nela tropas e provisões de mantimentos.

Ano 159 a.C. -Terêncio (escritor), cognominado o Africano, que saiu de África ainda criança e veio para Roma, sendo aqui escravo de um senador, que surpreendido com as suas faculdades, lhe manda ministrar uma cuidadosa educação, libertando-o depois. Morre, este ano, com 26 anos de idade.

Ano 157 a.C. - Todo o ódio romano, pelo inimigo vencido, se encarna na pessoa de Catão-o-Censor. Este ano está em África para uma missão de inquérito. Aqui, compreende que os seus temores são mais do que justificados. Então, Cartago, cidade transbordante de riqueza, é vencida. Roma não pode considerar-se em segurança enquanto Cartago mostrar esta insolente prosperidade. A vida de Roma exige a morte de Cartago. Isto tona-se nele (Catão) uma ideia fixa.

Ano 155 a.C -
Início da Guerra Lusitana. Reacende-se a guerra Hispânica. Púnico, um chefe Lusitano, vence o pretor Mânio Mânlio.

 

 

 

 

IMAGENS RETIRADAS DA NET, DESTE PERÍODO DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE

 


celtas/lusitanos

 

mapa/lusitania

guerreiro lusitano

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ataque lusitano

Viriato

 

Zeus


Antíoco IV

 

 


PublicadoPor lazulli às 18:26
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quinta-feira, 11 de Setembro de 2008

1000 a.C (181 a 168)

Ano 181 a.C. - As querelas com o irmão mais novo, o filorromano Demétrio, de Perseu, levam Filipe V a apoiar o primogénito e condenar à morte o filho dissidente, este ano. Perseu é o filho mais velho de Filipe V.

 

Ano 180 a.C. - Morre o historiador Grego Políbio.

Ano 179 a.C. (575) - Filipe morre, aos cinquenta e nove anos, e deixa um reino abalado e uma família dividida. Perseu sobe ao trono aos trinta e um anos e, como em criança, participou da guerra com Roma, herda ao mesmo tempo que o reino de seu pai, seus temores, ressentimentos e esperanças. Devota-se com uma convicção inflexível, à continuação da obra paterna, preparando-se com mais ardor que nunca para combater Roma.

*Perseu sucede a seu pai Filipe V da Macedónia, e tenta reconciliar-se com os Estados gregos, apelando às classes mais baixas das cidades gregas, obtendo alguns êxitos iniciais.
*Ao subir ao trono, Perseu tenta evitar novo conflito com Roma. Assim, depois de ter consolidado a situação na Macedónia, dá-se a uma política de expansão no Norte do País (Trácia, Dardânia, Ilíria).
*Termina a guerra na Hispânia Citerior, quando T. Sempónio Graco pacifica as provincias e faz uma aliança com os Celtiberos.

Ano 178 a.C. - Tibério Semprónio Graco, mantém o governo da Espanha Citerior até este ano, data da fundação de Gracaunis, na margem direita do Ebro, hoje Alfaro, entre Cascante e Calahorra. Os tratados que conclui com os Celtiberos garantem a paz por muito tempo entre este povo e os romanos.

Ano 176 a.C. - Após a colonização da Macedónia, este ano, o tributum é abolido e as propriedades dos cidadãos romanos de Itália deixam de estar sujeitas a impostos directos. Uma elevada percentagem do rendimento Público é reinvestida em mais conquistas, isto é, gasta no abastecimento do exército. O restante é gasto em grandes projectos de construção levados a cabo por Roma e nas cidades de Itália.
* O rendimento do Estado, sob a forma de despojos, indemnizações e impostos, é enorme.

Ano 175 a.C. - O movimento da reforma judaica encontra um entusiasta, porém perigoso aliado do novo monarca selêucida, Antíoco Epifanes. Sobe Antíoco IV, a religião judaica vai ser proscrita e o Templo profanado pelo culto de Zeus Olímpico.
*São vistos três sóis.

Ano 174 a.C. -O primeiro imperador Han realiza oferendas rituais diante do túmulo de Confúncio.
*São vistos três sóis.

Ano 173 a.C. -Aparece no céu uma grande frota.Em Priverno, uma lã cinzenta cobre o solo.

Ano 171 a.C. - Este ano, Antíoco acha necessário substituir Jasão como sumo sacerdote pelo ainda mais pró-grego Menelau e reforça o poder grego em Jerusalém, construindo uma fortaleza-acrópole dominando o Templo.
* Os Romanos intervêm militarmente no mundo grego, enviando um exército que atravessa o Adriático para defrontar Perseu. Este sai vencedor de uma batalha em Callinicos.
*Os êxitos militares e diplomáticos de Perseu, e o crescente prestigio que granjeia no Mediterrânio Ocidental, alarmam Êumenes II de Pérgamo, que vai a Roma acusar de imperialismo o soberano macedónico. O Senado delibera mover-lhe uma guerra este ano.
* São vistos três sóis.

Ano 168 a.C. - O rei da Síria decide helenizar profundamente a Judeia e particularmente consagrar o Templo a Júpiter Olímpico. Eclode então a insurreição chefiada por Matatias e depois por seus filhos, ditos “os Macabeus”. Mas Roma, que, para se infiltrar no Oriente, apoia os pequenos chefes locais contra as grandes soberanias, detém a Síria. Graças a esta confrontação ainda pacifica entre Roma e os herdeiros de Alexandre a Palestina reencontra a independência.
*Os macedónios revoltam-se, daí que este ano, a Macedónia transforma-se em província romana.
*
Cónscio da superioridade inimiga Perseu (da Macedónia) adopta uma estratégia defensiva que lhe rende vitórias sobre chefes militares mediocres (como Lícinio Crasso, em Calínio, na Tessália). Mas Paulo Emilio desbarata o seu aliado Gêntio e compele Perseu a uma batalha decisiva em Pidua neste ano. A carga da falange macedónica veio esmagar-se contra a solidez das linhas romanas. Completamente derrotado, Perseu refugia-se em Samotrácia, onde, abandonado por todos, se rende ao vencedor.
*Perseu figura no cortejo triunfal de Paulo Emílio.
*Perseu sofre uma derrota decisiva, frente a L. Emílio Paulo, na batalha de Pidua. O exército macedónico fica quase completamente destruído e o próprio Perseu rende-se pouco depois. O acordo estabelecido após a batalha de Pidua é duro e mostra até que ponto os Romanos mudaram. A Macedónia é dividida em quatro repúblicas separadas e a sua população forçada a pagar tributo a  Roma, a metade da taxa cobrada por Perseu. Deste modo os romanos têm o benefício do governo directo sem terem de suportar as cargas da Administração e da Defesa.
*Um destino cruel foi reservado aos Molossianos do Epiro, que colaboraram com Perseu, após a vitória deste em Callinicos. O seu território foi sistematicamente pilhado pelo exército de Paulo, e a população escravizada. É levada a cabo uma purga geral de elementos anti-romanos nos Estados gregos, sendo de destacar a deportação de 1000 membros das classes mais elevadas da Liga Egeia para a Itália, onde são presos sem julgamento. O mais famoso destes detidos é o historiador Políbio.
* Na Ásia, Pérgamo e Rodes são punidas com perdas de território, já que não participaram na guerra, adiando intencionalmente a decisão de o fazer. Roma demonstra assim, não estar disposta a tolerar a menor intenção de desobediência por parte dos seus súbditos. É mediante estes métodos que os romanos conseguem governar indirectamente a Grécia por mais 18 anos.
* Tendo vencido Cartago, Roma volta-se para o Oriente, esmaga os Macedónios, aliados dos Cartagineses, este ano, e submete a Grécia.
* Os macedonios são vencidos numa sangrenta batalha. o seu vencedor Paulo Emílio, digno homónio e digno filho do cônsul caído em Canas. Perseu vai morrer nas prisões romanas.
*
Um episódio de guerra entre Roma e Perseu da Macedónia, mostra a atitude que um senador romano pode assumir. Este ano, o senado soube que o seleucida Antíoco IV domina o Egipto, o que é contrário aos interesses de Roma. O senado envia um dos seus membros, Pompílio, para pôr termo a esta inoportuna conquista. Pompílio encontra-se com o senhor da Ásia perto de Alexandria. antes mesmo de ter chegado junto do seu visitante, já o grande rei saudava o representante do poderoso povo romano, mas Pompílio não reage. Sem a menor manifestação de cortesia, estende ao rei o ucasse do senado romano. Antíoco lê a carta e diz: Vou deliberar com os meus conselheiros. Mas pPompílio não lhe dá oportunidade para isso. Com o seu bastão, traça na areia um círculo em redor do rei e ordena: Dar-me-ás a resposta no interior deste circulo. O rei estupefacto, fica tão impressionado que não pode proferir o mínimo protesto. Por fim, depois de um penoso silencio, responde: Coloco-me às ordens dos Romanos. Pompílio subitamente amistoso, estende então a mão ao autocrata oriental. Antíoco tem de retirar sem demora as suas tropas do Egipto. Pompílio ocupa-se da Administração do país e ordena aos dois reis que vivam em paz.

lusitanos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

soldado romano

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(fotosretiradasdanet)


PublicadoPor lazulli às 10:26
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Sábado, 5 de Julho de 2008

1000 a.C. (192 a.C. a 183 a.C.)

 

Ano 192 a.C. (562) - Supremacia romana em toda a Gália Cisalpina.
* Os Etólios, ressentidos por Flamínio não lhes permitir ocupar alguns dos seus territórios anteriores evacuados por Filipe, tomam a cidade fortificada de Demétria e pedem a Antíoco que venha livrar os Gregos dos Romanos. Antíoco responde ao pedido levando uma pequena força expedicionária para a Grécia.
* No Verão, uma frota romana de trezentas velas, tendo a bordo três mil soldados, sob o comando de Aulo Atílio Serrano, apareceu na altura de Giteu. Antíoco reúne as naves e as tropas que tem em mãos, contando quarenta naves e dez mil homens de infantaria com quinhentos cavaleiros e seis elefantes. Parte do Quersoneso, na Trácia, para a Grécia, onde desembarca no Outono em Ptéleo, no golfo de Pégaso, ocupando imediatamente a cidade vizinha de Demetríade, enquanto um exército romano de aproximadamente vinte cinco mil homens, sob as ordens do pretor Marco Bébio, desembarca na Apolônia. A guerra está começada por dois lados. Os Ródios e os Bizantinos juntam-se aos seus antigos aliados. O Egipto toma o partido de Roma. Filipe põe todas as suas forças, com um zelo cordial, à disposição dos Romanos. A segunda potência da Grécia, a liga Aqueana, adere tanto quanto a primeira à aliança com Roma.
* O fim da independência da Gália Cisalpina só chega este ano, quando os Romanos derrotam os Bóios na sua praça forte. (Bolonha actual)

Ano 191 a.C. - Antíoco, é expulso da Grécia por um exército Romano, que o derrota nas Termópilas.
Sucessivas campanhas sangrentas no vale do Pó, terminam com a derrota da mais poderosa das tribos da Gália Cisalpina, os Bóios.

* No começo da primavera, o estado-maior Romano chega a Apolônia. O comandante chefe é Mânio Acílio Glábrio, homem de origem humilde, mas general hábil, temido por seus soldados e seus inimigos. O almirante é Caio Lívio. Levam reforços de homens e naves, a cavalaria Líbia e elefantes, de forma que o contingente total do exército Romano eleva-se para quarenta e mil homens aproximadamente. As tropas Romanas já tinham começado as operações na Tessália.
* Lúcio Emílio Paulo, recebe o imperium proconsular da Província Ulterior (Espanha) e sofre este ano uma derrota lutando contra os Lusitanos em Lycon.

Ano 190 a.C. (564) - Os Romanos invadem a Ásia, sob o comando de L. Cipião (irmão do Africano, que acompanha o exército) e derrota Antíoco em Magnésia. Antíoco é forçado a retirar-se para além das montanhas do Tauro, e a pagar uma enorme indemnização e a entregar os seus elefantes e a sua frota.
* No vale do Ermo, perto de Magnésia, ao pé do monte Sipilo, não longe de Esmirna, as tropas Romanas encontram o inimigo no fim do outono. A vitória que lhes dá um terceiro continente, custa aos Romanos somente 84 cavaleiros e trezentos infantes. A Ásia Menor submete-se, até ao Éfeso, de onde o almirante retira rapidamente sua frota, além de Sardes, a residência da corte.
Assim o protetorado da República Romana abrange agora todos os Estados, desde a extremidade oriental até à extremidade ocidental do Mediterrâneo. Não existe nesta extensão nenhum Estado do qual os Romanos acreditem ter algo a temer. Mas um homem vive ainda a quem Roma faz honra: O Cartaginês sem asilo, que levantou contra Roma todo o Ocidente. Este refugiou-se inicialmente em Creta, depois na Bitínia e reside na corte de Prúsias, rei deste país, ajudando-o nas guerras com Eumeno. Flaminino resolve, sem consultar ninguém, libertar Roma de Aníbal, como libertara os gregos de seus grilhões. Se não puder cortar a garganta do maior homem deste tempo, pretende pelo menos provocá-lo. Prúsias, o mais miserável dos miseráveis príncipes da Ásia, fica encantado em conceder o pequeno favor que o enviado Romano pede em termos ambíguos e Aníbal vendo sua casa cercada de assassinos, toma veneno. Viveu o bastante para ver o Ocidente completamente submisso e para travar a última batalha com os Romanos contra as galeras de sua própria cidade, que se tornou Romana. Por fim é obrigado a ser um mero espectador.
* Partindo da Macedónia um exército Romano passa o Helesponto e este ano, esmaga Antíoco. Basta esta vitória de Roma para abater o Império Selêucida. Antíoco tem que ceder quase toda a Ásia Menor e quanto ao resto de seus territórios aceitar condições tão severas como as postas aos outrora a Cartago e mais recentemente á Macedonia. Cedência de toda a frota, com excepção de dez navios, e de todos os elefantes de guerra, pagamento da enorme soma de 15 000 talentos, a título de reparação. Promessa de não atacar os países vizinhos situados a Ocidente. Depois de tal humilhação os súbditos do rei perdem-lhe o respeito. Desordens e crises financeiras perturbam com frequência a paz do reino.

Ano 189 a.C. - Perseu combate os Etólios.
* O Consul Cn. Mânlio Vulso invade o território dos Gálatas, mata muitos deles e apodera-se de enormes despojos.
* O procônsul Lúcio Emílio Paulo, tira a desforra com os Lusitanos do desastre de Lycon, no qual perde 6 000 homens.

Ano 188 a.C. - Chega-se a um acordo final com Antíoco, com que se assina um tratado em Apamea. Os seus antigos territórios na Ásia Menor são divididos entre Rodes e Êmenes II de Pérgamo, os Romanos retiram-se então completamente da Grécia e da Ásia.

Ano 187 a.C. - É construída a Via Emília (de onde deriva o nome actual desta região) que liga a Piacenza a Ariminum (Rimini).

Ano 186 a.C. - São introduzidas em Roma, as competições de atletismo.
* Os mistérios de Dionisios-Baco são vários: a mistura de sexos, das pessoas de qualquer condição, o mistério das reuniões e o seu carácter orgíaco, até mesmo bestial, fazem recear as autoridades Romanas uma conspiração ou tentativa de subversão social. Por isso estas práticas são severamente reprimidas aquando do escândalo das Bacanais este ano.
* O mais antigo decreto senatorial data deste ano. é um dos mais importantes documentos em língua latina. Refere-se ao culto de Baco, imitação Romana dos ritos gregos em honra de Dionísio O Senado vê-se obrigado a regulamentar estritamente as cerimónias dionisíacas; todas as comunas itálicas são obrigadas a mandar gravar o decreto em placas de bronze e a expor estas na via pública para edificação de todos os cidadãos.
* Decreto do senado proibindo as Bacanais.
* Este ano, sendo Lúcio Mânlio Acidino Fulviano e Gaio Atínio os governadores da Espanha Citerior e da Ulterior, respectivamente, os Lusitanos, atacam novamente os Romanos. Passando o Guadalquivir, e auxiliados pelos habitantes de Hasta, defrontam Atínio na Primavera. Os Romanos conseguem vitória, mas sem vantagem.

Ano 185 a.C. - Os Pretores da Hispânia, este ano, Lúcio Quíncio Crispino e Gaio Calpúrnio Pisão, trazendo um exército de cerca de 24 000 homens, que se juntam aos já estacionados na Península, atacam Lusitanos e Celtiberos perto de Toledo em Dipo. Vencidos no primeiro recontro, os Romanos contra-atacam e obtêm êxito.

Ano 184 a.C. - Catão-o-Censor, rediculariza o exibicionismo frívolo dos Helenistas, defende as virtudes caseiras e mostra um profundo respeito pelas tradições itálicas. Os seus esforços para manter a coesão tradicional da oligarquia levaram-no a desencadear um ataque político contra Cipião, que acaba por forçar este a retirar-se da vida pública este ano. Catão apoia leis sumptuárias e opõem-se com frequência aos subornos, à corrupção e ao abuso de Poder. A oposição de Catão ao helenismo não se baseia num mero preconceito. Ele próprio fala grego e compreende a cultura grega melhor do que muitos dos que ataca; favorece mesmo a adopção de ideias gregas, desde que possam ser adaptadas às necessidades Romanas. É Catão que ordena, durante o seu mandato de censor, este ano, a construção  da primeira basílica em Roma, edifício de estilo grego. Este é um dos muitos exemplos de edifícios públicos de estilo grego mandados erigir durante este período.
* Catão é eleito Censor, exerce naturalmente as suas funções com impiedosa crueldade. Retoma a sua campanha contra a luxo. Desta vez com mais sucesso. O seu alto cargo permite-lhe taxar os artigos cujo uso quisera em 195 proibir ao belo sexo. O resmungão de cabelos vermelhos e olhos verde-cinzentos arranjou muitos inimigos mas o povo Romano honra-o com o título de Censorius.
* Plauto (escritor) morre este ano com 70 anos de idade.

Ano 183 a.C. - Aníbal tenta organizar a desforra, mas traído, refugia-se na corte de Prúsias II, rei da Bitínia. Este para salvar o seu reino, decide entregá-lo a Roma. Advertido Aníbal prefere matar-se este ano. Uma vez decidida a guerra com Aníbal, os Romanos podem mais uma vez voltar a sua atenção para os Balcãs, onde Filipe começou a estabelecer o seu poderio no Egeu e está a empreender movimentos ameaçadores na Ilíria.

 

(fotosnet)

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Viriato                                                                                                                      

Lusitano                                                                                        

"Deuses" lusitanos

Iberos

Pretor

Exército Romano

* Baco / dionisio baco

* Dionísio / baco dionisio      (TODAS AS IMAGENS RETIRADAS DA NET)


PublicadoPor lazulli às 09:34
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

1000 a.C. (256 a.C. a 238 a.C.)



Ano 256 a.C. (498 a.C.) - O Senado resolve mudar de sistema e atacar Cartago na África.

* Na Primavera, Roma resolve atacar Cartago na África e uma frota de 330 naves de linha, rumam para as costas da Líbia. Os Romanos encontram a frota Púnica em ordem de batalha na altura de Ecnomos para proteger a Pátria contra a invasão. Raramente se viu combate no mar com massas maiores do que estas que se encontram nesta Batalha. A frota Romana, de 330 velas, leva pelo menos 100.000 homens de tripulação, além do exército de terra, de aproximadamente 40.000 soldados. A frota Cartaginesa de 350 velas, é constituída de um número igual de combatentes, de maneira que perto de 300.000 homens foram postos em linha este dia, para decidir a luta entre os dois poderosos povos. Da frota Romana, 24 naves  são postas a pique. Da frota Cartaginesa, 24 afundam-se e 64 são tomadas. Os Romanos, em vez de desembarcarem na costa Ocidental da Península que forma o Golfo, descem mais para Leste, onde a Baía de Clúpia , lhes apresenta uma larga enseada para a protecção de suas naves contra quase todos os ventos. Em pouco tempo, um campo naval fortificado é ali construído, e o exército de terra tem a liberdade de começar as suas operações.

* A energia dos Cartagineses está quebrada. Pedem paz. Mas as condições propostas pelo Cônsul são inaceitáveis.

* Roma inflige uma derrota aos Cartagineses no Cabo Ecnomo .



Ano 255 a.C. (499 a.C.) - Amílcar, que fez com tanto sucesso a guerra de guerrilhas na Sicília contra os Romanos, aparece na Líbia com a elite das tropas da Sicília, que fornecem um precioso núcleo para o novo recrutamento. Ao chegar a Primavera, as coisas já mudaram de tal forma que são os Cartagineses os primeiros a abrir Campanha e a oferecer a batalha aos Romanos. A massa principal dos Romanos atacada na frente pelos elefantes, dos dois lados e por trás pela cavalaria, por mais que se esforcem em quadrado e procurem defender-se heroicamente, têm no final as suas massas compactas quebradas e dispersas. No pequeno número de prisioneiros, está o próprio Cônsul, que vai morrer mais tarde em Cartago. Uma frota Romana de 350 velas parte imediatamente e após ter ganho no Promontório de Hermes, uma brilhante vitória na qual os Cartagineses perdem 114 naves, chega a Clúpea bem a tempo de tirar de sua posição crítica os restos do exército desfeito, que ali estava entrincheirado. Mas os Romanos perdem a cabeça de tal forma, que após o combate feliz em Clúpea , embarcam todas as suas tropas e rumaram para a Itália. Três quartos da frota sucumbe com as suas tripulações, numa tempestade violenta. Apenas 80 naves chegam ao porto em Julho deste ano.

* Numa tentativa dos Romanos atacarem directamente Cartago, por meio de uma força invasora comandada por M. Atílio Régulo, fracassa, transformando-se em catástrofe total quando a frota enviada para evacuar o exército, naufraga numa tempestade na sua viagem de regresso, este ano.



Ano 251 a.C. (503) - Batalha de Palermo. O exército Romano esmaga o exército de elefantes, os animais cercados, desorientam-se e voltam-se contra os Cartagineses.

* O cônsul Gaio Célio Metelo ganha no verão, sob as muralhas de Panormo (a cidade mais importante da Sicília cartaginesa), uma brilhante vitória sobre o exército dos elefantes.

 


Ano 250 a.C. - Em Roma, a prática impiedosa da lei dos devedores, excita a indignação de toda a classe de fazendeiros. Quando, este ano, são convocados os recrutas para uma guerra perigosa, os homens obrigados a servir, recusam-se a obedecer a este comando, de maneira que o Cônsul Públio Sérvio, suspende por algum tempo a aplicação da lei dos devedores, e dá ordem para pôr em liberdade as pessoas já encarceradas por dívidas, e para impedir novas prisões. Os fazendeiros tomam seus lugares no exército e contribuírem para garantir a vitória.

* O rei Asoka, o Grande; levanta em Lumbini, uma coluna com a inscrição “aqui nasceu Buda Sakya Munif.”



Ano 249 a.C. (505 a.C.) - Nascimento de Aníbal, filho mais velho de Amílcar.



Ano 244 a.C. - Fundação de uma colónia em Brundisium.



Ano 242 a.C. - Os Romanos reunem as suas últimas forças para alcançarem a decisão no mar contra os Cartagineses. Os cofres do Estado estão vazios mas os cidadãos mais ricos dão provas de generoso patriotismo, oferecendo fundos necessários para a construção de navios. Cada um, toma sobre si, o encargo de financiar o equipamento de um navio, ou se os seus meios não são suficientes, junta-se-lhe um ou outro cidadão. Este esforço surpreende completamente o inimigo, que sofre uma dura derrota ao largo das costas ocidentais da Sicília, este ano. Os Cartagineses, perdem toda a sua esperança de vitória e propõe a paz. Estabelece-se um pacto de paz e Cartago perde a Sicília e deve pagar 3200 talentos à maneira de reparações.



Ano 241 a.C. (513) - O Ocidente tem a paz este ano. O Tratado concluído com Roma este ano, dá a paz a Cartago, mas custa-lhe caro. O remorso que mais fere os Cartagineses, é ver destruído todo o seu sistema de política comercial.

* Novo Tratado entre Romanos e Cartagineses, decorrente do triunfo dos Romanos na Primeira Guerra Púnica.

* A expedição do Cônsul Régulo a África, fracassa e os combates recomeçam. Em terra, as Legiões Romanas, são derrotadas na Sicília pelo jovem general Amílcar Barca. É no mar que o Procônsul Lutácio Catulo domina os Cartagineses, interceptando diante das ilhas Égatas um importante comboio de abastecimento. Cartago, tem de abandonar a Sicília e pagar uma pesada indemenização. E, ao mesmo tempo fazer face a uma crise interna grave. O seu exército, recrutado entre os indígenas Númidas, não é de grande qualidade. Logo que aparece a trégua com os Romanos, estala uma terrível revolta dos mercenários, aos quais o Governo havia recusado pagar os soldos. Esta revolta é reprimida por Hanão; o Grande e Amílcar Barca; mas os Romanos aproveitam estas perturbaçãos para ocupar a Córsega e a Sardenha.

* Os cidadãos Romanos beneficiam directamente da fundação das Colónias Latinas, que este ano ocupam mais de 10 Km2 de terras confiscadas. Simultâneamente a população de cidadãos Romanos vai crescendo. A Sicília é o principal ganho inerente à vitória deste ano. Para além de alguns casos priveligiados, tais como Messana e o reino de Siracusa, as várias comunidades da Sicília passam a pagar tributo a Roma, sob a forma de dízimo.

* Os recursos de Roma são superiores aos dos Cartago, e após a vitória Romana nas ilhas Égates, este ano, os Cartagineses rendem-se. Os romanos ocupam a Sicília que se torna a sua Primeira Província.

* Fundação, pelos Romanos duma colónia em Spoletium; esta tem lugar no seguimento de uma revolta da cidade de Falerii, gesto isolado de desafio que os Romanos esmagam com violência, numa campanha de 6 dias.



Ano 240 a.C. - Livius Andronicus, escravo de Tarento, alforriado, torna-se Professor, profissão de escravo ou de liberto. O Tarentino, contribui para a helenização das élites Romanas, mas, paralelamente, esforça-se por aperfeiçoar a Língua Latina. Este ano escreve a primeira tragédia romana que é apresentada nos Ludi Romani.



Ano 238 a.C. - Ocupação do litoral Ibérico pelos Cartagineses.

* Os Romanos escutam as propostas dos revoltosos da Sardenha que está nas mãos dos Cartagineses. Assim adquire Roma sem esforço a Sardenha, à qual junta a Córsega, antiga possessão Etrusca, onde, talvez depois da última guerra, haviam ficado algumas guarnições Romanas.

* Aperfeiçoamento, do calendário egípcio, com o “Decreto de Canopo”, que introduz o ano bissexto.

* Depois dos acontecimentos de Sicília, os Cartagineses compreendem que a paz de 241 a.C. não passa de um Armistício. Ninguém está mais a par da situação do que Amílcar e seu genro Asdrúbal. Decidem procurar na Península Ibérica compensações para as perdas sofridas pela sua cidade natal. A Península Ibérica possui ricas minas de prata que exploradas de maneira racional, podem pagar as reparações devidas pelos Cartagineses e financiar as suas guerras futuras. Além disso os habitantes da Ibéria são excelentes soldados. E, Cartago, acaba de enfrentar uma revolta de mercenários a quem a assinatura da paz em 241 a.C. deixou sem trabalho e sem dinheiro. Amílcar, este ano, leva as tropas para a Ibéria, onde os Cartagineses já possuíem Cades e alguns postos comerciais dispersos. Apoiando-se nessas possessões, Amílcar, aplica todo o seu talento de estratego e a sua inteligência política, na criação de um Estado Cartaginês homogéneo que agrupa as regiões férteis do Litoral Mediterrânico e se estenda a Norte, até ao Ebro. Na costa Sul funda Nova Cartago (a actual Cartagena) capital do Novo Império.

 

 

 

 

 

General Romano Espición












1ª Guerra Púnica





Rotas da 2ª Guerra Púnica... Península Ibérica



Aníbal Barca















(fotosdanet)





2ª Guerra Púnica
guerreiro Lusitano  


PublicadoPor lazulli às 22:00
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007

1000 a.C. (387 a.C a 370 a.C.)




Ano 387 a.C. (367) - Os Celtas, portadores da cultura La Tène, este ano, vencem os Romanos em Ália e, tendo conquistado Roma e cercado o Capitólio, só se retiram depois de receberem a título de resgate uma elevada soma de dinheiro.

* Roma é destruída totalmente, durante a guerra contra os Gauleses.

* Este ano em que o rei da Pérsia impõem aos Gregos a humilhante paz do rei, é também um ano de infelicidade para os Romanos. Celtas – os Gauleses – vindos do Norte lançam-se sobre Roma. A existência da cidade eterna está ameaçada. O exército que sai das muralhas da cidade para conter o inimigo aterroriza-se à vista daqueles robustos guerreiros gauleses, de elevada estatura e terrível aspecto. Os gauleses têm métodos de combate completamente diferentes daqueles a que os romanos se haviam habituados nas lutas que tratavam com os povos vizinhos. Basta o horrível grito de guerra dos  gauleses para gelar os romanos. As legiões, não resistem durante muito tempo, depressa o pânico torna-se geral, passando do exército a todo o povo romano. A ordem social está abalada. Ninguém é capaz de impedir o desastre iminente, nenhuma autoridade pode forçar os cidadãos à obediência. As pessoas só pensam em salvar a pele.

* Os romanos formam quatro novas tribos dos territórios de Veios, Capena e Falérios.

* Destruição total de Roma, durante a guerra contra os gauleses.

 

Ano 385 a.C. - Estabelecimento de uma colónia Romana em Sacritum.


Ano 384 a.C.- Nascimento na Macedónia cerca deste ano, de Aristóteles, filho do médico Nicómano.


Ano 383 a.C. - A fronteira setentrional de Roma está, assegurada, o que permite, este ano, fundar colónias a norte de Veios, em Sutrium e Nepet, duas fortalezas que vêm a ser conhecidas por “Portas da Etrúria”.

* Os romanos asseguram a fronteira do norte pela fundação das fortalezas de Sútrio.


Ano 382 a.C. - M. Mânlio da elite governante em Roma, durante a República é acusado de (monarquismo regnum ) daí que é um dos executados este ano por este motivo. M. Mânlio, executado por tentativa de se proclamar rei. Embora seja patrício, aliou-se aos plebeus, a quem ajudou, pagando-lhes as dividas com o seu próprio dinheiro.

* É estabelecida uma colónia Romana em Setia .

* Os protestos contra o endividamento são frequentes.


Ano 381 a.C. - Atribuída cidadania a Tusculum e o seu território incorporado no de Roma.


Ano 378 a.C. - O Estado Romano consegue organizar a construção de uma grande muralha, que mede 10 km de cumprimento e circunda toda a cidade. Feita em blocos de pedra trazidos das pedreiras de Grotta Oscura, no território de Veios. Esta região está ainda nas mãos dos Romanos, e pouco depois da partida dos Gauleses, é colonizada por Romanos que constituem 4 novas tribos. Nesta altura o território de Roma tem cerca de 1510 Km2. A cidade está em boas condições para uma recuperação rápida. A norte do antigo ager Veientanus fica o território da cidade etrusca de Caere, aliada dos Romano nesta altura e que os ajuda na sua recuperação.

* A agitação plebeia contra o peso das dívidas provoca desordens violentas.


Ano 373 a.C. (381) - Artaxeres envia contra o Egipto o sátrapa Tirabazo que, à frente de uma poderosa armada, invade o Delta e chega a Mênfis. Mas, nos seus planos de batalha, não nota que esta época do ano inicia a cheia do Nilo e o sátrapa é obrigado a bater precipitadamente em retirada.

* Os romanos asseguram mais uma fronteira do norte com a fundação da fortaleza de Napete este ano. A passos rápidos esta região fértil, e coberta de colonos romanos, romaniza-se completamente e na Itália do Norte, os povos que lutavam entre si acalmam-se e organizam-se de maneira mais durável e em fronteiras mais bem demarcadas.


Ano 372 a.C.  - Uma grande tocha, flamejando do céu, anuncia a derrota final de Esparta.


Ano 370 a.C. - Nos finais da década deste ano, um período de anarquia política em que, pelo menos durante um ano, nenhum magistrado é eleito.

Penso: cada vez mais eu

PublicadoPor lazulli às 00:41
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2007

1 000 a.C. (444 a.C. a 415 a.C.)

 

 

 

Ano 444 a.C. - Nomeação de Neemias , governador autónomo de Judá, por Artaxerxes, rei da Pérsia.


Ano 443 a.C. - Os censores, eleitos pela primeira vez, este ano. Exercem funções anteriormente desempenhadas pelos cônsules, a mais importante das quais é a realização de um censo da comunidade, para estabelecer os direitos e obrigações dos cidadãos e para os distribuir pelas tribos e centúrias apropriadas. Os censores são eleitos em intervalos de quatro ou cinco anos, sendo o seu mandato de 18 meses.


Ano 440 a.C. - Espúrio Mélio , da elite governante, é este ano executado durante a República, pela grave acusação de (monarquismo regnum ).


Ano 439 a.C. - Já passaram 20 anos depois da sua vitória sobre os Équos, Cincinato salva mais uma vez o seu povo. Um romano influente, Espúrio Mélio , faz, este ano, uma tentativa de golpe de Estado. Pelo menos é acusado disso. Mélio é extremamente rico e, numa altura em que uma grande fome reina em Roma, julga possível apoderar-se do poder graças à sua fortuna. A situação é de tal modo desesperada que as pessoas se atiram ao Tibre para porem fim aos seus sofrimentos. Mélio compra na Etrúria grandes quantidades de trigo e distribui pelo povo faminto. “determina fazer donativos de pão”. Olhado e considerado superior a um homem particular, leva para qualquer parte que caminhe, a plebe, ganha por tal benefício e que lhe promete, pelo seu favor e esperança, um certo consulado. ele mesmo, tem aspirações a coisas mais elevadas e não concedidas. E, visto que o consulado, também há-de de ser arrancado, aos senadores constrangidos, entra a pensar na realeza. As autoridades depressa encontram provas da sua culpabilidade. Sabes se que Mélio estabelece um depósito de armas em sua casa, que ai tem reuniões secretas, que elabora planos para abater a República, e que até compra tribunos da plebe.


Ano 435 a.C. - Nascimento de Filóxeno de Citera .


Ano 432 a.C. - Este ano, o filósofo grego Anaxágoras, que interpreta a realidade como um torvelinho de infinitos elementos homeomerias ), ligado à “razão de ser” do cosmos, é acusado de ateísmo por atenienses politeístas ortodoxos.


Ano 431 a.C. - O primeiro Templo de Apolo, é construído em sua honra este ano por Augusto, no Palatino, em Roma, durante uma epidemia.


Ano 426 a.C. - A Segunda Guerra, este ano, quando os romanos tomam Fidence , posto avançado de Veios na margem esquerda do Tibre, cerca de 9 km a norte de Roma. A luta decisiva que segundo a tradição romana dura 10 anos (405-396) está associada a muitas lendas e histórias, algumas das quais inspiradas na lenda grega da Guerra de Tróia. O resultado final é um dos pontos de viragem na história de Roma: Veios é tomada e destruída pelo general romano M. Fúrio Camilo, e o seu território anexado ao de Roma.


Ano 424 a.C. - Morte de Artaxerxes, após 40 anos de reinado. Segue-se um período de sanguinárias batalhas. O único filho, Xerxes II, é assassinado por um bastardo. Outro bastardo de nome Vahuka (Oco) consegue apoderar-se do trono dos Aquemênidas com o nome de Dário II. Mas um irmão e um primo revoltam-se contra ele apoderando-se por sua vez de duas grandes partes do Império, desta maneira vai-se fragmentando.


Ano 419 a.C. (335) - Em Roma o número de escravos concentrados na capital, atestado pela primeira conspiração séria de escravos este ano. Existem muitos escravos.


Ano 415 a.C. - Nos Jogos Olímpicos, Alcibíades corre sete magníficos carros e arrebata os três primeiros prémios. Ídolo dos Atenienses, lidera o partido democrático e, põem em causa a trégua de 50 anos que Nícias, seu adversário, estabelece com Esparta, arrasta os Atenienses para a infeliz expedição da Sicília este ano. Na véspera da partida, as estátuas de Hermes são profanadas e a sua reputação de impiedade designa-o imediatamente como sacrílego.

Penso: parada - a olhar o mundo

PublicadoPor lazulli às 15:28
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007

1 000 a.C (450 a.C a 445 a.C )





Ano 450 a.C. (304) -  Como um suplemento parece necessário, os decênviros são novamente nomeados este ano e juntam duas placas a mais. Assim nasce o primeiro e único código de leis de Roma, a lei das doze tábuas.

• As leis em Roma são baseadas na tradição e interpretadas pelos patrícios. Os plebeus passam a exigir leis escritas. Este ano, uma comissão de decuriões, composta por patrícios e plebeus, redige o primeiro código de lei escrito da história romana: a Lei das XII Tábuas.

• A disposição das Doze Tábuas este ano, segundo a qual, se um paterfamilias morrer sem testamento e sem herdeiros, a sua propriedade deve ser devolvida à gens .

• Os decênviros estiveram no poder durante dois anos, período em que publicaram 12 “tábuas” de leis. No entanto este ano começam a abusar da sua posição e são eles mesmos destituídos.

• Os Plebeus conquistam a igualdade jurídica impondo aos Patrícios a transformação das leis orais numa legislação escrita. Esta legislação será aplicada, indistintamente, às duas classes. As leis foram gravadas em placas de bronze que são fixadas no fórum romano, ficando esta codificação conhecida como Lei das 12 Tábuas.

• A fase final do “encerramento do patriciado” tem lugar este ano, com a proibição de casamentos entre as diferentes ordens.

• Alcibíades, nasce por volta deste ano, em Atenas. A sua educação é confiada a seu tio Péricles. Belo e culto, cedo se distingue por uma arrogância singular. Criança, atravessa-se no caminho de uma viatura que perturba as suas brincadeiras, por forma a impedir a sua passagem. Sócrates faz dele o seu discípulo favorito, salvando-lhe mesmo a vida na batalha de Potideia . O seu gosto pelo luxo, a impertinência e altivez intelectual que manifesta na presença dos seus concidadãos, mais ilustres, depressa lhe granjeiam a mais lisonjeira fama.


Ano 449 a.C. - Este ano, os Cônsules L. Valério e M. Horácio aprovam uma série de leis que reafirmam os direitos dos cidadãos e reconhecem as instituições plebeias.

As Doze Tábuas são a base da lei romana, em língua arcaica. Ex: “Se o leva a tribunal, que vá. Se não for chama-se uma testemunha. Então será detido”(11.) “Se alguém tiver mutilado um membro de outro, a menos que se chegue a um acordo, deve haver retaliação ”(8-2).

As Doze Tábuas não são um código sistemático. Os principais tópicos têm haver com: Família, casamento e divórcio, herança, propriedade e transferência de propriedade, ofensas e delitos, divida, escravatura e nexum . Por outro lado, omite qualquer referência à lei pública.

 

Ano 448 a.C. - Nascimento de Aristófanes.


Ano 447 a.C. - Entre outros magistrados contam-se os Questores, que ajudam os cônsules e que a partir deste ano passam a ser eleitos por voto popular, em Roma.


Ano 445 a.C. - As Doze Tábuas são um misto de codificação e inovação. A principal inovação é a proibição do casamento entre Patrícios e Plebeus. Este decreto provoca uma onde de protestos e é em breve revogado pelo Tribuno C. Canuleio , este ano. Para além desta clausula, claramente excepcional, as Tábuas atribuem igualdade de direitos a todos os cidadãos livres, que é o que tinham exigido os plebeus.

Aumento dos consules patrícios.

A Lei Canuléia estabelece a igualdade civil ao autorizar o casamento entre patrícios e plebeus.

É decidido que em determinados anos o consulado será suspenso e que, em seu lugar, três ou mais “tribunos militares com poderes consulares” sejam eleitos.

Esdras é acompanhado por um poderoso contingente chefiado por um judeu de liderança e um proeminente oficial público Persa chamado Neemias , a quem é dado o cargo de governador de Judá e a autoridade para constituí-lo em uma unidade política independente dentro do Império.

Penso: serena e desperta

PublicadoPor lazulli às 23:13
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quarta-feira, 31 de Outubro de 2007

1000 a. C (485 a.C a 479 a.C)

 

 

Ano 485 a.C. - Aumento dos cônsules patrícios.

Condenação ao exílio de Xantipo pai de Péricles, e da família alcmeónida.

Xerxes Khjayarja ) lança-se contra o Egipto, consegue dominá-lo e impor-lhe um domínio bem mais árduo que aquele do falecido rei e confia-o a seu filho ou irmão Aquemenes.

Espúrio Cássio, quando cônsul, propõem a distribuição de terras e trigo aos cidadãos necessitados. Esta medida torna-o suspeito. Acusam-no de querer amotinar o povo. Logo que o seu mandato acaba, é apresentada queixa contra ele, de acordo com a tradição. O caso é entregue ao pai de Espúrio. em virtude dos seus poderes paternais. Este último faz o seu inquérito, concluiu pela culpabilidade do filho e condena-o à morte. Espúrio, foi três vezes cônsul, recebeu as honras de tribuno, casado e pai de família, mas continua sujeito à autoridade paterna.

Gélon, tirano de Siracusa, trava violentas lutas na Sicília. As suas proezas militares, fazem o deserto à volta da cidade de Siracusa. Camaria, Naxos e Mégara Hibleia, são despovoadas para engrandecer Siracusa, cada vez mais poderosa e imperial.


Ano 484 a.C. - Egipto nas mãos de Aquemenes, filho ou irmão de Xerxes.


Ano 481 a.C. - Atenas, procurando realizar a unidade militar da Grécia, chega a acordo com Esparta, no Outono, para a convocação duma conferencia geral das cidades gregas no istmo de Corinto. Só três dezenas delas, correspondem ao apelo. Incluíam as mais importantes, como Esparta e Corinto, mas registam-se muitas ausências.


Ano 480 a.C. - A segunda invasão Persa, à Grécia, comandada por Xerxes, provoca uma aliança entre a maioria dos Estados gregos para enfrentarem o invasor. Os Espartanos pretendiam como táctica a seguir, que as forças aliadas se retirassem para o Peloponeso e construíssem uma muralha no Istmo de Corinto e, desse modo, tentassem impedir a progressão do poderoso exército persa. Alegavam que só assim conseguiriam evitar a derrota e a consequente perda de liberdade. Mas uma decisão dessas equivaleria a entregar a maior parte da Hélade aos Persas, incluindo a Ática. Temístocles , dirigente de Atenas nesta altura e comandante das suas forças, discorda desta estratégia e quer que se enfrente Xerxes na parte continental e no mar, por entender que os Gregos tinham mais possibilidades num confronto naval. Para fazer valer a sua táctica, ameaça abandonar a causa grega e transferir a Pólis Ateniense para outro lugar. Nestes termos dirige-se ao rei espartano que comandava as forças gregas: “Se tu permaneces aqui, serás um homem de bem, mas se não o fizeres arruinarás a Hélade , já que todas as nossas possibilidades nesta guerra se encontram nos navios. Vá, segue o meu conselho. Se não atendes ao que te digo, nós recolheremos as nossas famílias e nos transferiremos para Síris , na Itália".

Os gregos metropolitanos vencem os Persas – os gregos ocidentais infligem uma derrota esmagadora aos Cartagineses.

Em busca de vingança, Xerxes invade a Grécia. Leónidas e os seus trezentos Espartanos, morrem heroicamente defendendo o desfiladeiro das termópilas. Os persas atravessam-no e vai incendiar Atenas. Temístocles esmaga a grande frota persa diante da ilha de Salamina. Uma grande luz brilhou e verificaram-se aparições para proteger os navios gregos.


Ano 479 a.C. - Este ano os Persas retornam à Grécia. A Ática, foi conquistada e Atenas semidestruída.  Esparta, à frente dos outros Estados gregos, atacou os Persas na Ática. Os Persas são derrotados em Platéia este ano. Ao mesmo tempo que o exército Persa é derrotado na Grécia Continental, as colónias gregas da Sicília derrotam os Cartagineses. Com a derrota dos Persas nas Guerras Greco-Pérsicas ou Guerras Médicas, os gregos tornaram-se agressivos, tendo procurado expulsar os persas para a Ásia.

Alguns vestígios da “hipotética” “organização gentilica ” subsistiram durante o período republicano, e podem ver-se, no feito da gens Fábia que este ano, trava uma guerra privada contra a cidade de Veios.

Este ano, na Terceira Guerra Médica, os Gregos impõe uma derrota definitiva aos Persas na batalha de Platéia.

No mar, Temístocles, comandante da esquadra ateniense, derrota os persas na batalha de Salamina, a mais importante das Guerras Médicas. Sem cobertura naval, o exército Persa abandona a Grécia e retira-se para a Ásia Menor, onde é vencido, este ano, pelo espartano Pansânias na batalha de Platéia. Com a vitória nas Guerras Médicas, a Grécia preserva a sua independência, restaura sua supremacia no mar Egeu e libera as cidades gregas da Ásia Menor do domínio persa. As principais consequências deste conflito são, de um lado, a decadência do Império Persa, e de outro, o desenvolvimento económico, politico e cultural da Grécia Clássica.

Depois de viajar durante 13 anos, Confúncio, instala-se definitivamente em Lu, onde compendia os seus apontamentos e até à sua morte este ano ensina os seus discípulos. Os seus últimos anos ficam ensombrados pela tristeza e pela doença já que morreram dois dos seus discípulos preferidos e ele próprio fica sozinho e doente.

Os Fábios tinham uma grande importância política. Durante sete anos consecutivos, até este ano (altura em que começa a campanha de Cremera ) é que um dos cônsules foi sempre um Fábio.

Penso: com sono

PublicadoPor lazulli às 16:36
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quarta-feira, 3 de Outubro de 2007

1000 a.C. (508 a.c. a 491a.c.)

 

Ano 508 a.C. - Primeiro tratado entre Romanos e Cartagineses, delimitando os respectivos protectorados e áreas de influências.

Iságoras , é eleito arconte, este ano. O  rei de Esparta força os Atenienses a expulsarem Clístenes e com ele setecentas outras famílias. Uma drástica operação de limpeza que visa estabelecer uma apertada oligarquia que tenha em conta os interesses de Esparta. Estes planos deparam com a resistência do Dêmos e do Conselho. O povo compreende o perigo e, naturalmente, a reacção aristocrática de Iságoras e da sua facção, com a consequente perda de algumas regalias. Em face da resistência, os Espartanos retiram e Iságoras fica sem apoio. Chamado pelo Dêmos, Clístenes regressa e com ele as setecentas famílias exiladas. O Alcmeónida tem o caminho aberto.


Ano 504 a.C. - O chefe sabino, Átio Clauso , emigra para Roma, com 5000 clientes e dependentes; tomando o nome de Ápio Cláudio, é aceite no Senado e torna-se o antepassado da gens Cláudia.


Ano 500 a.C. - O território de Roma compreende uma superfície de uns 822 Km2, incluindo os novos distritos tribais estabelecidos por Sérvio Túlio. O Estado Romano incorpora, de facto, por volta deste ano, mais de um terço da superfície total do Latium Vetus.

O Norte da Itália sob ocupação celta. Uma tradição muito encoberta por lendas diz, que os Celtas foram tentados a invadir a Itália pela sua riqueza em produtos agrícolas, particularmente vinho. Segundo Tito Lívio, os Gauless atravessaram os Alpes antes deste ano.


Ano 499 a.C. - Vitória de A. Postúmio Albino, no lago Regilo. Os romanos conseguem uma escassa vitória, sobre os latinos, na épica batalha do lago Regilo este ano.

Aristágoras proclama a isonomia em Mileto.


Ano 498 a.C. - Tarquínio e os seus aliados atacam os Romanos junto do lago Régilo; Aulo Postumo implora aos deuses. De repente, aparecem dois cavaleiros gigantes, encabeçam uma carga de cavalaria e derrotam o inimigo. Todos os romanos juram que Roma foi salva por Castor e Pólux.

Os portos da Jônia, cujo desenvolvimento prometido era obstruído pelo insucesso de Dário, rebelaram-se. Mileto, lidera a revolta e pede reforços a Atenas e a Esparta. Os Atenienses, contribuiram com vinte navios e auxiliados pelos mesmos aliados, tomam e incendeiam • Sardes este ano. Esparta, porém, não atende ao pedido.


Ano 494 a.C. - Os plebeus, carregados de dívidas e vítimas de uma opressão arbitária, retiram-se em massa da cidade e ocupam o monte Sagrado (ou, segundo outra tradição, o Aventino). Ali se organizam no equivalente a um Estado independente, ou “Estado dentro de um Estado”. Criam uma Assembleia, o Concilium Plebis, e elegem os seus próprios representantes, conhecidos por Tribunos. O Tribunato aparece através do que os Romanos chamam Lex Sacrata, que é uma resolução colectiva reforçada por um juramento solene dos que a tomam. Os plebeus juram proteger os seus Tribunos e rogam pragas contra quem quer que lhes faça mal. Os Tribunos tornam-se assim, “sacrossantos”.

Os plebeus abandonam Roma e retiram-se para o Monte Sagrado, próximo da cidade. A retirada dos plebeus implica o enfraquecimento do exército romano. Assim sendo, os patrícios resolvem fazer uma série de concessões aos plebeus. A principal destas concessões é o direito dos plebeus elegerem um Tribuno da plebe, com direito de veto sobre as decisões dos magistrados, menos sobre as decisões militares dos Cônsules. Estes Tribunos, inicialmente em número de dois e mais tarde de dez, são invioláveis.

A partir deste ano, inclusive, é usada a secessão da plebe (forma extrema de desorganização civil. Nestas ocasiões a plebe retira-se em massa para o Aventino, que se vem a tornar mais tarde num centro de actividade plebeia.

A retirada para o monte Sagrado e a criação do Tribunato, parece ter ocorrido este ano, ano em que os Persas destroem completamente a cidade de Mileto.

Este ano, a maioria dos patrícios, apenas constrangidos, fazem concessões; muitos cedem com segundas intenções pouco confessáveis. O facto é particularmente verdadeiro no que se refere a Coriolano, Patrício conhecido pela sua intrépida coragem, mas também pelo orgulho desmedido que tem na sua ascendência. Reage ao Tribunato como um touro em face de um pano vermelho.

Dário depois de ter mantido um entendimento pacifico com Mileto, mas cansado das inúteis negociações resolve enviar contra a Jônia uma frota de seiscentos navios Fenicios e Cipriotas que destruíram as trezentas e cinquenta trirremes dos aliados amotinados. Com o verdadeiro repúdio de todo o mundo grego, Mileto é arrasada este ano, ao passo que as demais cidades sofrem massacres e deportações.


Ano 493 a.C. - No seguimento da primeira secessão “arma suprema da plebs, forma extrema de desobediência civil” Espúrio Cássio, cônsul este ano, consagra um templo a Ceres, Líder e Líbera no sopé do Aventino. Este templo torna-se um importante centro de culto plebeu e é também utilizado como tesouraria de arquivo. Ao mesmo tempo, a plebs cria dois cargos, os edis, cuja função é a de zelarem pela manutenção e administração do Templo (aedes).

A revolta do monte Sagrado desencadeia as lutas sociais em Roma. Os plebeus abandonam a cidade e, retiram-se para o monte Sagrado, só retornam após inúmeras concessões feitas pelos patrícios. As camadas populares conquistam o direito de eleger seus próprios magistrados, denominados tribunos da plebe. Eleitos através de plebiscitos, os tribunos têm o poder de veto, ou seja, de suspender a aplicação dos actos dos magistrados ou das decisões do Senado, que possam prejudicar os interesses plebeus.


Ano 492 a.C. - Tentativa fracassada do Imperador para submeter a Grécia.


Ano 491 a.C. - (263) Gaio Márcio, valente aristocrata que recebe o cognome de Coriolano, após a tomada de Coriolos, quando lhe recusam o consulado, propõe a suspensão das vendas do trigo tirado dos celeiros do Estado, até que o povo esfomeado abandone o tribunato; segundo outra versão, propõe directamente a abolição do tribunato.

* Os gregos, vencem o exército Persa de Dário I, em Maratona.

Penso: com o olhar perdido no nada

PublicadoPor lazulli às 12:21
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Segunda-feira, 17 de Setembro de 2007

1000 anos a.C (521 a 509)


Ano 521 a.C. - Dário I, o Grande, é rei a partir deste ano inclusive.

* Dário I, filho de Histapes, este ano, elimina com seis outros conjurados, o astrólogo Gautama, usurpador do trono, e herda o imenso Império Persa, que Ciro e Cambises haviam construído. Os conjurados haviam decidido que a coroa se destinaria àquele cujo cavalo fosse o primeiro a relinchar ao pôr do sol. Dário consegue-o, graças a um ardil do seu escudeiro, Zopyros. Começa  por criar um elo administrativo entre todos os seus povos, diferentes entre si, tanto pelos dialectos como pelos costumes.

* Dário I (Darayavaush) auxiliado pelos seus nobres leais, livra-se de Gaumata e também de outros possíveis usurpadores e sobe ao trono a 29 de Setembro .


Ano 520 a.C. -Com o pleno apoio do filho de Ciro, Dário, verifica-se neste ano, sob um líder oficial Zorobabel, cuja autoridade, como um descendente de David, é reforçada por sua designação, como governador persa de Judá. É essa a entrada na cena de Jerusalém da nova ortodoxia judaica, girando em torno de um templo único e centralizado e de seu culto. A obra do Templo começa imediatamente. É construído num estilo mais humilde que o de Salomão.

* O esforço dos Judeus regressados, limita-se muito tempo à construção do Templo de Jerusalém, que começa a sua construção em Outubro deste ano.

* Polícrates, governador de uma das cidades gregas, tirano aliado dos Pisístratos, morre este ano, vitima das suas ambições e Samos cai nas mãos dos persas.


Ano 517 a.C. - No Egipto, onde está por concluir o canal que foi iniciado por Necho , Dário ordena a sua conclusão e o magnífico curso de água, com uma largura de 45m e 60km de comprimento (desde os lagos Amargos até Bubástis , foi inaugurado este ano com grande cerimonia na presença do próprio Dário .

O grande canal favorece o Egipto e os portos fenícios mas exclui os da Jônia . Dário propõe a estes um grande território interriorano no lado oposto, nas regiões em torno do mar negro, Cítia e a Europa.


 

Ano 516 a.C.-Em seu 4º ano de reinado, Dário I dirige-se ao Egipto onde assume o título de faraó e cogita todos os meios de recuperar os danos de Cambise . em parte tem êxito nesta iniciativa, para a qual se apoia principalmente no clero da Saís.


Ano 515 a.C. - Reconstrução do Templo de Jerusalém.Terminada a sua construção a 12 de Maio, a coroa Persa consegue dele somas consideráveis de dinheiro mas também participa nos gastos do culto.


Ano 514 a.C. -A morte de Hiparco este ano numa querela, leva o irmão Hípias a endurecer a sua actuação e a tentar desarmar o povo. Para pagar a mercenários que o defendessem de qualquer revolta, Hípias necessita de dinheiro e introduz por isso um número considerável de impostos, como o lançado sobre o nascimento e a morte, que atinge praticamente todas as famílias.

Harmódio e Aristogíton assassinam Hiparco, um dos filhos de Pisístrato .


 

Ano 511 a.C. -É a pitagórica Crotona que, este ano, destrói a sua antiga aliada Síbaris : os habitantes são mortos, a cidade arrasada e o nome de Síbaris só vai sobreviver na lenda.

 

Ano 510 a.C. -Os Romanos derrubam o rei tirano, Tarquínio , o Soberbo, e fundam a sua famosa República. Tarquínio pede ajuda a Lars Porsena de Clúsio . Plínio, na sua História Natural, relata como Porsena dirigiu orações aos deuses que lançaram raios para destruírem Bolsena, a cidade mais rica da Toscânia; exactamente como o Senhor destruiu Sodoma e Gomorra.

Na Grécia o Governo inconstitucional imposto pela violência, a tirania de Pisístrato, que foi um homem hábil, deu à cidade uma época de paz, de prosperidade e de estabelidade - uma nova “idade de ouro”. Mas a queda da tirania dá-se este ano.

O inconformismo tanto do Demos como dos nobres, dá origem a 3 ou a 4 anos de lutas, de repressões e de intrigas atá que este ano uma conjura derruba a tirania e expulsa Hípias. Os Alcmeónidas, regressados do exílio tomam parte activa neste acontecimento.

Queda da tirania em Atenas, com a expulsão dos Pisístratos . Afastada a tirania, os aristocratas preparam-se para retomar, o jogo das facções no momento em que o haviam deixado no ano de 546. Sem demora formam-se dois grupos aristicráticos liderados por Clístenes e por Iságoras. O primeiro, um Alcmeónida filho de Mégacles e da filha do tirano de Sícion também chamado Clístenes. Iságoras, filho de Tisandro, pertence a uma antiga família eupátrida que permaneceu na Ática e colaborou com os Pisístratos, tem por si a vantagem da confiança e amizade do rei espartano Cleómenes que colaborou no afastamento da tirania e cujo exército ainda está acampado por perto.

Queda da tirania em Atenas.

Sob a pressão das armas espartanas, Hípias tem de fugir e, este ano, a tirania termina em Atenas. Esta operação político-militar foi organizada por uma das grandes famílias sacerdotais da Ática, os Alcme.


 

Ano 509 a.C. - Os Aristocratas tomam o Poder em Roma. Os patrícios constituem uma pequena minoria da população da cidade de Roma, há 136 famílias patrícias e só conseguem controlar o Estado devido ao apoio que recebem dos clientes. Os patrícios constituem eles próprios uma pequena minoria da população total da cidade.

Muitas das instituições cívicas estabelecidas sob o governo dos últimos reis devem ter caído em desuso quando os aristocratas tomam o Poder este ano em Roma.

Tarquínio, o Soberbo, último rei de Roma, é deposto por uma revolução que expulsa os etruscos, aboliu a Monarquia e implanta a República. Com a passagem da Monarquia para a República, ocorre a transferência do poder dos etruscos para os patrícios, que se transformam na classe dominante de Roma. Nesta época, a cidade já estendeu o seu domínio sobre a região do Lácio e a maioria da sua população é formada por agricultores, pastores e artesãos. No início da República Roma possui uma população de cerca de 100 mil habitantes.

O período monárquico de Roma, iniciou-se com a fundação de Roma e termina este ano, quando uma revolta da aristocracia depõe o último rei romano, Tarquínio, o Soberbo, de origem etrusca. E é proclamada a República.

O grande templo de Júpiter, Juno e Minerva foi construido pelos Tarquínios, e consagrado pelos primeiros cônsules, este ano. O edifício tem cerca de 64m de comprimento, 55m de largura e altura estimada em 40m, é um dos maiores templos arcaicos do mundo mediterrânico.

O rei romano Tarquínio II ou Tarquínio-o-Soberbo, filho ou neto de Tarquínio I; foi um rei brutal e despótico e é derrubado este ano por um grupo de aristocratas que establecem um governo republicano. Além disso é genro do seu antecessor, Sérvio, que foi assassinado por um golpe arquitectado por este.

Um grupo de aristocratas expulsa Tarquínio e põe fim à monarquia. Em seu lugar, estabelecem a curiosa instituição de uma magistratura colegial, em que dois homens partilham o Poder Supremo. Os cônsules, inicialmente onhecidos simplesmente por “pretores”. São eleitos pelos comitia centuriata e desempenham funções durante um ano. Os cônsules (pretores) têm imperium (sendo, no entanto, obrigados a submeter-se à formalidade do voto dos comitia centuriata) e herdaram dos reis todos os sinais exteriores da realeza, embora os fundadores da República, para não dar a impressão de terem substituido um rei por dois, determinassem que, os cônsules devem ser detentores dos fasces por turnos. Mas os poderes dos cônsules é limitado de outras formas mais importantes. Segundo a Tradição, logo no primeiro ano da República é aprovada uma lei que dá aos cidadãos o direito de apelar (provocatio) para o povo contra uma decisão de um magistrado.

Tarquínio, o Soberbo (rei etrusco de Roma) é deposto pelo Senado, a Assembleia dos Patrícios, sem dúvida por se ter mostrado favorável aos plebeus. A monarquia é então abolida e estabelece-se um novo regime, a República, que se manterá em Roma durante meio milénio.

L. Júnio Bruto, é cônsul este ano e um dos pais fundadores da República.

Data do Primeiro Tratado entre Cartago e Roma, é selada definitivamente a sorte da monarquia tartéssica, mas a sua civilização não morre, prossegue nas pequenas monarquias tíndetanas.

Este ano o povo entrega o governo a um dos membros dos Alcmeónidas, Clístenes. Será ele que, num conjunto de reformas, fará de Atenas uma democracia.

Este ano os reis são expulsos, nesta altura na pessoa de Tarquínio, o Soberbo, último representante da dinastia etrusca. Nesta altura o poderio Etrusco na Itália central e meridional entra em decínio. As populações itálicas, não menos que as colónias gregas, infligem ás coligações etruscas sucessivas derrotas. Roma é assim, “reconquistada”, ficando sob o domínio dos chefes de família, dos cidadãos mais ricos das tribos rústicas, e não do povo miúdo da cidade.

 

Os romanos, encontram-se no mesmo campo dos gregos, contribuindo para esmagar a coligação formada por Etruscos e Cartagineses, contra as cidades gregas do Ocidente.

 

 

Penso: sonolenta

PublicadoPor lazulli às 16:03
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos

*UmaPequenaHistória


* Lazulli

* Adicionar

. 8 seguidores

*Procurar

 

*Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


*Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

*DadosRecentes

* Do ano 303 ao ano 395 d.c...

* Do ano 69 ao ano 97 (1000...

* Do ano 61 dC ao ano 68 dC...

* Ano 2 d.C (1000 anos de h...

* 1000 anos a.C. (70 a.c. ...

* 1000 a.C (87 a.c. a 80 a....

* 1000 a.C (92 a.c. a 88 a....

* 1000 a.C. (134 a 122)

* 1000 a.C. (144 a.c. a 136...

* 1000 a.C (154 a 145)

*Arquivos

* Março 2016

* Fevereiro 2010

* Outubro 2009

* Julho 2009

* Fevereiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Julho 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

*tags

* todas as tags

*AcrescentosHistóricos

ANO 147 a.C. ANO 153 a.C.

*PartilharConhecimento

* PartilheConhecimento

*Bibliografias

Os Lusitanos - No contexto Peninsular História de Roma Estrabão, III, 3,7 Polibio, XXXIV

*visitas

contadores
contadores