Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2008

1000 anos a.C. (70 a.c. a 61 a.c.)


Ano 70 a.C. - Nascimento em Mântua, sob o consulado de Crasso e Pompeu, de Virgílio (Publius Vergilius Maro).
* Volta-se, nos pontos essenciais, à ordem de coisas existentes antes da restauração de Sila. A multidão da capital é novamente alimentada pelo tesouro, isto é; pelas províncias. O poder dos tribunos dá de novo aos demagogos a facilidade de agitar o Estado; a nobreza de dinheiro entra novamente em posse dos arrendantes das rendas e do controle judiciário sobre os arrendamentos.
* Nos últimos dias deste ano, Pompeu entrega seu consulado e retira-se dos negócios públicos, após o licenciamento de seus soldados.
* A condenação de C. Verres, este ano, após três anos de desgoverno na Sicília, ocorre apesar da obstrução por parte dos optimares. Neste famoso caso o processo é liderado por Cícero, cujo discurso cantra Verres continua a ser considerado uma das mais duras acusações de malversão oficial de todos os tempos.
* Mitridates é expulso da província da Ásia por Lúculo.
* Pompeu e Crasso unem esforços e embora suspeitem um do outro, decidem candidatar-se em conjunto aos consulados deste ano. Pompeu não está legalmente qualificado para o cargo, pois tem apenas 36 anos e não exerceu qualquer outra magistratura (nem sequer é ainda membro do Senado). Por esta altura Pompeu é já uma figura imensamente poderosa, popular, dotado e bem-parecido.
* Crasso e Pompeu tornam-se consules graças à popularidade de Pompeu junto do exército e ao dinheiro de Crasso. Antes de tomar posse do lugar, Pompeu perante a Assembleia afirma solenemente a sua fidelidade ao Programa Democrático. E, com efeito, os dois novos democratas introduzem logo que entram em funções uma série de Reformas Politicas de acordo com o Programa do Partido. A autoridade do senado é de novo limitada e aos tribunos do povo são concedidas as suas antigas prerrogativas, precisamente as que Sila lhes retirara. Desaparecem assim quase todas as Reformas de Sila. O povo aplaude o regresso à liberdade e canta louvores a Pompeu o seu benfeitor. Com 35 anos Pompeu torna-se o primeiro dos Romanos.
* “Não existe um local, por mais afastado que seja, onde as arbitrariedades e a opressão de Roma não penetrem”, diz Cícero no discurso contra o explorador Verres, proconsul e pesadelo dos Sicilianos. Este discurso pronunciado este ano por C. Cícero, apresenta queixa contra Verres, em nome de quase toda a população Siciliana.

Ano 69 a.c. -
Novas famílias de origem italiana acedem, com Augusto, a posições de destaque no Senado e a cargos públicos criados para homens da Ordem Equestre. M. Sálvio Otão, filho de um cavaleiro, pertence a uma velha família Etrusca e entrou para o Senado no tempo de Augusto; o seu filho torna-se Imperador este ano. Do mesmo modo, Vitélio, outro dos imperadores deste ano; descende de P. Vitélio de Nucéria, na Campânia, que fora procurador de Augusto.
* Cleópatra VII, nasce este ano, no seio da família Macedónia dos Lágidas, filha de Ptolomeu Auletes.

Ano 68 a.c. (686) - Veleda, profetisa e inspiração de Brúcteros, uma tribo transreana, toma parte na revolta de Civilis.
* Antídio Veto, novo governador da H. Ulterior, trás no seu estado-maior, Júlio César, questor. Júlio César visita o templo de Hércules na ilha de Sanctipetri, ao largo de Cádis, e lamenta-se, diante de uma estátua de Alexandre Magno que ali vê, por não ter ainda realizado nada notável com 32 anos, idade em que o rei da macedónia já tinha conquistado meio mundo.
* Lúculo está numa situação difícil e cada dia mais perigosa. Apesar de seus brilhantes sucessos, não está Roma contente com ele. O Senado ressente-se da independência da sua conduta; o partido dos capitalistas, que ele desprezou, faz todos os esforços pela intriga e pela calúnia para chamá-lo de volta.

Ano 67 a.c. - Embora pareça ter feito as suas primeiras conversões entre as tropas de Pompeu durante a campanha contra os piratas da Cilícia e Comagerne, neste ano, o Mitraísmo não se estabelece no Ocidente senão muito mais tarde.
* Quando o fornecimento de trigo à cidade de Roma começa a escassear, a opinião pública exige medidas que levam, este ano, à nomeação de Pompeu para um comando especial contra os piratas. São-lhe atribuidos vastos poderes e recursos imensos em homens, dinheiro e abastecimentos. No prazo de 3 meses Pompeu livra completamente os mares dos piratas, façanha verdadeiramente assombrosa de organização táctica.
* Por causa dos piratas, o povo romano começa a protestar ruidosamente e os governantes são constrangidos a admitir que a dignidade do Estado exige o castigo desses bandidos. Para acabar com uma situação tão vergonhosa, um tribuno da plebe propõe este ano que se invista o grande Pompeu de poderes excepcionais não só no mar, mas também em todas as regiões costeiras do império romano. São entaão postos à sua disposiçao, cerca de 130.000 homens e 500 navios de guerra. Além disso é autorizado a levantar dinheiro dos cofres da capital e das províncias. O Senado opõem-se firmemente a semelhante proposta, pois não deseja que um poder tão grande seja colocado nas mãos de um só homem. Os senadores põem em prática todos os meios imagináveis para isso. Um dos optimates mais acérrimos pronuncia mesmo na Assembleia, um pungente discurso. Não devia arriscar-se a preciosa existência do grande Pompeu: “Que se passaria se o perdêssemos? Que outro general o poderia substituir?” “Tu”, respondem em uníssono os membros da Assembleia. O orador cala-se, admitindo a sua derrota. E a proposta é aceite apesar da persistente resistência dos Senadores. Pompeu recebe assim uma autoridade quase igual à de um rei. A rapidez com que Pompeu acaba com a pirataria ultrapassa todas as esperanças.

Ano 66 a.c. - Este ano, o tribunato C. Marúlio propõe que o mandato de Pompeu seja prolongado para lhe permitir pôr fim à guerra ciontra Mitridates, que continua em liberdade. A proposta de C. Marúlio, apoiado por Cícero (pretor) é aprovada por maioria esmagadora e o infeliz Lúculo cede o passo a Pompeu.
Catilina, líder do partido popular, inicia uma conspiração contra o Senado e a República. A conjuração de Catilina possui um programa revolucionário que prega a anulação das dívidas, a proscrição da nobreza senatorial e a realização de uma reforma agrária. Cícero, cônsul romano, denuncia ao Senado a conjuração de Catilina através de uma série de discursos, as Catilinárias. A descoberta da conjuração abriga Catilina a fugir de Roma, sendo morto, mais tarde, juntamente com três mil partidários na região de Pistóia.
* O fanatismo religioso e a esperança de que um messias haveria de trazer a libertação politica levam à sublevação geral contra Roma, este ano.
* A insurreição generaliza-se. Os nacionalistas ocupam Jerusalém, expulsam os colaboradores dos romanos, em particular o rei Agripa e o sumo sacerdote, e libertam a Palestina. Um exército de que é chefe Flávio José, autor de uma “História dos Judeus”, põe-se em pé de guerra para resistir a qualquer expedição romana.
* Archotes voadores sobre Roma.

Ano 65 a.c. - Chega ao fim o principado Macabeu, quando por obra de Pompeu, Roma anexa o que resta do Reino Seleucida e colocando no trono de Israel o Idumeu Herodes como homem de confiança,  de modo que Israel, se converte num dos Estados satélite de Roma, formando parte no Oriente “cordão protector desta.”
* A partir deste ano a Palestina faz parte do Império Romano

Ano  63 a.c.- Devido à conspiração de Catilina, em Dezembro, Cícero, depois de ter feito executar os seus cumplices, volta a sua casa entre aclamações populares, imaginando que reconstituiu unicamente pela força da sua palavra ao serviço da lei, a unanimidade da pátria.
* Fim de Mitridates Mitridates VI do Ponto, derrotado por Sila, Lúculo e Pompeu, em sucessivas campanhas, acaba por se suicidar este ano.
* Archotes voadores sobre Roma.
* Início de reinado de Augusto (Caio Júlio César Octaviano), vencedor da guerra civil que se seguiu à morte de César.
* Através do reino dos Selêucidas avança o general romano Pompeu na direcção da Palestina. Após um cerco de 3 meses, as legiões romanas entram em Jerusalém este ano. Judá converte-se numa província romana.
* César (Caius Julius Caesar) este ano, obtem o cargo vitalício de grande pontíficie, o que lhe confere um prestígio considerável.
* Octávio (Augusto - Caius Julius Caesar Octavianus) nasce em Roma este ano, de família modesta.
* Pompeu destrói Jerusalém depois de um cerco de 3 meses. Valendo-se do seu título de vencedor, entra no Templo para contemplar o “idolo” judeu. A judeia torna-se provincia romana e os hebreus são incluídos no vasto círculo da Pax Romana: rei, principe e sacerdotes são colocados sob a autoridade directa do governador da Síria.
* Crasso e César apoiam a proposta de um Tribuno para a compra de terras em Itália e nas provincias para a fixação dos pobres e dos veteranos das campanhas de Pompeu, que estão então a terminar, mas a lei é recusada com exito por Cícero, alegando que é uma ameaça aos interesses de Pompeu, pelos quais pretende zelar. As actividades de Crasso e César levantam profundas suspeitas nos circulos conservadores e há sinistros rumores de conspirações e ameaças à ordem pública. O principal alvo de tais recios é contudo um patrício desacreditado, chamado L.Sérgio Catilina, que se canditdata ao Consulado este ano com a promessa de uma Reforma Agrária e do cancelamento das dívidas. Esta ameaça leva as classes prósperas a unirem-se no apoio a um candidato rival, Cícero, que é triunfalmente eleito apesar de ser um “homem novo”.
* Uma crise violenta explode entre o judaismo oficial e os monges essénios: um mestre de justiça é executado e alguns membros do agrupamento refugiam-se em Damasco. Voltam ao Qumrân, quando a ocupação da Palestina pelos romanos de Pompeu, este ano, lhes permite nada temer dos seus adversários.
* Antípater via um acordo com roma, pelo qual sua família e outras insignes famílias prosperam sob a protecção romana, como muito preferível a uma guerra civil.Assim ese ano, chega a um acordo com o general romano Pompeu e a Judeia torna-se um estado-cliente romano.
* Este ano a Palestina é conquistada por Pompeu e transformada em província do Império Romano.
* Mitridates quer morrer como viveu, e manda seu harém tomar veneno; suas mulheres, suas concubinas e suas filhas, e entre estas últimas a jovem noiva do rei do Egipto e de Chipre, tiveram de sofrer a morte antes que a taça de veneno chegasse a ele, e como o veneno não agia com bastante rapidez, fez-se matar, por um soldado Celta, betuito. Assim morre este ano Mitridates Eupator, com a idade de 68 anos, depois de ter reinado 67 anos. Foi o posto avançado do Oriente contra o Ocidente, e deu início à
luta do Oriente contra o Ocidente. Tanto os vencedores como os vencidos compreenderam a sua morte não como o fim, mas sim o começo dessa luta.
* Pompeu manda as suas legiões invadirem a Palestina.
* M. Túlio Cícero, oriundo de uma família abastada de Arpinum, devido em grande parte ao seu extraordinário poder orador, chega ao consulado este ano e é um membro proeminente do Senado. Principal figura intelectual da sua geração Cícero escreve não apenas dois discursos mas também tratados de retórica e de filosofia.
* Pompeu conquista jerusalem.
* Tal como sucedeu noutros lados, a sorte bafeja Pompeu na Síria. Diante das muralhas de Jericó sabe que daqui em diante Roma está livre do seu mais temido inimigo. O velho Mitridates instalado nas margens do mar Azov e um dos seus filhos, que aqui instituíra um reino, obriga seu pai a suicidar-se. Este filho, Fárnaces, considera que lhe vale mais prevenir do que remediar e revolta-se imediatamente contra o velho déspota. Encerra o pai no palácio real. das muralhas do castelo, o velho suplica a seu filho que não suje as mãos com o sangue paterno. As suas suplicas não encontram, nenhum eco em Fárnaces. O pai compreende que está perdida toda a esperança por isso obriga as suas mulheres, a sua concubina que o acompanhara na sua fuga disfarçada de homem e as suas filhas entre as quais se encontra as esposas dos reis do Egipto e de Chipre, a esvaziarem a taça de veneno antes que ele próprio a leve aos lábios. Mas como ele se tinha imunizado completamente contra os efeitos do veneno, este não produz efeito nenhum, ordena portanto a um soldado que lhe corte a cabeça.Assim morre Mitridates, com 68 anos este ano. Todo o mundo romano solta um suspiro de alívio.



Ano 62 a.c. (692) - No começo do ano, os cadáveres dos soldados de Catilina (contam-se três mil) cobrem as fileiras exactas da terra em que combateram; os oficiais e o general, no momento em que tudo está perdido, jogam-se sobre o inimigo. Procuram e encontam a morte.
* Quando E. Sérgio Catalina volta a falhar as eleições deste ano, tenta preparar um golpe de Estado, mas a tentativa é frustrada por Cícero, que consegue mandar prender os cabecilhas antes de o terem levado a cabo.
* Nos finais do ano, Pompeu desembarca em Brundisium aí dispensa as suas tropas, para alívio de todos, e regressa a Roma para celebrar o seu triunfo. Espera-o uma decepção.
* Caius Julius Caesar é Pretor. A este título goza de preponderância na justiça e procura servir-se dela contra o Senado para evitar a morte dos cúmplices de Catilina, que tentam tomar o Poder pela força e que ele secretamente favorece.
* No outono Pompeu faz-se ao mar para a Itália, enquanto Roma se prepara para receber o novo monarca, anuncia-se que Pompeu, chegado a Brundúsio, dispersara as suas legiões e dirigie-se para a capital com fraca escolta.
* Deve ser o último ano da República e o primeiro da monarquia.
* O plano dos revoltosos é, no momento das eleições consulares deste ano, às quais Catilina se apresenta, assassinar o cônsul que os vigiaria assim como os que deviam suceder-lhe, assegurar a qualquer preço as eleições de Catilina, e levar num dado momento, de Fésulas e de outros pontos da reunião, tropas armadas contra a capital, e quebrar com elas qualquer resistência.

Ano 61 a.c. 693 - Júlio César volta à H. Ulterior, agora como pretor. Decide submeter definitivamente os povos da Beira interior que continuam intermitentemente a atacar as regiões vizinhas. Alguns povos do norte, põem a salvo as mulheres, filhos e haveres do outro lado do Douro. Sabendo que na sua retaguarda, os habitantes das montanhas preparam uma emboscada para quando regressasse, Júlio César toma outro caminho, e vem atacá-los mais tarde. Derrota-os e persegue-os até ao mar. Um grupo acossado pelos romanos, foge até ao litoral, e daqui procura refúgio numa ilha junto à costa. Júlio César embarca algumas tropas que atacam a ilha, mas, tendo uma corrente afastado as jangadas para o largo, os primeiros legionários desembarcados não podem receber reforços e são mortos pelos Lusitanos, salvando-se apenas Públio Ceva, fugindo a nado.  Uns dias mais tarde Júlio César recebe naves vindas de Cádis, e ocupa sem dificuldade a ilha. A frota ruma então para norte, até à Corunha, antes de voltar a Cádis.
* Pompeu regressa do Oriente e entra triunfalmente em Roma. A República mantem-se de pé. Nunca até aqui um candidato à coroa teve tantos trunfos nas mãos como Pompeu. pPmpeu pisou o solo pátrio em Brindes, mal desembarca toma uma decisão que enche o povo de espanto,. licencia o seu exército deixando aos legionarios a liberdade de regressarem ao lar.
* O servilismo democrático não se satisfaz com o cortejo triunfal que, em 28 e 29 de setembro deste ano, quadragésimo sexto aniversário do nascimento de Pompeu, percorrre as ruas de Roma, realçado por uma infinidade de insígnias reais de Mitridates e dos filhos dos três mais poderosos reis da ásia, Mitridates, Tigranes e Fraate; concedeu ao seu general, que vencera vinte e dois reis, hontrarias reais, permitindo-lhe usar durante toda a vida a coroa de ouro e as insignias.

fotosdanet-Veleda,Virgílio,César,Cleopatra,Discurso,Catilina,Miktridates,Natal


PublicadoPor lazulli às 13:17
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Sexta-feira, 7 de Novembro de 2008

1000 a.C (92 a.c. a 88 a.c.)

 

Ano 92 a.C. - Este ano, P. Rutílio Rufo, é condenado por extorsão, por um júri de cavaleiros, após ter tentado pôr cobro, aos abusos dos publicanos, na província da Ásia. Este caso é muito conhecido e o primeiro deste tipo.

 

* Impetuosos e inexperientes nas negociações com o Velho Mundo, os romanos rejeitam este ano, a oferta de aliança de Mitridates II, um monarca cujo império se estende para além do Indo e que, 20 anos antes, fez um acordo comercial, com o imperador da China.

Ano 91 a.C. -
A causa da emancipação dos habitantes da Itália é tomada em consideração pelo tribuno M. Lívio Druso, como parte de um programa mais vasto que inclui propostas de colonização agrária em Itália e nas províncias e uma reforma dos tribunais. As tentativas de Druso para obter um amplo apoio são absurdas, conseguindo apenas, despertar uma hostilidade generalizada. A proposta de estender a cidadania romana não tem qualquer hipótese. A morte do seu apoiante mais influente, o orador L. Crasso, deixa Druso politicamente isolado; as suas leis são anuladas pelo senado, com base num pormenor técnico legal, e, no final deste ano, é, assassinado, em circunstâncias misterioras. Para os aliados que tinham posto todas as suas esperanças em Druso, esta é a última gota. Antes do fim do ano, estala uma revolta armada.
* O conflito, conhecido por Guerra Social ou Mársica, é feroz e os romanos só conseguem a vitória militar reconhecendo a derrota política.
* A Guerra Social (Guerra dos Aliados) começa este ano. No seguimento da recusa persistente, por parte de romanos, de atribuir o direito de cidadania aos seus aliados italianos.
* Os insurrectos constituiram-se em Estado independente chamado Itália, com a capital em Corfinium. A revolta centrou-se nas regiões meridional e central da peninsula, e envolveu povos de língua osca dos Apeninos Centrais. Especialmente os Marsos), os Samnitas e os Lucanos, e a cidade de Asculum, em Piceno. À excepção de Venúsia, as colónias latinas, assim como as cidades gregas, permanecem fiéis a roma. Os Etruscos e os Úmbrios abstêm-se até à fases finais da guerra e são os primeiros a aceitar a cidadania romana nos termos da lex julia.

Ano 90 a.C. (664) - O cônsul L. Júlio César aprova uma lei concedendo cidadania romana a todas as comunidades legais e a quaisquer outras que deponham as armas.
* Júcio César, é cônsul este ano.
* As cidades da Apúlia passam para o lado dos insurgentes este ano.
* A Campânia Camplânios (Itália), é invadida por forças insurgentes este ano, mas é em grande parte retomada por Sila, que cerca Nola e chefia uma marcha vitoriosa para Salermo.
* P. Licínio Crasso não consegue conquistar a Lucrânia, que se junta aos revoltosos este ano.



Ano 89 a.c. (665) -
Este ano um Pretor romano, imprudentemente, provoca um ataque a Mitridates, que retalia invadindo a província da Ásia e ordena o massacre de todos os romanos ali residentes. A guerra já está quase terminada, com exepção de alguns focos de resistência no sul.
* Mal é resolvida a crise italiana quando chegam notícias de um desastre nas províncias orientais.
* O poderoso rei Mitridates é do reino do Ponto
* Os Etruscos e os Úmbrios abstêm-se na Guerra Social até esta fase final e são os primeiros a aceitar a cidadania romana nos termos da lx julia.
* O governo romano invocado pelos reis Ariobarzanes e Nicomedes em pessoa, manda à Ásia Menor, para ajudar Lúcio Cássio que ali governa, o consular Mânio Aquílio, oficial que deu provas de capacidade nas guerras dos Cimbros e da Sicília, não como general no comando de um exército, mas como embaixador. Embora nem o senado romano, nem o rei Mitridates, nem o rei Nicomedes tivessem desejado um rompimento, Mânio Aquílio procura-o e a Guerra estoura, no fim do ano.

 

* Desde a guerra dos persas jamais houve forças comparávceis às de Mitridates. Sem contar o exército Armênio auxiliar, entra em campanha com duzentos e cinquenta mil infantes e 40 000 cavaleiros, e trezentos navios e 100 embarcações menores, cruzam o mar.
* Este ano, o privilégio das concessões daddas pelos romanos a todos os seus aliados que se permanecerem fieis, é alargado às cidades que deponham as armas no prazo de dois meses. Roma abre assim uma brecha nas fileiras rebeldes o que lhe permite reprimir a revolta. No entanto os italianos do sul nem querem ouvir falar numa reconsiliação com Roma, arranjando um aliado a oriental.
* Q. Pompeio Estrabão, cônsul, captura e destrói o centro rebelde de Auscultum após um longo cerco nos finais deste ano, e invade então o território Pelignio, os insurgentes abandonam Corfinium na Itália e retiram-se.



Ano 88 a.c. (666) - O rei Mitridates VI, ordena um massacre de todos os romanos da província da Ásia ali residentes. 80.000 pessoas são mortas.
* Por esta altura romanos e italianos estão espalhados pelas províncias romanas na qualidade de cobradores de impostos, comerciantes, prestamistas e preoprietariuos de terras. Na própria província da Ásia muitos dos italianos residentes têm empregos nas Companhias Publicanas, a que a lei de Caio Graco concedera o direito de cobrar os impostos directos. As depredações são notórias e provocam o ódio da população autóctone, que de boa vontade colabora com Mitridates desta matança.Este consegue desempenhar o papel de libertador dos gregos contra os odiados romanos inimigos comuns de toda a humanidade”.  No fim deste ano, as suas forças tinham já tomado o Egeu e invadido a Grécia.
* A tarefa de comandar um exército romano para lutar contra Mitridates é atribuida a um dos cônsules deste ano, L. Cornélio Sila, nobre sem principios nem escrupulos, originário de uma antiga família patrícia (um dos seus antepassados foi o célebre Rufino). Sila mostrou s suas capacidades como um dos lugar-tenentes de confiança de Mário nas campanhas de África e da Germânia e ganho reputação como comandante na Guerra Social. Está portanto qualificado para a tarefa de defrontar Mitridates. Esta decisão é uma decepção para Mário, que ainda é influente e esperou que lhe fosse atribuido o comando. A opinião generalizada é de que a vitória sobre Mitridates será ao mesmo tempo fácil e lucrativa, e Mário fica irritado por o prémio ir para Sila, com quem se tinha desavindo uns anos antes.
* Os descontentes chamam à frente do Estado, Lúcio Cornélio Cina, até aqui praticamente desconhecido: sabe-se somente que ele se distinguiu como oficial na Guerra Social.Quando Sila, cedendo não às Colégio dosTribunos, propõe imediatamente os projectos de lei que foram combianados no propósito de uma reacção parcial contra a restauração imaginada por Sila este ano. Estas propostas compreendem a igualdade política dos novos cidadãos e dos libertos, tal qual Sulpício quisera, e o restabelecimento dos que haviam sido reduzidos, em consequência da Revolução Sulpiciana, a seu primeiro estado.
* Este ano Mitridates VI do Ponto, consegue avançar pela  província da Ásia e ocupar as ilhas do Egeu, apresentando-se como libertador e explora o ódio que os gregos têm aos romanos.
*Este ano massacre dos romanos na Ásia.
* As cidades de Apúlia são reconquistadas por Q. Metelo ste ano. Entre elas está Venúsia, única colónia latina que se uniu à causa italiana de sua livre vontade.
* Mitridates organiza secretamente uma insurreição de todo o Próximo Oriente, e num dia deste ano, em todas as cidades romanas e outros Itálicos residentes foram massacrados em condições atrozes.
* Este ano o tribuno do povo Públio Sulpício Rufo faz aos cidadãos as seguintes propostas: estipular-se que qualquer senador que deva mais de 2.000 denários perde sua cadeira no Senado; conceder-se a liberdade aos cidadãos condenados por outras cortes que não as dos jurados; distribuir os novos cidadãos em todas as tribos, e conceder aos libbertos o direito de votar em todas elas. Estas propostas encontram resistencia na maioria do Senado. Sulpício responde por um tumulto violento. O senado é obrigado a ceder e as propostas de Sulpício passam sem oposição. Para evitar o golpe que previa, concebe  Sulpício o propósito de tomar de Sila o Comando Supremo. Por seu designio Caio Mário é por decreto do povo, investido do poder supremo extraordinário (proconsular) obtendo assim o exército da Campânia e a direcção da guerra contra Mitridates. Sila não se rende a esta intimidação.
* No começo da primavera Mitridates toma a ofensiva. A cavalaria Bitínia, vencida, debanda. Uma divisão romana é derrotada em Capadócia. Os helenos e os asiáticos, juntam-se para acolher com alegria o libertador. De Éfeso, o rei manda a todos os governadores e a todas as cidades colocadas sob seu domínio a ordem de matar, no mesmo dia, a todos os italianos que se encontrem dentro de suas muralhas, livres ou escravos, sem distinção de sexo nem de idade.  Este crime prejudica os intereses do rei, pois obriga o senado romano a prosseguir energicamente a guerra. Mitridates dirige ainda um ataque contra a Europa. Seu filho Ariarates penetra na Trácia, na Macedónia fracamente defendida, subjugando a região,  dividindo-a em satrapias do reino do Ponto. A Eubéia sofre destino semelhante. Na Grécia propriamente dita Mitridates prossegue suas operações não só pelas armas mas também pela propaganda Nacional. Desde que as tropas de Mitridates põoem os pés no ContinenteGrego, a maior parte dos pequenos estados livres, os Aqueus, os Lacônios, os Beócios e até a Tessália, juntam-se a ele.

Atena

Mitridates II

Guerra Social

PovosQueLutaramContraOsRomanosNestaFase

Mitridates VI

e

O Monte Palatino, é claro! Claríssimo!

(todasasimagensforamretitadasdanet)


Domingo, 19 de Outubro de 2008

1000 a.C. (134 a 122)


Deus Júpiter

Ano 134 a.c. (620) - Graco anuncia a intensão de se candidatar a um novo mandato, fazendo alusão a nova legislação, provoca consternação geral e é acusado de regnum. No dia da eleição, alguns dos principais senadores e seus fiéis acompanhantes tentam interromper a Assembleia, e no tumulto daí resultante, Tibério Graco e 300 dos seus apoiantes são mortos. Segue-se uma caça às bruxas generalizada, em que muitos dos simpatizantes de Graco são condenados por um tribunal especial criado pelo Senado. A Sacrossanta imunidade dos tribunos foi violada e o conflito político termina, pela primeira vez na história da República Romana, num banho de sangue.
* No dia 10 de Dezembro deste ano, Graco é empossado no tribunato do povo. Desde que tomou posse do cargo, propôs a apresentação de uma lei agrária, que, sob muitos aspectos, não é outra coisa senão a renovação da lei Licínia Séxtia do ano 387. Por esta lei, as terras do Estado que são ocupadas sem pagamento pelos donos que delas usufruírem, devem ser retomadas pelo Estado. Mas, com a restrição de que cada ocupante reservará para si 500 jeiras, e para cada filho 250 (até o máximo de 1000 jeiras, no total).
* Este ano, fala-se do incêndio de uma nova estrela (estrelas novas) ou novae.
* As comédias de Terêncio encontram a mais violenta oposição no público que acha intolerável a sua linguagem sem graça e a “fraqueza de seu estilo”. Terêncio vence: até na literatura a oligarquia era toda poderosa, e a comédia artística dos privilegiados suplantou a comédia do povo. Vemos por volta deste ano, as peças de Plauto desaparecerem do reportório. O estilo de composição de Plauto enraizara-se na burguesia romana.
* O terceiro filho de Simão, João Hircano, que lhe sucede e inicia o reinado.
* Cipião queima o trigo aos Lusitanos, que não pode levar consigo, evitando que os Numantinos se abasteçam.
* A aristocracia em Roma, governa exclusivamente.


TibérioGraco

CipiãoEmiliano

LutaEmNumância
Ano 133 a.c. - Os Romanos capturam a praça forte de Numância.
* Espanha, colónia de Cartago, só é dominada integralmente por Roma este ano, quando estes a submetem integralmente os Celtiberos.
* Um dos menos edificantes capítulos da história romana chega ao fim este ano, quando Cipião Emiliano (neto adoptivo do vencedor de Zama), conquista e destrói Numância, principal fortaleza dos Celtiberos. Continuou, no entanto, a ser necessária uma presença militar permanente e o canto noroeste da Hispânia continuou por conquistar até à época de Augusto.
* É evidente que no Mediterrâneo Ocidental os romanos se empenharam numa política agressiva, com o objectivo de aumentarem as suas possessões à custa dos “bárbaros” nativos. Isto levou a uma série quase interminável de guerras na Gália e na Hispânia.
* A segurança interna, as crescentes dificuldades de recrutamento e as péssimas condições de vida do proletariado rural foram os problemas que Tibério Graco se dispôs a resolver durante o seu mandato de tribuno, este ano. A solução por ele cuidadosamente planeada, uma única lei agrária, era de concepção simples, ostensivamente moderada na forma de efeito potencialmente revolucionário. Graco propôs restabelecer os camponeses despojados em parcelas de terrenos públicos. As terras necessárias deviam tornar-se disponíveis pela imposição do limite legal (500 ingera) à extensão das propriedades individuais do ager publicus e retomando, em nome do Estado, as terras que excedessem esse limite a tarefas de recuperação das terras seria levada a cabo por uma comissão de três homens, que depois as distribuíam, em pequenas parcelas, aos pobres. O que esta disposição tinha de positivo era o facto de não atacar os direitos tradicionais da propriedade privada, mas, pelo contrário, de afectar apenas os que já estavam fora da lei. Contudo, na prática, o projecto da lei de Graco constituiu uma grande ameaça para os interesses de muitos proprietários abastados e provocou uma intensa oposição. Por outro lado o apoio popular estava assegurado, sobretudo entre os camponeses pobres, que afluíram em massa a Roma para votar o projecto. Uma tentativa para a vetar foi frustrada quando Graco fez expulsar o tribuno ofendido do seu cargo; a lei foi aprovada e a comissão devidamente constituída pelo próprio Tibério Graco, pelo seu irmão Caio e pelo sogro, Ápio Cláudio. Mas a oposição começou a ficar alarmada com as implicações políticas do que estava a acontecer. Graco tinha proposto a sua lei sem consultar o Senado, como era costume, ignorado o veto de um colega por meios possivelmente ilegais e estava a prestar serviço na sua própria comissão de terras.
* Este ano, o regente selêucida Antíoco Sidete recebe informação de seus conselheiros de que Jerusalem deve ser destruída e o povo judeu aniquilado porque é o único povo da terra que se recusa a assossiar-se com o resto da humanidade.
* Além disso, não hesita em fazer uso de um acontecimento inesperado que ocorreu aquando da morte de Átalo III, rei de Pérgamo, que legou o seu reino aos romanos. Imediatamente Graco decreta que esse legado deve ser aceite e os tesouros reais distribuidos entre os contemplados com parcelas de terra, para os ajudar a aprovisionar as suas quintas. A oposição fica escandalizada com esta interferência sem precedentes no controlo tradicional das finanças públicas pelo Senado.
* Tibério Graco é eleito tribuno da plebe e consegue a aprovação de uma lei agrária que limita a extensão dos latifúndios da nobreza e autoriza a distribuição de terras para os desempregados. Esta lei é uma tentativa de reconstruir a classe dos antigos camponeses romanos através da divisão da terra e da restauração da pequena propriedade agrária.
* Roma substuiu-se gradualmente aos reis. Um deles, Átalo III, que reina no país de Pérgamo (onde se situavam as recordações trioanas), concede aos romanos a herança do seu reino este ano.
* Roma anexa parte do império selêucida, este ano, a dinastia dos atálias extingue-se com o rei Átalo III. É evidente que este deixa o reino aos romanos. A legalidade desta herança é assaz contestável. Mas que importa isso a Roma  a Asia Menor torna-se a primeira provincia romana do oriente e recebe o nome de Ásia.

* Cipião não é capaz de pôr termo às desgraças do exército da Península Ibérica. Os soldados, desmoralizados, são incapazes de conquistar Numância. A única solução é estabelecer um bloqueio e esfaimar a cidade. Também foi assim que Cartago acabou vencida. Cipião instala, 60 000 homens à volta da cidade, que conta no máximo com 8 000 defensores. A situação de Numância em breve se torna tão desesperada que se verificam casos de antropofagia entre os cidadãos. A fome quebra o orgulho dos habitantes. Este ano a cidade rende-se. Muitos cidadãos suicidam-se para não caírem nas mãos dos legionários. Numância é arrasada e o seu vencedor passa então a chamar-se Públio Cornélio Cipião Emiliano Africano Numantino. Toda a Península Ibérica é agora território romano, excepto as inacessíveis montanhas do Norte. Roma estende o seu poder até ao oceano Atlântico. A língua latina e a civilização romana implantam-se na Península Ibérica.
* O jovem Tibério Graco, ardente patriota, vê uma solução para a miséria social. Não tem de modo algum intenção de derrubar a República, mas pretende reformá-la por meio de reformas. Também não deseja entregar o poder ao proletariado, pelo contrário, pretende abolir este último, fazendo de cada proletário um proprietario agrícola. E, este ano faz-se eleger tribuno da plebe para poder realizar os seus projectos. Uma lei muito antiga estipula que ninguém pode possuir mais de 1 250 000 metros quadrados de terras do Estado. Tibério Graco, propõe a aplicação desta lei, embora aumente esse máximo para o dobro. O resto será dividido em pequenos talhões de 75 000 metros quadrados cada um, que reverterão para os cidadãos pobres. E para que estas pequenas propriedades não possam ser readquiridas pelos grandes domínios, não podem ser vendidas mas unicamente transmitidas por herança. A proposta provoca um clamor de indignação entre os grandes proprietarios. Mas os pobres comprimem-se aos milhares na assembleia para aí ouvirem a boa nova.



Ano 132 a.C. - Os grandes proprietários rurais opõem-se à aplicação da lei agrária e este ano, Tibério Graco, acusado de aspirar ao poder real, é assassinado com mais de 500 partidários.
* Este ano, na Sicília, os romanos conseguem acabar com a sublevação dos escravos Sicilianos e eliminam mais de 200 000 rebeldes.
*Nascimento de Mitridates VI, do Ponto.

 

 


RuínasDeNumância
Ano 129 a.C. ( 625) - É pela influência de Cipião Emiliano que, um decreto do povo passa à jurisdição o poder, e entrega aos cônsules a decisão sobre a questão de especificar o que é possessão do Estado ou possessão particular.

Ano 128 a.c. - Era tal a origem da excomunhão feroz com que os judeus feriam os Samaritanos, que a sua capital, é totalmente arruinada por João Hircão.
* A luta social faz uma nova vítima. O célebre Cipião-o-Africano, o Moço, que voltara de Numância pouco depois da morte de Tibério Graco, casara com a irmã do assassinado e é tido como um partidário moderado das reformas do tribuno. Espera muito mais dos aliados italianos do que do proletariado urbano de Roma. E toma o partido dos aliados e ataca asperamente as atribuições da comissão de partilha. Deste modo atrai sobre si o ódio do partido popular e Caio Graco declara-o abertamente tirano. Numa manhã deste ano, o vencedor da Península Ibérica é encontrado morto no seu leito. Assim morre o maior general e homem de Estado que Roma possui, um homem a quem todos reconhecem honestidade, desinteresse e sentido de justiça. Morre aproximadamente com a mesma idade que o seu grande homónimo.

Ano 126 a.C. - Roma exige e obtém garantias por parte de Asdrúbal de que os Cartagineses confinariam as suas actividades à região a sul do rio Ebro.

Ano 125 a.C. - Moeda de C. Metelo este ano, representa Júpiter num carro puxado por elefantes.

Ano 124 a.C. - Conquista romana da Provença. Entremont, santuário dos Sálios, é destruído pelos Romanos.
* Um exército romano derrota os Sálios, tribo celta (pelo menos em parte) que está em hostilidades com Massília.

Ano 123 a.C (691) - Eleição de Caio Graco para tribuno da plebe e retoma o projecto de reforma agrária. Para obter o apoio dos cavaleiros, faz aprovar uma lei judiciária que vai aumentar a participação desta classe na administração do Estado. Consegue também a aprovação da lei frumentária que obriga o Estado a vender o trigo a baixo preço para os cidadãos mais pobres.
* A supressão da pirataria, que encontra perigosos covis nas Baleares, pela ocupação dessas ilhas por Quinto Cecílio Metelo, este ano, serve muito para aumentar a prosperidade do comércio espanhol.  Apesar de sérias desordens em seus confins, a Espanha é a região florescente e a mais bem organizada das possessões romanas. O sistema dos dízimos ainda é aqui desconhecido. A população numerosa e o país rico em trigo e em gado.

Ano 122 a.c. (632) -
Nos finais deste ano, Graco vai perdendo gradualmente o seu apoio.
* No fim de seu segundo tribunato, Graco, propõe dar aos latinos o direito de cidadania e, aos outros italiotas, os direitos até aqui reservados aos latinos. Mas o propósito fracassa diante da oposição combinada do senado e da massa popular dominante. A aristocracia concebe o plano de guerrear em seu próprio terreno o autor das generosas doaçoões de trigo e de terras.

 

 
































(De 134 a 104 a.c.) - JOÃO HIRCANO (rei Hasmoneu)

Os membros da comunidade de Qumran deferem-se como os filhos da luz, título que Deus lhes concedeu ao escolhe-los para servi-lo e conduzir o combate contra os filhos das Trevas.

A sua doutrina religiosa é fundamentalmente dualista. estão convencidos de que Deus entregou momentaneamente o mundo às forças do mal, mas que nos fins dos tempos o Espírito de Verdade, atrás do qual se enfileiraram os Filhos da Luz, acabará por triunfar sobre o Anjo das Trevas. Os membros da sua seita põem todos os seus bens em comum, após um período de iniciação. Vivem em grupos de dez ou doze e tomam as suas refeições em conjunto. Consideram que a sua comunidade é uma resposta ao apelo de Isaías-40,3; "Preparei no deserto um caminho para o Senhor."

Juno e Júpiter

moeda de João Hircano

Átalo III

(todasasimagensretiradasdanet)


PublicadoPor lazulli às 09:44
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quarta-feira, 17 de Setembro de 2008

1000 a.C (154 a 145)

Ano 154 a.C. - Púnico vence Calpúrnio. Calpúrnio perde 6000 homens, e entre eles o seu questor Terêncio Varrão. Ajudado pelos Vetões, uma tribo vizinha pela parte do oriente, Púnico desce sobre a Andaluzia e alcança uma cidade mediterrânica e põe-lhe cerco. Foi aqui morto por uma pedrada lançada pelos sitiados, mas os Lusitanos tomam por chefe a Césaro e continuam a guerra.

Ano 153 a.C - O pretor Lúcio Múmio perde contra Césaro uma poderosa batalha onde deixa 9000 mortos. Os Lusitanos, que arrebatam estandartes romanos, passeiam-nos pela Celtibéria, incitando  à luta as tribos desta região. Comandados por Cauceno, os lusitanos, atacam o Algarve e tomam Conistorgis. Passam à África e assaltam Okile, onde são destroçados por Múmio.

* Aliança lusitana entre Púnico, Caisaros, Caunceno e Vetões.
Os Lusitanos de Caisaros, vencem Mummio.
Os Lusitanos conquistam a sul, Conistorgis.
Os Cuneus Tornam-se súbditos de Roma.
• O pretor Lúcio Múmio perde contra Césaro uma poderosa batalha onde deixa 9000 mortos. Os Lusitanos, que arrebatam estandartes romanos, passeiam-nos pela Celtibéria, incitando à luta as tribos desta região. Comandados por Cauceno, os lusitanos, atacam o Algarve e tomam Conistorgis. Passam à África e assaltam Okile, onde são destroçados por Múmio.
(História de Roma)
- Os Lusitanos "Comem sentados em bancos, dispondo-se entre segundo as idades e dignidades, os alimentos circulam de mão em mão, enquanto bebem, dançam os homens ao som de flautas e trompetas, saltando alto e caindo de joelhos (...)
Os homens vestidos de preto, na sua maioria com mantas de lã (sagas). As mulheres de vestido com adornos florais".

Ano 152 a.C. - Este ano os selêucidas abandonam sua tentativa de helenizar Judá pela força e reconhecem Jônatas, agora chefe de família, como sumo sacerdote, uma função que os hasmoneanos devem exercer por 115 anos.
* Veem-se fios de virgem em veii
* O pretor Marco Atílio substituiu Múmio este ano e consegue tomar uma grande cidade lusitana: Oxthracas. M. Marcelo, governador da Citerior, vem em seu auxílio e derrota dos Lusitanos.


Ano 151 a.C. - Sérvio Sulpício Galba, massacra milhares de lusitanos depois destes se terem, rendido, é absolvido em julgamento, embora a sua culpabilidade seja palpável. Muita pouca gente em Roma se preocupa com o que acontece aos bárbaros.
* A nova guerra contra os Celtiberos termina este ano. Estas guerras Hispânicas causam grandes dificuldades e custos elevados aos romanos, assim como enormes desastres para os Hispanos, que sofrem inúmeras atrocidades.
* Sérvio Sulpício Galba é o pretor designado para a Hispânia Ulterior este ano. O seu primeiro recontro com os lusitanos dá-.se a norte de Carmona, lugar onde o pretor se acolhe depois da derrota, perdidos 7000 dos seus homens. Galba passa o inverno em Conistorgis, no Algarve.


Ano 150 a.C. - No fim do Inverno, as tropas lusitanas são vítimas de uma armadilha, sendo repelidas pelo pretor Sérvio Sulpício Galba, governador da Hispânia Ulterior. Para conseguir a vitória, Galba conta com o apoio de Luculo, governador da península Citerior.
* Por volta deste ano, uma sublevação Macedónia, sob o comando de um pretendente chamado Andrisco, leva os romanos mais uma vez a intervir.
* Tem início a Terceira Guerra Púnica, quando Roma intervém numa disputa entre Cartago e o rei da Numíadia, Masinissa, amigo e aliado de Roma.
* Galba e Lúcio Licínio Luculo, este governador da Hiapanha Citerior, unem as suas forças contra os Lusitanos, embora cada um na sua frente. Luculo derrota e mata de uma vez 4000 Lusitanos. De outra vez cai sobre um grupo que se dirige a Gades (Cádis), mata 1500, os restantes fogem para um cabeço, ele cerca-os e fá-los prisioneiros. Depois informa Apiano, entra na Lusitânia e devasta-a região por região. Os lusitanos propõem a paz. Fingindo aceitar Galba convoca-os para lhes distribuir terras. Galba recebe os legados dos Lusitanos que vão propor a paz e reconhece a pobreza Lusitana: “ É a esterilidade dos vossos campos e a pobreza, que vos obriga ao latrocínio”. Por isso se quereis a amizade dar-vos-ei as terras de que necessitais, fixando-vos numa fértil planície que dividirei em três partes”.  Dividiu-os efectivamente em três grupos e depois de os ter obrigado a entregar as armas cerca-os com as suas tropas e ataca-os. Morrem 9000 Lusitanos que resistiram. 20 000 rendidos foram enviados para a Gália, como escravos.
* Este ano, Viriato encontra-se entre os lusitanos que Sulpício Galba cerca. Porém Viriato consegue escapar à chacina do pretor.
* O particularismo, tara hereditária do ramo ibérico, impede a união nacional. A revolta mais perigosa é a dos Lusitanos, povo muito independente que habita a região que hoje é Portugal. Um dos governadores romanos, Galba, cobre-se de vergonha este ano, quando, a pretexto de negociações, reúne 7 000 iberos e os manda cercar pelas suas tropas, vendendo parte deles como escravos e chacinando quase todos os outros. Uma das raras pessoas que conseguem escapar à armadilha de Galba, é um pastor de nome Viriato. Até aqui defendeu o seu rebanho contra animais selvagens e salteadores, mas, a partir deste momento põe-se à testa dos seus compatriotas e lança-se numa luta mortal contra os romanos perjuros.


Ano 149 a.C. - Fim do reinado em Roma, de Catão-o-Censor.
* Galba, acusado de tão grande perfídia aos lusitanos, no ano anterior é julgado, mas absolvido. O discurso de Catão a favor dos Lusitanos, não consegue a condenaçao de Galba, mas é determinante na criação de um tribunal para julgamento dos abusos dos pretores.
* Nem Catão nem Masinissa assistem à queda de Cartago. Morrem este ano. O rei Númida conta 90 anos.
* Galba é acusado em Roma, pelo crime aos Lusitanos no ano anterior, mas a Assembleia do Povo tem a imprudência de lhe perdoar.


Ano 147 a.C. - Viriato assume a chefia da resistência Lusitana, que levará a cabo uma luta de guerrilha com consideráveis vitórias sobre o exército romano. Os Lusitanos fazem uma incursão no vale do Bétis, na
Turdetânia, mas são repelidos pelas tropas romanas comandadas por Vetílio.
* A guerra reacende-se na Lusitânia, chefiada por Viriato. Cerca de 10 000 homens que haviam descido ao vale do Guadalquivir são cercados por Vetílio, governador da Ulterior. A dificuldade de romper o cerco obriga-os a negociar. Viriato, que se encontra no meio deles, recorda-lhes quanto é hábito entre os Romanos quebrar os acordos e mostra-lhes que a fuga, embora difícil, não é impossível. É aqui que tomam Viriato por seu chefe. Viriato dispõe os seus homens como para uma batalha campal e manda-lhes que a um sinal dado (quando montasse o cavalo) forcem o cerco pelos pontos mais fracos, em grupos apinhados. Os Lusitanos assim fazem e conseguem salvar-se. Durante dois dias Viriato, com 1000 cavaleiros, entretêm o exército romano nas vizinhanças da cidade de Urso, furtando-se-lhe e logo reaparecendo. Assim dá tempo a que os Lusitanos, dispersos em pequenos grupos, voltem a reunir-se em Tribola, a sul de Urso e o exército romano que os persegue é finalmente derrotado no vale de Barbésula (hoje Guadiano). Vetílio perde a vida e dos 10 000 homens apenas seis mil conseguem fugir e refugiar-se em Carteia. O questor de Vetílio toma o comando das tropas, mas não se atreve a contra-atacar. Dispondo de um exército de 5 000 indígenas, na
sua maior parte das tribos celtibéricas de Belos e Titos, foi estes que mandou contra Viriato, que não tem dificuldades em derrotá-los.
* As operações romanas tomam nova amplitude, graças à eleição para o consulado do jovem Públio Cornélio Cipião Emiliano. Este filho de Paulo Emílio e filho adoptivo de Cipião-o-Africano que herda o altruísmo e o bom senso do pai, mas talvez se pareça mais ainda com o seu cavalheiresco e generoso homónimo.

* O pretor Vetílio vence os dez mil lusitanos que atacam a Turdetânia. Viriato torna-se o chefe dos Lusitanos, vence Vetílio em Tríbola.
(Os Lusitanos no Contexto Peninsular)
* As uvas, os girassóis brancos, os espargos e outras plantas semelhantes só não produziam três meses no ano.


Ano 146 a.C. (608 a.C.) - Destruição de Cartago pelas legiões romanas. Com a destruição de Cartago Roma domina também uma parte do norte de África.
* Por insistência do velho Catão, os romanos decidem destruir a cidade. Os cartagineses resistem
desesperadamente, mas a cidade acaba por se render ao general romano Cipião Emiliano, que a arrasa este ano. O seu território constitui a nova província de África.
* Na primavera, Lélio consegue escalar o muro, mal defendido por uma guarnição esfomeada e penetra assim no porto interior. A cidade está tomada, mas a luta não terminou de modo algum. Os assaltantes ocupam a praça do mercado contígua ao pequeno porto, e avançam através das três ruas estreitas que conduzem à cidadela; sua marcha é lenta, pois as casas de seis andares têm que ser tomadas uma após outra. Passam assim seis dias terriveis para os habitantes da cidade, e terriveis também para os assaltantes; chegam enfim diante da rocha escarpada da cidadela, onde se refugiara Asdrúbal com o que lhe restava dos soldados. O resto da populção, refugiada na cidadela, pede para capitular. A vida é-lhes concedida a muito custo, e vê-se aparecer diante do vencedor 30 000 homens e 25 000 mulheres, menos da décima parte da antiga população.

* No começo do ano, os Aqueus entram na Grécia, na Tessália, para forçar novamente a obediência de Heracléia, no Eta, que, conforme o decreto do Senado, deixara a confederação Aquéia. O cônsul Lúcio Múmio, que o Senado enviara à Grécia, não chegou ainda: Metelo toma a si a tarefa de proteger Heracléia com legiões macedônias.
* Apesar das condições de paz muito duras, a prosperidade de Cartago não enfraquece, pelo contrário. Catão, o Antigo, pela sua famosa fórmula Deleuda est Carthago (Cartago deve ser destruída), leva os romanos a retomarem a luta. Uma expedição Púnica contra o seu aliado Massinissa, rei da Numidia, fornece-lhes o pretexto para uma terceira declaração de guerra. Mas a guerra tem uma causa mais profunda: Cartago deve ser aniquilada porque ameaça os interesses financeiros romanos. Desta vez, a cidade é totalmente destruída, este ano. Os sobreviventes são vendidos como escravos, a terra votada aos deuses dos infernos. O desaparecimento de Cartago arranca, até, lágrimas ao vencedor, Cipião Emiliano.
* A antiga cidade fenícia de Cartago, foi totalmente arrasada por Cipião Emiliano, este ano.
* A antiga cidade grega de Corinto foi destruída por Roma este ano, como exemplo para o resto do
Império. A marcha triunfal da expansão imperial de Roma termina com a destruição de Corinto e Cartago este ano.
* O poder de Cartago, tão orgulhosa do seu comércio, foi enfraquecido pelos romanos em três guerras que se caracterizaram por uma extraordinária violência. A cidade é finalmente arrasada por completo: “que Cartago seja destruída”, foi a sentença romana que se cumpriu.
* O pretor C. Pláucio Hipseu toma o comando da Hispania Ulterior, substituindo Vetílio, os lLusitanos saqueiam Carpetânia, a norte do tejo. Pláucio procura-os para lhes dar combate, mas deixa-se enganar por uma táctica á qual Viriato frequentemente recorre, simulando fugir com receio das armas romanas, os lusiatanos atacam a certa altura os perseguidores de surpresa e em terreno que os favorece. Pláucio, não obstante a derrota, segue os lusitanoas até Mons Veneris, onde Viriato está acampado. Sofre uma  derrota e renuncia a outras operações ate ao fim do seu mandato.

* Viriato mantem os seus homens em Mons Veneris.

* Viriato ataca Segóvia e Segobriga, cidades pró-romanas.
* Tomada de Cartago põe termo àTerceira Guerra Púnica, e a destruição de Corinto concluiu as
operações contra a Liga Acaia.
*
Outrora os Romanos tinham visto os Gregos apenas de longe. Admiravam as suas importantes descobertas científicas, as suas artes, a sua literatura e, em geral, o refinamento da sua cultura. Viam agora o reverso da medalha e, em primeirissimo lugar a incapacidade congénita dos Gregos para se entenderem uns com os outros. Novas dissensões obrigam Roma a intervir. Oos romanos enviam árbitos a Corinto, mas estes são recebidos com injúrias. Em seguida os gregos lançam-se uns contra os outros. Mas esta situação já dura há tempo de mais. E, este ano, o governador romano da Macedónia, penetra na Grécia e desbarata as tropas daqueles desordeiros. Os Gregos acabam de travar o último cambate para salvar a sua independência. O único resultado é passarem a estar sob a autoridade do governador romano da Macedónia, em vez de dependerem directamente do senado. Mas podem conservar a sua autonomia comunal, modificando-a no entanto, num sentido mais aristocrático. E são considerados aliados de Roma. Os romanos só lhes tiram um direito. O de fazerem a guerra ou concluírem a paz, o seu mais estimado privilégio, e os helenos têm de pagar a Roma em contrapartida da sua protecção armada.


Ano 145 a.C. -
O cônsul Q. Fábio Máximo Emiliano vem para a Hispânia Ulterior. A sua nomeação, como irmão de Cipião Africano, para um lugar exercido até aqui por pretores, é uma vitória da facção do Senado partidária dos Cipiões.
* Fábio recebe um exército de 17 000 homens, na sua maioria recrutas. Todo este ano, evita grandes recontros.
* Viriato triunfa sobre Nigídio, pretror da Hispania Citerior.

 

 

 

 

 

 

guerreiro lusitano

guereiro konii

guerreiros romanos

guereiros lusiatnos

 

 

 

 

 

Penso: ... a ver impotente o recuo da História do mundo

PublicadoPor lazulli às 20:52
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Sábado, 5 de Julho de 2008

1000 a.C. (192 a.C. a 183 a.C.)

 

Ano 192 a.C. (562) - Supremacia romana em toda a Gália Cisalpina.
* Os Etólios, ressentidos por Flamínio não lhes permitir ocupar alguns dos seus territórios anteriores evacuados por Filipe, tomam a cidade fortificada de Demétria e pedem a Antíoco que venha livrar os Gregos dos Romanos. Antíoco responde ao pedido levando uma pequena força expedicionária para a Grécia.
* No Verão, uma frota romana de trezentas velas, tendo a bordo três mil soldados, sob o comando de Aulo Atílio Serrano, apareceu na altura de Giteu. Antíoco reúne as naves e as tropas que tem em mãos, contando quarenta naves e dez mil homens de infantaria com quinhentos cavaleiros e seis elefantes. Parte do Quersoneso, na Trácia, para a Grécia, onde desembarca no Outono em Ptéleo, no golfo de Pégaso, ocupando imediatamente a cidade vizinha de Demetríade, enquanto um exército romano de aproximadamente vinte cinco mil homens, sob as ordens do pretor Marco Bébio, desembarca na Apolônia. A guerra está começada por dois lados. Os Ródios e os Bizantinos juntam-se aos seus antigos aliados. O Egipto toma o partido de Roma. Filipe põe todas as suas forças, com um zelo cordial, à disposição dos Romanos. A segunda potência da Grécia, a liga Aqueana, adere tanto quanto a primeira à aliança com Roma.
* O fim da independência da Gália Cisalpina só chega este ano, quando os Romanos derrotam os Bóios na sua praça forte. (Bolonha actual)

Ano 191 a.C. - Antíoco, é expulso da Grécia por um exército Romano, que o derrota nas Termópilas.
Sucessivas campanhas sangrentas no vale do Pó, terminam com a derrota da mais poderosa das tribos da Gália Cisalpina, os Bóios.

* No começo da primavera, o estado-maior Romano chega a Apolônia. O comandante chefe é Mânio Acílio Glábrio, homem de origem humilde, mas general hábil, temido por seus soldados e seus inimigos. O almirante é Caio Lívio. Levam reforços de homens e naves, a cavalaria Líbia e elefantes, de forma que o contingente total do exército Romano eleva-se para quarenta e mil homens aproximadamente. As tropas Romanas já tinham começado as operações na Tessália.
* Lúcio Emílio Paulo, recebe o imperium proconsular da Província Ulterior (Espanha) e sofre este ano uma derrota lutando contra os Lusitanos em Lycon.

Ano 190 a.C. (564) - Os Romanos invadem a Ásia, sob o comando de L. Cipião (irmão do Africano, que acompanha o exército) e derrota Antíoco em Magnésia. Antíoco é forçado a retirar-se para além das montanhas do Tauro, e a pagar uma enorme indemnização e a entregar os seus elefantes e a sua frota.
* No vale do Ermo, perto de Magnésia, ao pé do monte Sipilo, não longe de Esmirna, as tropas Romanas encontram o inimigo no fim do outono. A vitória que lhes dá um terceiro continente, custa aos Romanos somente 84 cavaleiros e trezentos infantes. A Ásia Menor submete-se, até ao Éfeso, de onde o almirante retira rapidamente sua frota, além de Sardes, a residência da corte.
Assim o protetorado da República Romana abrange agora todos os Estados, desde a extremidade oriental até à extremidade ocidental do Mediterrâneo. Não existe nesta extensão nenhum Estado do qual os Romanos acreditem ter algo a temer. Mas um homem vive ainda a quem Roma faz honra: O Cartaginês sem asilo, que levantou contra Roma todo o Ocidente. Este refugiou-se inicialmente em Creta, depois na Bitínia e reside na corte de Prúsias, rei deste país, ajudando-o nas guerras com Eumeno. Flaminino resolve, sem consultar ninguém, libertar Roma de Aníbal, como libertara os gregos de seus grilhões. Se não puder cortar a garganta do maior homem deste tempo, pretende pelo menos provocá-lo. Prúsias, o mais miserável dos miseráveis príncipes da Ásia, fica encantado em conceder o pequeno favor que o enviado Romano pede em termos ambíguos e Aníbal vendo sua casa cercada de assassinos, toma veneno. Viveu o bastante para ver o Ocidente completamente submisso e para travar a última batalha com os Romanos contra as galeras de sua própria cidade, que se tornou Romana. Por fim é obrigado a ser um mero espectador.
* Partindo da Macedónia um exército Romano passa o Helesponto e este ano, esmaga Antíoco. Basta esta vitória de Roma para abater o Império Selêucida. Antíoco tem que ceder quase toda a Ásia Menor e quanto ao resto de seus territórios aceitar condições tão severas como as postas aos outrora a Cartago e mais recentemente á Macedonia. Cedência de toda a frota, com excepção de dez navios, e de todos os elefantes de guerra, pagamento da enorme soma de 15 000 talentos, a título de reparação. Promessa de não atacar os países vizinhos situados a Ocidente. Depois de tal humilhação os súbditos do rei perdem-lhe o respeito. Desordens e crises financeiras perturbam com frequência a paz do reino.

Ano 189 a.C. - Perseu combate os Etólios.
* O Consul Cn. Mânlio Vulso invade o território dos Gálatas, mata muitos deles e apodera-se de enormes despojos.
* O procônsul Lúcio Emílio Paulo, tira a desforra com os Lusitanos do desastre de Lycon, no qual perde 6 000 homens.

Ano 188 a.C. - Chega-se a um acordo final com Antíoco, com que se assina um tratado em Apamea. Os seus antigos territórios na Ásia Menor são divididos entre Rodes e Êmenes II de Pérgamo, os Romanos retiram-se então completamente da Grécia e da Ásia.

Ano 187 a.C. - É construída a Via Emília (de onde deriva o nome actual desta região) que liga a Piacenza a Ariminum (Rimini).

Ano 186 a.C. - São introduzidas em Roma, as competições de atletismo.
* Os mistérios de Dionisios-Baco são vários: a mistura de sexos, das pessoas de qualquer condição, o mistério das reuniões e o seu carácter orgíaco, até mesmo bestial, fazem recear as autoridades Romanas uma conspiração ou tentativa de subversão social. Por isso estas práticas são severamente reprimidas aquando do escândalo das Bacanais este ano.
* O mais antigo decreto senatorial data deste ano. é um dos mais importantes documentos em língua latina. Refere-se ao culto de Baco, imitação Romana dos ritos gregos em honra de Dionísio O Senado vê-se obrigado a regulamentar estritamente as cerimónias dionisíacas; todas as comunas itálicas são obrigadas a mandar gravar o decreto em placas de bronze e a expor estas na via pública para edificação de todos os cidadãos.
* Decreto do senado proibindo as Bacanais.
* Este ano, sendo Lúcio Mânlio Acidino Fulviano e Gaio Atínio os governadores da Espanha Citerior e da Ulterior, respectivamente, os Lusitanos, atacam novamente os Romanos. Passando o Guadalquivir, e auxiliados pelos habitantes de Hasta, defrontam Atínio na Primavera. Os Romanos conseguem vitória, mas sem vantagem.

Ano 185 a.C. - Os Pretores da Hispânia, este ano, Lúcio Quíncio Crispino e Gaio Calpúrnio Pisão, trazendo um exército de cerca de 24 000 homens, que se juntam aos já estacionados na Península, atacam Lusitanos e Celtiberos perto de Toledo em Dipo. Vencidos no primeiro recontro, os Romanos contra-atacam e obtêm êxito.

Ano 184 a.C. - Catão-o-Censor, rediculariza o exibicionismo frívolo dos Helenistas, defende as virtudes caseiras e mostra um profundo respeito pelas tradições itálicas. Os seus esforços para manter a coesão tradicional da oligarquia levaram-no a desencadear um ataque político contra Cipião, que acaba por forçar este a retirar-se da vida pública este ano. Catão apoia leis sumptuárias e opõem-se com frequência aos subornos, à corrupção e ao abuso de Poder. A oposição de Catão ao helenismo não se baseia num mero preconceito. Ele próprio fala grego e compreende a cultura grega melhor do que muitos dos que ataca; favorece mesmo a adopção de ideias gregas, desde que possam ser adaptadas às necessidades Romanas. É Catão que ordena, durante o seu mandato de censor, este ano, a construção  da primeira basílica em Roma, edifício de estilo grego. Este é um dos muitos exemplos de edifícios públicos de estilo grego mandados erigir durante este período.
* Catão é eleito Censor, exerce naturalmente as suas funções com impiedosa crueldade. Retoma a sua campanha contra a luxo. Desta vez com mais sucesso. O seu alto cargo permite-lhe taxar os artigos cujo uso quisera em 195 proibir ao belo sexo. O resmungão de cabelos vermelhos e olhos verde-cinzentos arranjou muitos inimigos mas o povo Romano honra-o com o título de Censorius.
* Plauto (escritor) morre este ano com 70 anos de idade.

Ano 183 a.C. - Aníbal tenta organizar a desforra, mas traído, refugia-se na corte de Prúsias II, rei da Bitínia. Este para salvar o seu reino, decide entregá-lo a Roma. Advertido Aníbal prefere matar-se este ano. Uma vez decidida a guerra com Aníbal, os Romanos podem mais uma vez voltar a sua atenção para os Balcãs, onde Filipe começou a estabelecer o seu poderio no Egeu e está a empreender movimentos ameaçadores na Ilíria.

 

(fotosnet)

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Viriato                                                                                                                      

Lusitano                                                                                        

"Deuses" lusitanos

Iberos

Pretor

Exército Romano

* Baco / dionisio baco

* Dionísio / baco dionisio      (TODAS AS IMAGENS RETIRADAS DA NET)


PublicadoPor lazulli às 09:34
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos
Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

1000 a.C. (256 a.C. a 238 a.C.)



Ano 256 a.C. (498 a.C.) - O Senado resolve mudar de sistema e atacar Cartago na África.

* Na Primavera, Roma resolve atacar Cartago na África e uma frota de 330 naves de linha, rumam para as costas da Líbia. Os Romanos encontram a frota Púnica em ordem de batalha na altura de Ecnomos para proteger a Pátria contra a invasão. Raramente se viu combate no mar com massas maiores do que estas que se encontram nesta Batalha. A frota Romana, de 330 velas, leva pelo menos 100.000 homens de tripulação, além do exército de terra, de aproximadamente 40.000 soldados. A frota Cartaginesa de 350 velas, é constituída de um número igual de combatentes, de maneira que perto de 300.000 homens foram postos em linha este dia, para decidir a luta entre os dois poderosos povos. Da frota Romana, 24 naves  são postas a pique. Da frota Cartaginesa, 24 afundam-se e 64 são tomadas. Os Romanos, em vez de desembarcarem na costa Ocidental da Península que forma o Golfo, descem mais para Leste, onde a Baía de Clúpia , lhes apresenta uma larga enseada para a protecção de suas naves contra quase todos os ventos. Em pouco tempo, um campo naval fortificado é ali construído, e o exército de terra tem a liberdade de começar as suas operações.

* A energia dos Cartagineses está quebrada. Pedem paz. Mas as condições propostas pelo Cônsul são inaceitáveis.

* Roma inflige uma derrota aos Cartagineses no Cabo Ecnomo .



Ano 255 a.C. (499 a.C.) - Amílcar, que fez com tanto sucesso a guerra de guerrilhas na Sicília contra os Romanos, aparece na Líbia com a elite das tropas da Sicília, que fornecem um precioso núcleo para o novo recrutamento. Ao chegar a Primavera, as coisas já mudaram de tal forma que são os Cartagineses os primeiros a abrir Campanha e a oferecer a batalha aos Romanos. A massa principal dos Romanos atacada na frente pelos elefantes, dos dois lados e por trás pela cavalaria, por mais que se esforcem em quadrado e procurem defender-se heroicamente, têm no final as suas massas compactas quebradas e dispersas. No pequeno número de prisioneiros, está o próprio Cônsul, que vai morrer mais tarde em Cartago. Uma frota Romana de 350 velas parte imediatamente e após ter ganho no Promontório de Hermes, uma brilhante vitória na qual os Cartagineses perdem 114 naves, chega a Clúpea bem a tempo de tirar de sua posição crítica os restos do exército desfeito, que ali estava entrincheirado. Mas os Romanos perdem a cabeça de tal forma, que após o combate feliz em Clúpea , embarcam todas as suas tropas e rumaram para a Itália. Três quartos da frota sucumbe com as suas tripulações, numa tempestade violenta. Apenas 80 naves chegam ao porto em Julho deste ano.

* Numa tentativa dos Romanos atacarem directamente Cartago, por meio de uma força invasora comandada por M. Atílio Régulo, fracassa, transformando-se em catástrofe total quando a frota enviada para evacuar o exército, naufraga numa tempestade na sua viagem de regresso, este ano.



Ano 251 a.C. (503) - Batalha de Palermo. O exército Romano esmaga o exército de elefantes, os animais cercados, desorientam-se e voltam-se contra os Cartagineses.

* O cônsul Gaio Célio Metelo ganha no verão, sob as muralhas de Panormo (a cidade mais importante da Sicília cartaginesa), uma brilhante vitória sobre o exército dos elefantes.

 


Ano 250 a.C. - Em Roma, a prática impiedosa da lei dos devedores, excita a indignação de toda a classe de fazendeiros. Quando, este ano, são convocados os recrutas para uma guerra perigosa, os homens obrigados a servir, recusam-se a obedecer a este comando, de maneira que o Cônsul Públio Sérvio, suspende por algum tempo a aplicação da lei dos devedores, e dá ordem para pôr em liberdade as pessoas já encarceradas por dívidas, e para impedir novas prisões. Os fazendeiros tomam seus lugares no exército e contribuírem para garantir a vitória.

* O rei Asoka, o Grande; levanta em Lumbini, uma coluna com a inscrição “aqui nasceu Buda Sakya Munif.”



Ano 249 a.C. (505 a.C.) - Nascimento de Aníbal, filho mais velho de Amílcar.



Ano 244 a.C. - Fundação de uma colónia em Brundisium.



Ano 242 a.C. - Os Romanos reunem as suas últimas forças para alcançarem a decisão no mar contra os Cartagineses. Os cofres do Estado estão vazios mas os cidadãos mais ricos dão provas de generoso patriotismo, oferecendo fundos necessários para a construção de navios. Cada um, toma sobre si, o encargo de financiar o equipamento de um navio, ou se os seus meios não são suficientes, junta-se-lhe um ou outro cidadão. Este esforço surpreende completamente o inimigo, que sofre uma dura derrota ao largo das costas ocidentais da Sicília, este ano. Os Cartagineses, perdem toda a sua esperança de vitória e propõe a paz. Estabelece-se um pacto de paz e Cartago perde a Sicília e deve pagar 3200 talentos à maneira de reparações.



Ano 241 a.C. (513) - O Ocidente tem a paz este ano. O Tratado concluído com Roma este ano, dá a paz a Cartago, mas custa-lhe caro. O remorso que mais fere os Cartagineses, é ver destruído todo o seu sistema de política comercial.

* Novo Tratado entre Romanos e Cartagineses, decorrente do triunfo dos Romanos na Primeira Guerra Púnica.

* A expedição do Cônsul Régulo a África, fracassa e os combates recomeçam. Em terra, as Legiões Romanas, são derrotadas na Sicília pelo jovem general Amílcar Barca. É no mar que o Procônsul Lutácio Catulo domina os Cartagineses, interceptando diante das ilhas Égatas um importante comboio de abastecimento. Cartago, tem de abandonar a Sicília e pagar uma pesada indemenização. E, ao mesmo tempo fazer face a uma crise interna grave. O seu exército, recrutado entre os indígenas Númidas, não é de grande qualidade. Logo que aparece a trégua com os Romanos, estala uma terrível revolta dos mercenários, aos quais o Governo havia recusado pagar os soldos. Esta revolta é reprimida por Hanão; o Grande e Amílcar Barca; mas os Romanos aproveitam estas perturbaçãos para ocupar a Córsega e a Sardenha.

* Os cidadãos Romanos beneficiam directamente da fundação das Colónias Latinas, que este ano ocupam mais de 10 Km2 de terras confiscadas. Simultâneamente a população de cidadãos Romanos vai crescendo. A Sicília é o principal ganho inerente à vitória deste ano. Para além de alguns casos priveligiados, tais como Messana e o reino de Siracusa, as várias comunidades da Sicília passam a pagar tributo a Roma, sob a forma de dízimo.

* Os recursos de Roma são superiores aos dos Cartago, e após a vitória Romana nas ilhas Égates, este ano, os Cartagineses rendem-se. Os romanos ocupam a Sicília que se torna a sua Primeira Província.

* Fundação, pelos Romanos duma colónia em Spoletium; esta tem lugar no seguimento de uma revolta da cidade de Falerii, gesto isolado de desafio que os Romanos esmagam com violência, numa campanha de 6 dias.



Ano 240 a.C. - Livius Andronicus, escravo de Tarento, alforriado, torna-se Professor, profissão de escravo ou de liberto. O Tarentino, contribui para a helenização das élites Romanas, mas, paralelamente, esforça-se por aperfeiçoar a Língua Latina. Este ano escreve a primeira tragédia romana que é apresentada nos Ludi Romani.



Ano 238 a.C. - Ocupação do litoral Ibérico pelos Cartagineses.

* Os Romanos escutam as propostas dos revoltosos da Sardenha que está nas mãos dos Cartagineses. Assim adquire Roma sem esforço a Sardenha, à qual junta a Córsega, antiga possessão Etrusca, onde, talvez depois da última guerra, haviam ficado algumas guarnições Romanas.

* Aperfeiçoamento, do calendário egípcio, com o “Decreto de Canopo”, que introduz o ano bissexto.

* Depois dos acontecimentos de Sicília, os Cartagineses compreendem que a paz de 241 a.C. não passa de um Armistício. Ninguém está mais a par da situação do que Amílcar e seu genro Asdrúbal. Decidem procurar na Península Ibérica compensações para as perdas sofridas pela sua cidade natal. A Península Ibérica possui ricas minas de prata que exploradas de maneira racional, podem pagar as reparações devidas pelos Cartagineses e financiar as suas guerras futuras. Além disso os habitantes da Ibéria são excelentes soldados. E, Cartago, acaba de enfrentar uma revolta de mercenários a quem a assinatura da paz em 241 a.C. deixou sem trabalho e sem dinheiro. Amílcar, este ano, leva as tropas para a Ibéria, onde os Cartagineses já possuíem Cades e alguns postos comerciais dispersos. Apoiando-se nessas possessões, Amílcar, aplica todo o seu talento de estratego e a sua inteligência política, na criação de um Estado Cartaginês homogéneo que agrupa as regiões férteis do Litoral Mediterrânico e se estenda a Norte, até ao Ebro. Na costa Sul funda Nova Cartago (a actual Cartagena) capital do Novo Império.

 

 

 

 

 

General Romano Espición












1ª Guerra Púnica





Rotas da 2ª Guerra Púnica... Península Ibérica



Aníbal Barca















(fotosdanet)





2ª Guerra Púnica
guerreiro Lusitano  


PublicadoPor lazulli às 22:00
LinkDoPost | Acrescente/Rectifique | AdicionarAosFavoritos

*UmaPequenaHistória


* Lazulli

* Adicionar

. 9 seguidores

*Procurar

 

*Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


*Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

*DadosRecentes

* 1000 anos a.C. (70 a.c. ...

* 1000 a.C (92 a.c. a 88 a....

* 1000 a.C. (134 a 122)

* 1000 a.C (154 a 145)

* 1000 a.C. (192 a.C. a 183...

* 1000 a.C. (256 a.C. a 238...

*Arquivos

* Março 2016

* Fevereiro 2010

* Outubro 2009

* Julho 2009

* Fevereiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Julho 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

*tags

* todas as tags

*AcrescentosHistóricos

ANO 147 a.C. ANO 153 a.C.

*PartilharConhecimento

* PartilheConhecimento

*Bibliografias

Os Lusitanos - No contexto Peninsular História de Roma Estrabão, III, 3,7 Polibio, XXXIV

*visitas

contadores
contadores